Estudo de mercado para a exportação de pedras de ametista brasileiras para a União Europeia / Market study for the exportation of brazilian amethyst stones to the European Union

Débora Tonin Schiller, Renata Granemann Bertoldi Platchek

Resumo


O Brasil é um dos maiores produtores de pedras preciosas e semipreciosas do mundo, tendo a União Europeia como um dos principais destinos para as exportações deste produto. Dentro de todos os minerais produzidos, o quartzo de ametista é tido como um dos principais para a economia brasileira. Sendo assim este trabalho teve como objetivo realizar um estudo de mercado para a exportação destas pedras a União Europeia. Para isto, foram estudados os aspectos mercadológicos inerentes ao produto assim como o estudo sobre o seu respectivo mercado produtor e comprador e a seleção dos mercados alvo no bloco comercial escolhido. O estudo fez uso de abordagem qualitativa com fins exploratórios e descritivos por meio de dados secundários, com levantamento bibliográfico e documental, e primários, com a realização de entrevistas in loco com empresas e órgãos públicos do setor. Percebeu-se a importância do bem estudado para o país, os possíveis entraves para a maior comercialização das pedras no mercado internacional assim como se explanou sobre o fluxo global de pedras coloridas e suas peculiaridades. Conclui-se que a União Europeia efetivamente é um mercado em potencial, tendo como mercados alvo a Alemanha, o Reino Unido, a França e a Itália. Para futuros estudos sugeriu-se aprofundar a pesquisa nos países selecionados individualmente, assim como realizar pesquisa in loco também na Europa.


Palavras-chave


Exportação de pedras de ametista, Exportação de pedras preciosas e semipreciosas brasileiras, União Europeia, Pesquisa de Marketing Internacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALICEWEB. Sistema de Análise de Informações de Comércio Exterior. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2016.

ADUANEIRAS. Informaçao sem Fonterias. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.

AMETISTA PARQUE MUSEU. A mais rara coleção de Minerais da América Latina. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2017.

BARBOSA, P. S. Competindo no Comércio Internacional: Uma Visão Geral do Processo de Exportação. São Paulo: Aduaneiras, 2004. 592 p.

BARBOSA, G. Swissinfo. China pode lesar mercado de pedras do Brasil. 2004. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.

BRASIL. SETORES DE PROMOÇÃO COMERCIAL. SECOMs: Setores de Promoção Comercial no mundo. 2016. Disponível em: < https://investexportbrasil.dpr.gov.br/Secoms/Busca/frmBuscaSecom.aspx>. Acesso em: 10 ago. 2016.

BRASIL. Prefeitura de Ametista do Sul. História do Município. 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

BRASIL. J. L. N. G. IBGM/ DNPM (Org.). Manual Técnico de Gemas. 3. ed. Brasília: Gráfica Itamarati, 2005. 156 p. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DA INDUSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS. Balança Comercial Brasileira: Acumulado do ano. 2017. Disponível em: < http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-acumulado-do-ano>. Acesso em: 28 mar. 2017.

BRASIL. APEX e IBGM. Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos e o Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (Org.). O Projeto Setorial. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

BRASIL. Decreto nº 62.934, de 02 de julho de 1968. Aprova O Regulamento do Código de Mineração. Brasília, Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2017.

BRASIL. Portaria nº 23, de 14 de julho de 2011. Portaria SECEX. Brasília, Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2017.

BRAZ, Eliezer. Cenário Evolutivo da Situação Tributária da Mineração no Brasil e Análise Comparativa com Países Mineradores Selecionados. Belo Horizonte: J Mendo, 2009. 37 p. Projeto estatal de assistência técnica ao setor de energia em parceria com o Ministério de Minas e Energia - MME, a Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral- SGM e o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento - BIRD. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

BRANCO, P. M.; GIL, C. A. Mapa Gemológico do Rio Grande do Sul. 2 ed. Porto Alegre: CPRM, 2002.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 296 p.

CATEORA, P. R.; GRAHAM, J. L. Marketing internacional. 13. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2009. 635 p.

CROCCO, L.; TELLES, R.; GIOIA, R. M.; ROCHA, T.; STREHLAU, V. I. Marketing Aplicado: O Planejamento de Markeitng. São Paulo: Saraiva, 2010. 148 p.

CHURCHILL, G. A; BROWN, T. J.; SUTER, T. A. Pesquisa básica de marketing. São Paulo, SP: Cengage Learning, 2012. 480 p.

CAVUSGIL, S. T.; KNIGHT, G. A; RIESENBERGER, J. R. Negócios internacionais: estratégia, gestão e novas realidades. São Paulo: Pearson: Prentice Hall, 2010. 510 p.

CZINKOTA, M. R. Marketing: As Melhores Práticas. Porto Alegre: Bookman, 2001. 559 p.

DUARTE, L. C. Evolução Geológica, Geoquímica e Isotópica das Mineralizações de Geodos com Ametista, Artigas, República Oriental do Uruguai. 2008. 167 f. Tese (Doutorado) - Curso de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

DANA, J. D. Manual de mineralogia. Rio de Janeiro, RJ: Ao Livro Técnico, Livros Técnicos e Científicos, 1970. 382 p.

