Os Estudos Organizacionais e os Gigantes: que Emancipação Está em Jogo nos Estudos Críticos em Administração? / Organizational Studies and the Giants: What Emancipation are Critical Studies in Administration intended?

Gabriel Martins, Caio Martins

Resumo


No presente ensaio discutimos o sentido de emancipação hegemônico nos chamados Estudos Críticos em Administração, principal corrente teórica hodierna dos Estudos Organizacionais. Apesar da heterogeneidade dos representantes desta corrente teórica, percebe-se uma série de elementos comuns que nos permitem criticar, em sua genericidade, tal corrente. Armados até os dentes contra a Teoria Tradicional das Ciências da Administração, os Estudos Críticos em Administração (ECA) hasteiam sua bandeira em defesa de práticas organizativas emancipadas. Em sua guerra contra a Teoria Tradicional os Estudos Críticos em Administração demonstram, todavia, travar batalhas contra os inimigos errados. Ao ignorar causas fundamentais dos fenômenos coercitivos no “âmbito organizacional”, são levados a atacar somente seus efeitos em detrimento das causas, desembocando, implicitamente, em um horizonte reformista. Devido a sua desconsideração e desconexão do estudo das organizações e o modo de organizar dominante com a totalidade concreta da sociabilidade capitalista, esses estudos são comprometidos desde seu conceito mesmo de emancipação até as possibilidades de unir sua teoria com uma prática transformadora.


Palavras-chave


No presente ensaio discutimos o sentido de emancipação hegemônico nos chamados Estudos Críticos em Administração, principal corrente teórica hodierna dos Estudos Organizacionais. Apesar da heterogeneidade dos representantes desta corrente teórica, percebe

Texto completo:

PDF

Referências


AKTOUF, O. A Administração entre a tradição e a renovação. São Paulo; Atlas, 1996.

CLEGG, S.; HARDY, C. Organização e estudos organizacionais. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. R.; CALDAS, M.; FACHIN, R. & FISCHER, T. Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999.

DAVEL, E; ALCADIPANI, R. Estudos críticos em Administração: reflexões e constatações sobre produção brasileira. In: Encontro de Estudos Organizacionais. Anais. ANPAD, CD1, Recife: 2002

DELLAGNELO, E. H. L. Racionalidade e novas formas organizacionais. In: LANER, A. S.; da CRUZ JÚNIOR, J. B. (org.). Repensando as organizações: da formação à participação. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.

FOUCAULT, Michel. Qu'est-ce que la critique? Critique et Aufklärung. Bulletin de la Société française de philosophie, Vol. 82, nº 2, pp. 35 - 63, avr/juin 1990 (Conferência proferida em 27 de maio de 1978). Tradução de Gabriela Lafetá Borges e revisão de Wanderson Flor do Nascimento. Disponível em: http://www.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/critique.html. Acesso em 16/06/08.

LENIN, V. I. Que fazer?: as questões palpitantes do nosso movimento. São Paulo: Hucitec, 1988.

MARX, Karl. O capital: critica da economia política – Tomo I. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

___________ . A questão judaica. 6. ed São Paulo: Centauro, 2007

___________; ENGELS, F..A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MARTINS, C.; MARTINS, A. C. G. Ontologia Marxista, Emancipação Huamana e Estudos Organizacionais. In: Anais do XXXV Enanpad, Rio de Janeiro, 2011.

MÉSZÁROS, István. Marx: A Teoria da Alienação. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

________________. A Educação para além do capital. Campinas: Boitempo, 2005.

________________. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo do século XXI. Campinas: Boitempo, 2007.

SERVA, M. O fenômeno das Organizações Substantivas. In: RAE - EAESP/ FGV. Mar/Abr.1993.

VAZQUEZ, Sanches A. Filosofia da Práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n4-008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.