Índice da competitividade logística de cargas em contêineres nos portos da cidade de Manaus / Index of competitive ness freight logistics in containers in ports of Manaus city

Américo Matsuo Minori, Silmara de Carvalho Marambio, Adriana Larissa Jezini Barbosa Freire, Vivian Pinto Fonseca, Augusto Cesar Barreto Rocha

Resumo


Considerando a importância das cargas em contêineres para atendimento do polo industrial de Manaus (PIM), o trabalho visa determinar um índice de desempenho de cargas em contêineres nos terminais de uso privativo (TUP) da cidade de Manaus, nas operações de cabotagem e de longo curso e determinou um índice de desempenho. A metodologia fundamentou-se na revisão bibliográfica, pesquisa de campo junto à agência nacional transporte aquaviário (ANTAQ), nos TUP e armadores. O índice foi denominado índice de desempenho logístico (IDL) e o valor encontrado foi 0,54. De acordo como o modelo, o conceito é regular e indica que o sistema de atendimento de cargas não atende à necessidade do PIM prejudicando a competividade do polo. A fim de verificar a consistência do resultado, submeteram-se à análise pelos participantes da pesquisa, os TUP e armadores, utilizando a escala de Likert ajustada para o trabalho. Apesar da diversidade de opiniões, no geral houve uma tendência de concordância do resultado. Como contribuição prática do trabalho propõe-se que o modelo seja usado como instrumento de avaliação de desempenho logístico aquaviário da cidade de Manaus.


Palavras-chave


Gestão, Logística, Competitividade.

Texto completo:

PDF

Referências


AAKER, D. A.; KUMAR, V. DAY, G. S. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 2010.

ANDRADE, M. M. de. Introdução a Metodologia do Trabalho Científico. 10. Ed. São Paulo: Atlas, 2010. ANTAQ. Anuário Estatístico Aquaviário, 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 ago.2012.

BRANCALHÃO NETO, A. et al. Estratégia no mundo globalizado. Disponível em:. Acesso em: 10 nov. 2012.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Método de pesquisa em administração. 10. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

CROSSMAN, A. Scale of measurement. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2013.

DANCEY. C. P.; REIDY. J. Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Artmed, reimpressão, 2008.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso da era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

FREITAS, J. B. de. A gestão da cadeia de suprimentos e suas implicações na distribuição de produtos: um estudo na Casa Vieira. VII SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. 2010.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HAMMOND, A. et al. Environmental indicators: A Systematic Approach to measuring areporting on Environmental Policy Performance in the Context of Sustainable Development. Word Resource Institute. May 1995. Disponível em: .Acessoem: 28 Jul. 2012.

JORNAL DO BRASIL. Manaus é a 4ª maior cidade do país em arrecadação de impostos. 25/03/11. Disponível em: . Acesso em: 30 abr.2012.

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistema de informações gerenciais. 7. ed. São Paulo: Pearson, 2007.

LI,L.;DINGTI,L. Effects of Logistics Capabilities on Performance in Manufacturing Firms. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2012.

LOSBY, J.; WETMORE, A. Coffeebreak:Using Likert scale in survey work. CDC, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2013. MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MAGGI, E.; MARIOTTI, I. Globalization and the rise of logistics FDI: The case of Italy. Italy: Torre Desare and Daniele Capriole,2011.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. Edição compacta.4 ed. São Paulo: 2007.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PENTEADO, F.O Amazonas tem que despertar para a Logística. Tecnologista, jul. 2010.

SICHE, R. et al. Índices versus indicadores: Precisões conceituais na discussão. Ambiente & Sociedade. Campinas v. X, n.2. jul-dez. 2007.

SILVA, L. A. T. Logística no comércio exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2008.

STEVENS, S. S. On the theory of scales of measurement Science, New series. Vol. 103. n. 2684. 1946. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2013. UEBERSAX, John. S. Likertscale: dispelling the confusion. Statistic methods for rater agreement website.2006.Disponível em:. Acesso em: 13 fev. 2013.

VALOIS, N. A. L. DE. Proposição do uso de indicadores ambientais na avaliação de desempenho de portos brasileiros. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Centro de Tecnologia e Geociência (CTG), Departamento de Engenharia Mecânica, Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica. Recife, 2009.

VERGARA,S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

VIANA, F. L. E. Entendendo a Logística e Seu Estágio Atual. R. Cient. Fac. Lour. Filho. v. 2, n.1, 2002. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2012.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-079

Apontamentos

  • Não há apontamentos.