Reação dos investidores quando da divulgação da informação contábil: análise empírica para o CPC 01 / Investor´s reaction to the disclosure of accounting information: empirical analysis for CPC 01

Pedro Cosentino Delvizio, Adolfo Henrique Coutinho, Silva Rio de Janeiro

Resumo


Este estudo analisou se a divulgação da perda por impairment nos ativos de longa duração é um evento que provoca a reação dos investidores no mercado de capitais após a adoção das IFRS no Brasil. Estudos anteriores apresentam resultados inconclusivos sobre a reação da divulgação de perdas por impairment. Bens e Heltzer (2004), Hsieh e Wu (2006) e Knauer e Wohrmann (2015) apontam para uma reação negativa quando ocorre perda por impairment, enquanto Yang e Chiu (2014) apontam para uma reação positiva a essa divulgação devido à crença dos investidores na melhora dos retornos futuros. Foi utilizada a metodologia de estudo de eventos para medir a reação dos investidores, a partir do modelo de mercado, adotando-se uma janela de estimação de 121 dias e uma janela de evento de três dias para cada evento. A amostra final compreendeu sete eventos distintos e independentes relativos a quatro empresas que divulgaram fatos relevantes. A identificação dos fatos relevantes divulgados foi realizada no site da CVM e a coleta dos dados foi realizada no site YahooFinance!. Ocorreu um aumento da variação do volume negociado de ações e um retorno anormal acumulado negativo, demonstrando que os investidores reagiram às perdas por impairment divulgadas. Porém quando as perdas eram pequenas não houve reação significativa no volume negociado, apenas no retorno da ação. Além disso, contribuiu para a literatura sobre qualidade da informação contábil ao analisar a relevância da informação de perda por impairment divulgada em fato relevante pelas companhias brasileiras, bem como analisar qualitativamente suas características.


Palavras-chave


Teste de impairment, Fato relevante, Volume negociado de ações, Estudo de eventos.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, K. R. C. P., & Silva, C. A. T. (2020). Teste de Recuperabilidade de Ativos e Suavização de Resultados: um estudo nas empresas brasileiras listada na B3. Qualitas Revista Eletrônica, 20(3), 19-38.

Alves, K. R. C. P. (2020). Determinantes do Reconhecimento da Perda por Impairment Test. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Bens, D. A., & Heltzer, W. (2004). The Information Content and Timeliness of Fair Value Accounting: An Examination of Goodwill Write-offs Before, During and After Implementation of SFAS 142. Working paper, September.

Cerqueira, D. A. C., Rezende, A. J., Dalmácio, F. Z., & Silva, J. M. (2012). O impacto do reconhecimento do custo atribuído e da divulgação de impairment de ativos tangíveis e intangíveis (IFRS) sobre os preços e os retornos das ações das companhias brasileiras. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(3), 5-23.

Collins, D., & Henning, S. (2004). Write-Down Timeliness, Line-of-Business Disclosures and Investors’ Interpretations of Segment Divestiture Announcements. Journal of Business Finance & Accounting, 31(9, e 10).

CPC - COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. (2010). Redução ao Valor Recuperável dos Ativos. Disponível em: www.cpc.org.br.

CVM. (2007). OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/SEP/n.º 01/2007. Disponível em: www.sistemas.cvm.gov.br, acessado em 16/6/2018.

CVM. (2011). OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/SEP/n.º 01/2011. Disponível em: www.sistemas.cvm.gov.br, acessado em 16/6/2018.

CVM. (2017). OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/SEP/n.º 01/2017. Disponível em: www.sistemas.cvm.gov.br, acessado em 16/6/2018.

CVM. (2018). OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/SEP/n.º 01/2018. Disponível em: www.sistemas.cvm.gov.br, acessado em 16/6/2018.

Fernandes, J. S., Gonçalves, C., Guerreiro, C., & Pereira, L. N. (2016). Impairment losses: causes and impacts. Review of Business Management, 18(60), 305-318.