FILLUS, J. T. Limitações ao Poder de Tribunar. Itajaí: João Thiago Fillus, 2015. 22 slides, P&B.

FMI (INTERNATIONAL MONETARY FUND) (Org.). World Economic Outlook Database, October 2015. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

GARRIDO, I. L.; FILERENO, S. Internacionalização de Empresas. São Leopoldo: Unisinos, 2013. 62 p.

HARTMANN, L. A. Geologia da riqueza do Rio Grande do Sul em geodos de ametista e ágata. In: HINRICHS, Ruth (Org.). Técnicas Instrumentais não Destrutivas Aplicadas a Gemas do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Igeo/ufrgs, 2014. Cap. 2. p. 14-26. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2017.

HARTMANN, L. A. Geodos com ametistas formados por água quente no tempo dos dinossauros. Porto Alegre, RS: Gráfica da UFRGS, 2008. 66 p.

HYRŁL, J.; NIEDERMAYR, G. MAGIC WORLD: INCLUSIONS IN QUARTZ. Haltern: Bode, 2003. 240 p.

INSTITUTO BRASILERO DE GEMAS E METAIS PRECIOSOS – IBGM. Políticas e Ações para a Cadeia Produtiva de Gemas e Jóias. Brasília: Brisa, 2005. 116 p.

INSTITUTO BRASILERO DE GEMAS E METAIS PRECIOSOS – IBGM. O Setor de Gemas e Jóias no Brasil: Conceituação da Cadeia Produtiva de Gemas, Jóias e Afins. Brasília, 2010. Disponível em: < http://www.infojoia.com.br/pdf/banco/setor_grandes_numeros_2009-20100816-124710.pdf>. Acesso em: 09 fev. 2017.

KINGSLEY, R. (Org.). Gemas: Guia Prático. São Paulo: Nobel, 1998. 64 p. Tradução de Marina Appenzeller.

JOIAS E DESIGN: Ebook Especial Gemas. Bragança Paulista: Leon, abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2017.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. 7. ed. Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil,1998. 527 p.

KEEGAN, W. J. Marketing Global. 7. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 428 p.

KEEDI, Samir. ABC do comércio exterior: abrindo as primeiras páginas. 4. ed. rev. e atual. São Paulo, SP: Aduaneiras, 2012. 180 p.

KINGSLEY, R. (org.). Gemas: Guia Prático. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Nobel, 1998. 64 p.

LOPEZ, J. M. C.; GAMA, M. Comércio Exterior Competitivo. 3. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. 568 p.

MDIC. Modalidades de pagamento: Carta de crédito. 2016. Disponível em: < http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/174>. Acesso em: 14 out. 2016.

MACHADO, M. A.; SCORSATTO, R. Z. Obstáculos Enfrentados na Exportação: um Estudo de Caso de Exportadoras Gaúchas de Pedras Preciosas. In: Encontro da Anpad – XXIX Enanpad, 2005, Brasília. Anais... Brasília, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.

PALACIOS, T. M. B.; SOUSA, J. M. M. Estratégias de Marketing Internacional. São Paulo: Atlas, 2012. 256 p.

RIBEIRO, H. M. D. Fatores Relevantes no Desempenho Brasileiro no Mercado Internacional de Pedras Preciosas. 2008. 76 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Economia, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.

REYS, Aurelien. As dificuldades da indústria brasileira para enfrentar a nova organização mundial do comércio de pedras coloridas. Confins: Revista Franco-Brasileira de Geografia, Paris, v. 16, p.1-14, 20 nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2017.

SILVA, C. F. Promoção comercial nas exportações. São Paulo: Aduaneiras, 2005.

SHIGLEY, J. (Estados Unidos). Gems and Gemology. 3. ed. Carlsbad: Gemological Institute Of America, 2010.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL – SENAI. Caracterização do setor de gemas, jóias e metais preciosos no Brasil: perspectivas para inovação e desenvolvimento setorial. Brasília: SENAI.DN, 2011. Disponível em . Acesso em 09 fev. 2017.

STORTI, A. T.; MAZON, F. S. Estudo sobre o setor de pedras em

Soledade (RS) sob a ótica das teorias dos distritos industriais. Perspectiva Econômica. Jan - Jun. Unisinos, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2017.

TRADEMAP. Trade statistics for international business development. 2015. International Trade Centre (ITC). Disponível em < http://www.trademap.org/>. Acesso em 19 ago. 2016.

UNIÃO EUROPÉIA. Comissão Europeia (Org.). Fiscalidade e União Aduaneira: Pesquisa TARIC. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

UNIÃO EUROPÉIA. Comissão Europeia (Org.). O IVA nas transações transfronteiras. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

UNIÃO EUROPÉIA. Comissão Europeia (Org.). Estatísticas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

UNCONTRADE (United Nations). Department of Economic and Social Fairs. Country Profile. 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.

ZILLI, J. C.; CZARNOBAY, A; TOÉ, R. A. D. O Processo de Internacionalização das Empresas Exportadoras de Pedras Preciosas de Soledade – RS. In: IX Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n4-009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.