Quem sou eu e qual é o meu trabalho? / Who am I and what is my job?

João Paulo Cavalcante Lima

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir sobre as incongruências entre os estereótipos das profissões e as identidades sociais. Ao todo realizamos 14 entrevistas desestruturadas com diferentes profissionais. Assim, construímos uma narrativa. Nesta, descrevemos como o estereótipo profissional determina a representação dos trabalhadores, mesmo que seja divergente da identidade social. Estes estereótipos podem levar os profissionais a representarem personagens, com nomes diferentes da vida real. Propomos, por meio desta narrativa, uma reflexão sobre quem somos profissionalmente e, de forma não fictícia, mostramos as contradições na busca pelo equilíbrio entre identidade social e profissional. Por meio, das análises realizadas observamos que nem sempre o trabalho está em consonância com a vida pessoal e por isso, personagens ou identidades profissionais são criados para manter a imagem pré-estabelecida do profissional desejado. Percebemos que ao se adaptarem aos seus trabalhos, estes profissionais corroboram com a premissa de responsabilidade individual de sucesso pregada pela atual configuração do capitalismo. Ademais, também legitimam os estereótipos de imagem criados pela sociedade que excluem bons profissionais do mercado do trabalho, não por falta de capacidade, mas por não estarem visualmente enquadrados nos padrões pré-definidos socialmente.


Palavras-chave


Mundo do Trabalho, Identidades Social e Profissional, Representação do Eu.

Texto completo:

PDF

Referências


Ashforth, B. E. & Mael, F. (1989). Social Identity Theory and the Organization. Academy of Management Review. 14(1).

Barley, S. R. & Kunda, G. (2001). Bringing work back in. Organization Science, 12(1), p. 76-95.

Bauman, Z. (2005). Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Cooley, C. H. (1992). Human nature and the social order. Nova Iorque: Scribner’s.

Cálcena, E. J. F. (2012). A mudança da identidade profissional em transições de carreira. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Fontenelle, I. A. (2008a). Pós-modernidade: trabalho e consumo. São Paulo: Cengage Learning.

Fontenelle, I. A. (2008b). Eu, proteu. GV Executivo, 7(4).

Franzoi, N. L. (2006). Entre a formação e o trabalho: trajetórias e identidades profissionais. Porto Alegre: UFRGS.

Goffman, E. (1982). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Goffman, E. (2004). A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Editora Vozes.

Hall, S. (2001). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Paiva, G. J. (2007). Identidade psicossocial e pessoal como questão contemporânea. Psico. 38(1), p. 77-84.

Sennett, R. (2000). Street and office: two sources of identity. In: Hutton, Will; Giddens, Anthony (Org.). On the edge: living with global capitalism. London: Jonathan Cape.

Sennett, R. (2008). A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 13. ed. Rio de Janeiro: Record.

Stryker, S. & Statham, A. (1985). Simbolic interaction and role theory. In: Lindzel, G. & Aronson, E. (Org.). The handbook of social psychology. 3. ed. New York: Random House.

Strauss, A. & Corbin, J. (1998). Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de Teoria Fundamentada. São Paulo: Artmed.

Taylor, C. (1997). As fontes do self: a formação da identidade moderna: São Paulo: Loyola.

Wood Jr. T. (2000). Organizações de simbolismo intensivo. RAE. 40(1), p. 20-28.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n4-021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.