Hsieh, W. T., & Wu, T. C. (2006). Determinants and Market Reaction of Assets Impairment in Taiwan. Taiwan Accounting Review. 6(1), 59-95.

Instituto dos Auditores Independentes do Brasil. (2017). A experiência da aplicação do novo relatório do auditor, 1º ano. Principais assuntos de auditoria.

Jarva, H. (2009). Do Firms Manage Fair Value Estimates? An Examination of SFAS 142 Goodwill Impairments. Journal of Business Finance & Accounting, 36(9 & 10), 1059–1086.

Knauer, T., & Wohrmann, A. (2015). Market Reaction to Goodwill Impairments. European Accounting Review, 25(3).

Lopes, A. B. (2001) A relevância da informação contábil para o mercado de capitais: o modelo de Ohlson aplicado à Bovespa. 2001. 308f. Tese de Doutorado em Contabilidade e Controladoria, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Mackinlay, A. C. (1997). Event studies in economics and finance. Journal of Economic Literature, 35, 13-39.

Patrocínio, M. R., Kayo, E. K., & Kimura, H. (2007). Aquisição de empresas, intangibilidade e criação de valor: um estudo de evento. Revista de Administração, 42(2), 205-215.

Paulo, E., Sarlo Neto, A., & Santos, M. A. C. D. (2012). Reação do preço das ações e intempestividade informacional do lucro contábil trimestral no Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 5(1), 54-79.

Riedl, E. J. (2003) An Examination of Long-Lived Asset Impairments. Harvard NOM Working Paper, No. 03-54.

Santos, O. M. D., Santos, A. D.; & Silva, P. D. A. (2011). Reconhecimento de perdas para redução ao valor recuperável de ativos: impairment em ativos de exploração e produção de petróleo. Brazilian Business Review, 8(2) 66-95.

Sarlo Neto, A., Gazoni Junior, G. G., Simões, J. J. F., Porto, P., & Costa Junior, J. V. (2016). Relevância da informação contábil no mercado de capitais: uma análise sobre o teste de impairment no setor de mineração. III Workshop de contabilidade e tributação.

Sarlo Neto, A., Teixeira, A. J. C., Loss, L., & Lopes, A. B. (2005). O diferencial no impacto dos resultados contábeis nas ações ordinárias e preferenciais no mercado brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 16(37), 46-58.

Silva, A. H. C., Lourenço, T. S., & Sancovschi, M. (2017). Reação do mercado aos pareceres dos auditores sobre incertezas quanto à continuidade operacional de empresas de capital aberto após a adoção do IFRS. Pensar Contábil, 19(70).

Souza, M. M., Borba, J. A., & Zandonai, F. (2011). Evidenciação da perda no valor recuperável de ativos nas demonstrações contábeis: uma verificação nas empresas de capital aberto brasileiras. Contabilidade Vista & Revista, 22(2), 67-91.

Tavares, M. F. N., Ribeiro Filho, J. F., Lopes, J. E. G., Vasconcelos, M. T. C., & Pederneiras, M. M. M. (2010). Um estudo sobre o nível de conformidade dos setores classificados pela Bovespa com o CPC 01 – redução ao valor recuperável de ativos. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 5(1), 79-95.

Toledo, L. F., & Sancovschi, M. (2015). A relevância relativa do lucro: um estudo com base no volume de ações negociadas. Anais do VI Congresso Nacional de Administração e Contabilidade – AdCont.

Wrubel, F., Marassi, R. B., & Klann, R. C. (2015). Determinantes do reconhecimento de perdas por impairment em empresas brasileiras. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 6(1), 111-128.

Yang, L. L., & Chiu, T. S. (2014). An Empirical Test of Stock Market Reaction for Recognizing Assets Impairment: The Case of Taiwan. The Journal of International Management Studies, 9(2).




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n4-034

Apontamentos

  • Não há apontamentos.