Bem-estar, esperança e trabalho humano / Well-being, hope and human work

Elaine de Souza Costa, Fernando Toledo Ferraz

Resumo


Este artigo resulta do desenvolvimento de pesquisa de mestrado onde buscou-se compreender o que representa a felicidade e bem-estar humano, em especial no ambiente de trabalho, o que acontece com o comportamento dos indivíduos dentro das organizações diante de situações favoráveis ou adversas para essas pessoas. O interesse pelo tema Felicidade ou Bem-Estar não é novo dentro dos grupos de pensadores, filósofos, psicólogos e cientistas, mas sim, tão antigo, que podemos rastrear discussões filosóficas em torno dele desde a Grécia antiga entre os cidadãos contemporâneos de Aristóteles de Estágira. Naquela época em seus estudos, Aristóteles já questionava o que seria a felicidade, e em que tipo de ‘felicidade’ poderia ser encontrado valor para a humanidade. E concluía junto aos seus discípulos que a felicidade não poderia existir na ausência de ética, de sentido, de propósito, de um porquê de longo prazo para a existência humana. Sob a égide de Aristóteles, Epicuro (341 A.C.)  Explana seu conceito de felicidade em sua Carta a Meneceu: “ O prazer é o início e o fim de uma vida feliz, e embora seja o nosso bem primeiro e inato, nem por isso escolhemos qualquer prazer (…) Todo prazer constitui um bem por sua própria natureza; (…) não obstante isso, nem todos são escolhidos; convém, portanto, avaliar todos os prazeres e sofrimentos de acordo com o critério dos benefícios e dos danos. (…) quando então dizemos que o fim último é o prazer, não nos referimos aos prazeres dos intemperantes, ou aos que consistem no gozo dos sentidos (…) mas ao prazer que é a ausência de sofrimentos físicos e de perturbações da alma. (…) de todas essas coisas, a prudência é o primeiro e supremo bem, razão pela qual ela é mais preciosa do que a própria filosofia; é dela que originaram todas as demais virtudes; é ela, a prudência, que nos ensina que não existe vida feliz sem beleza e justiça, que não existe beleza e justiça sem felicidade (…) porque as virtudes estão intimamente ligadas à felicidade, e a felicidade é inseparável delas. ”


Palavras-chave


bem-estar psicológico, Comprometimento, Confiança, Esperança, Trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


DAVENPORT, Thomas O. Capital humano: o que é e por que as pessoas investem nele. São Paulo: Nobel, 2001.

DE SAMOS, Epicuro. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). São Paulo: Fundação Ed. da UNESP, 2002.

GOLDSMITH, M.; HESSELBEIN, F. A Nova Organização do Futuro: visões, estratégias e insights dos maiores líderes do pensamento estratégico. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

HUTZ, Claudio Simon. Avaliação em psicologia positiva. Porto Alegre: Artmed, 2014.

MALVEZZI, Prefácio da obra In: BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt; ZANELLI, José Carlos. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MARUJO, Helena Águeda et al. Revolução positiva: psicologia positiva e práticas apreciativas em contextos organizacionais: comportamento organizacional e gestão, 2007.

MUCHINSKY, Paul M. Psicologia Organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. DE SAMOS, Epicuro. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). São Paulo: Fundação Ed. da UNESP, 2002.

NOVO, Rosa. Bem-estar e psicologia: conceitos e propostas de avaliação. Revista Iberoamericana de Diagnóstico y Evaluación Psicológica, v. 20, p. 183-203, 2005.

PASCHOAL, Tatiane. Bem-estar no trabalho: relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. 2008. 180 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

; PASCHOAL, Tatiane. A relação da motivação para o trabalho com as metas do trabalhador. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 4, p. 33-54, out/dez.2003.

PEREIRA, T. B., & BRANCO, V.L.R. (2016). As estratégias de copingna promoção à saúde mental de pacientes oncológicos: uma revisão bibliográfica. Revista Psicologia e Saúde, 1(8).

SELIGMAN, Martin EP. Felicidade autêntica: usando a nova psicologia positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

. Florescer. Rio de Janeiro: Objetiva,2011.

SNYDER, Charles R.; LOPEZ, Shane J. Psicologia positiva: uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Alegre: Artmed, 2009.

STEWART, Thomas A. A riqueza do conhecimento: o capital intelectual e a organização do século XXI. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

SUROWIECKI, James. A sabedoria das multidões. Rio de Janeiro: Record, 2004.

TAMAYO, Alvaro. Valores organizacionais e comprometimento afetivo. RAM. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 6, n. 3, 2005.

YUNES, Maria Angela Mattar. Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicol. estud. [online]. Maringá, PR, vol.8, p.75-84, 2003.

ZANELATO, Luciana Silva. Manejo de stress, coping e resiliência em motoristas de ônibus urbano. 2008.

ZANELLI, José Carlos; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; BASTOS, A. V. B. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-069

Apontamentos

  • Não há apontamentos.