A percepção dos empresários da cadeia têxtil sobre sua relação com o estado brasileiro / The perception of textile chain entrepreneurs about their relationship with the brazilian state

Maurício Loboda Fronzaglia, Vladimir Fernandes Maciel, Karolina Wachowicz Orlandi, Haroldo Silva

Resumo


O presente artigo tem como objetivo estudar a percepção dos empresários do setor têxtil nas suas relações com o Estado através da análise de discurso. Para tanto foram realizadas visitas técnicas a plantas produtivas da cadeia localizadas no Estado de São Paulo e a sede da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção (ABIT). Nas visitas foram feitas entrevistas que seguiram um roteiro aberto na intenção de perceber os interesses e visões de mundo sustentadas pelos atores acerca de seus respectivos setores de atividade na cadeia têxtil-confecção. Foi utilizada também uma pesquisa interna feita com uma seleção de membros associados da ABIT. A pesquisa captou a percepção acerca dos problemas de competitividade da cadeia. As respostas refletem o preconizado pelo paradigma teórico mais utilizado em Organização Industrial - o modelo Estrutura-Conduta-Desempenho - mas não apenas isso. Na análise realizada revelou-se uma ambiguidade contínua na percepção dos empresários sobre a ação do Estado brasileiro. Ora visto como ausente, ora visto como agente de excessiva regulação.


Palavras-chave


Indústria Têxtil e da Confecção, Análise de Discurso, Regulação Econômica, Organização Industrial.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ronaldo de (2016). Estudo de Caso: foco temático e diversidade metodológica in Métodos de pesquisa em Ciências Sociais – Bloco Qualitativo. São Paulo, CEBRAP e SESC.

ALONSO, Ângela (2016). Métodos Qualitativos de pesquisa: uma introdução in Métodos de pesquisa em Ciências Sociais – Bloco Qualitativo. São Paulo, CEBRAP e SESC.

ANDRÉ, M.E.D. A. de (1983). Texto, Contexto e significados: algumas questões na análise de dados qualitativos. In Cadernos de Pesquisa, São Paulo (45): 66-71, maio 1983.

ALVES, Z. M.M.B. e DIAS da SILVA, M.H.G.F. (1992). “Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta” in Paideia, FFCLRP-USP. Ribeiro Preto, 2, fev/jul 1992.

BAIN, J. S. (1956) Barriers to New Competition. Cambridge: Harvard University Press.

BARDIN, L. (1977). L’Analyse de Contenu”. Paris, Presses Universitaires de France.

BARTHES, R. (1966). Introduction à l’analyse structurale des récits. In: Communications, nº 8. Recherches sémiologiques: l’analyse du récit. pp 1-27.

CÂMARA, R.H. (2013). “Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações”. In Gerais: Revista Institucional de Psicologia, 6 (2), jul-dez. pp 179-191.

CARLTON, B.; PERLOFF, J. (1994) Modern industrial organization. 2. ed. New York: Harper Collins College.

COUTINHO, L; FERRAZ, J.C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus, 1994.

GOLDENBERG, Mirian (1997). A arte de pesquisar: Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. São Paulo, Editora Record.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. “Political science and the three new institutionalisms”. MPIFG Discussion Paper, v, 96, n. 6, jun. 1996.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. “As três versões do neo-institucionalismo”. Revista Lua Nova, n. 58, p. 193-223, 2003.

LIMA, Márcia (2016). O uso da entrevista na pesquisa empírica in Métodos de pesquisa em Ciências Sociais – Bloco Qualitativo. São Paulo, CEBRAP e SESC.

LÓPEZ R.C.S., GRASEL D. (2016) Implantação da teoria das restrições (toc) através da árvore de realidade atual (ara): Estudo de Caso em uma Unidade Fabril da Indústria Metalúrgica. Revista de Estudos Sociais. N. 37, V. 18, p. 72

MALINOWSKI, Brolislaw (1974). Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da nova guiné melanésia. Coleção os Pensadores, São Paulo, Editora Abril.

MATTOS, L.C.L. de. “A entrevista não estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise”. In Revista de Administração Pública – RAP, vol 39, nº 4, jul-ago 2005, pp. 823-846.

PACHECO, D.A. J. (2014) Teoria das Restrições, Lean Manufacturing e Seis Sigma: limites e possibilidades de integração.Prod. [online]. vol.24, n.4, pp.940-956.

PÊCHEUX, M. e FUCHS, C. (1975). ‘Mises au point et perspectives à propos de l’analyse automatique du discours”. In: Languages, 9ª anné, nº 37. 1975.

RADAELLI, C. M. “Logiques de pouvoir et récits dans les politiques publiques de l’Union Européenne”. In Revue Française de Sciences Politiques, 50 année, nº 2, 2000, pp 255-275.

SÁ FRANÇA S. V. Implementação de ferramentas Lean Manufacturing e Lean Office: indústria metálica, plástica e gabinete de contabilidade. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, 2013. Disponível em: . Acesso em 2 de dezembro de 2018.

SCARANO, P. R., ROBERTA MURAMATSU, ANDRESA SILVA NETO FRANCISCHINI (2019) “Modelo Estrutura-Conduta-Desempenho como Esquema Analítico de Análises Setoriais” in: Estudos Econômicos Setoriais: Máquinas e Equipamentos, Ferrovias, Têxtil e Calçados, Blucher Open Access, p. 13-24.

WEBER, M. (2004). Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Editora UnB, São Paulo.

ZALUAR, Alba. A Máquina e a Revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-076

Apontamentos

  • Não há apontamentos.