Valores organizacionais esposados pelas organizações de microcrédito Brasileiras / Organizational values sponsored by Brazilian microcredit organizations

Gilvanete Dantas de Oliveira Pereira, Maria Luisa Mendes Teixeira

Resumo


O microcrédito é um crédito de pequeno valor destinado a empreendedores de baixa renda no intuito de autoemprego e geração de renda. Laureou-se com o Prêmio Nobel da Paz em 2006, e desde então tem sido objeto de estudo em todo o mundo com diferentes perspectivas. O objetivo desta pesquisa é analisar os valores organizacionais das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs) no Brasil cadastradas no Programa Nacional de Microcrédito Produtivo e Orientado (PNMPO), a partir das missões apresentadas em seus sítios na Internet. Caracteriza-se como um estudo qualitativo, com a adoção da técnica de análise de conteúdo para a busca dos valores mais enfatizados. A base de dados se compôs de 158 OSCIPs microcreditícias, nas quais se encontraram 42 missões declaradas. Após coleta e análise dos dados, os resultados apontaram a prevalência dos valores organizacionais: preocupação com a coletividade, prestígio, autonomia e domínio no microcrédito brasileiro. A preocupação com a coletividade demonstrou-se a partir do desenvolvimento econômico e social e de atividades econômicas, da criação, crescimento e consolidação de empreendimentos, e da geração de emprego, trabalho e renda. O prestígio revelou-se em oferecer crédito adequado, capacitação e assessoria aos clientes, atendimento de forma diferenciada e de alta qualidade e serviços de microfinanças. A autonomia apresentou as categorias experimentar novos modelos socioprodutivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito, ser promovedor de mudanças financeiras e desenvolver tecnologias. Por fim, o domínio apresentou a autossustentabilidade da organização como principal categoria.


Palavras-chave


Microcrédito, Valores organizacionais, Inventário de Perfis de Valores Organizacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


AL-MAMUN, A.; ADAIKALAM, J.; WAHAB, S. A. Investigating the effect of Amanah Ikhtiar Malaysia’s microcredit program on their clients quality of life in rural Malasia. International Journal of Economics and Finance, v .4, n. 1, P. 192-203, 2012.

ALVES, S. D. da S.; SOARES, M. M. Microfinanças: democratização do crédito no Brasil, atuação do Banco Central. 3. ed. Brasília: BCB, 2006.

BARONE, F.; LIMA, P.; DANTAS, V.; REZENDE, V. Introdução ao microcrédito. Brasília: Conselho Da Comunidade Solidária, 2002.

BRASIL. Lei nº 13.636, de 20 de março de 2018. Dispõe sobre o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO); e revoga dispositivos das Leis n º 11.110, de 25 de abril de 2005, e nº 10.735, de 11 de setembro de 2003. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 mar. 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Lei/L13636.htm. Acesso em: 8 nov. 2020.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Informações Gerenciais do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado: 4º trimestre de 2014. Brasília: MTE, 4 mar. 2015. Disponível em: http://portalfat.mte.gov.br/wp-content/uploads/2016/03/RELATÓRIO-PNMPO-4º-TRI-2014.pdf. Acesso em: 8 nov. 2020.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DANTAS, V. de A. Microcrédito e cidadania. In MATOS, F. de; MACAMBIRA, J.; CACCIAMALI, M. C. (Orgs.). A atividade e a política de microcrédito no Brasil: visões sobre sua evolução e futuros desafios. Fortaleza: IDT, USP, 2014. p. 159-176.

FERRAREZI, E. OSCIP: saiba o que são organizações da sociedade civil de interesse público. Brasília: AED, 2002.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2013.

ISLAM, M. N.; FULA, F.; BEL, B.; HUM, T.; FIL, F. Do microcredit programs ameliorate standard of living? Spotlight on major microcredit organizations in Bangladesh. International Journal of Economics and Finance, v. 5, n. 4, p. 109-115, 2013.

KABANOFF, B.; DALY, J. Espoused values of organisations. Australian Journal of Management, v. 27, Supplement 1, p. 89-104, 2002.

MEENAI, Z. Women’s empowerment and microcredit: emerging spaces for social work practice. The Indian Journal of Social Work, v. 71, n. 1, p. 27-54, 2010.

MICROCREDIT SUMMIT CAMPAIGN. Featured commitments. Disponível em: http://microcreditsummit.org/featured-commitments.html. Acesso em: 10 maio 2014.

NERI, M.; BUCHMANN, G.; HARRIS, H.; ANDARI, A. Microcrédito: teoria e prática. In NERI, M. Microcrédito: o mistério nordestino e o Grameen brasileiro: perfil e performance dos clientes do CrediAmigo. Rio de Janeiro: FGV, 2008. p. 15-52.

NINO-ZARAZUA, M. Microcredit, labor and povety impacts in urban Mexico. Review of Development Economics, v. 17, n. 4, p. 747-762, 2013.

OLIVEIRA, A. D. F.; TAMAYO, A. Inventário de perfis de valores organizacionais. Revista de Administração da Universidade de São Paulo – RAUSP, v. 39, p. 129-140, 2004.

PARENTE, S. Microfinanças: saiba o que é um banco do povo. Brasília: AED, 2002.

PARENTE, S. Microfinanças passo a passo: saiba como implantar e gerenciar uma organização de microcrédito. Brasília: AED, 2003.

SCHWARTZ, S. H. Validade e aplicabilidade da teoria de valores. In TAMAYO, A.; PORTO, J. B. (Orgs.). Valores e comportamento nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 57-95.

TAMAYO, A.; BORGES, L. O. Valores del trabajo y valores de las organizaciones. In ROS, M.; GOUVEIA, V. (Ed.). Psicología social de los valores humanos: desarrollos teóricos, metodológicos y aplicados. Madrid: Biblioteca Nueva, 2001. p. 325-352.

TENÓRIO, F. G. (Org.). Gestão de ONG: principais funções gerenciais. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

YUNUS, M. Um mundo sem pobreza: a empresa social e o futuro do capitalismo. São Paulo: Ática, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n4-039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.