Estratégias e valores do movimento slow food na região do cerrado / Strategies and values of the slow food movement in the cerrado region

Níria Costa Assis, Maria Julia Pantoja

Resumo


Diante da sociedade contemporânea, o estilo de vida das pessoas tem sido moldado pelo ritmo da globalização. À vista desse contexto, o movimento Slow food contribui disseminando seus princípios, com a proposta de mudança do comportamento dos consumidores. Este estudo pretende descrever as atividades realizadas e as estratégias traçadas para a formação de uma consciência social no DF, bem como analisar quais valores estão associados às pessoas que integram o conviviumnviviumSlowfood Cerrados. Para essa pesquisa, foram utilizados como métodos tanto abordagens de natureza qualitativa, quanto quantitativa. No que se refere ao enfoque qualitativo, foram conduzidas entrevistas semiestruturadas e, posteriormente, aplicaram-se técnicas de análise de conteúdo. Quanto à abordagem quantitativa, foi realizado estudo de campo do tipo survey. Para tanto, foi utilizada escala de medida de valores individuais previamente validada. Os dados obtidos indicaram que o movimento Slow food atua em forma de rede e que o processo de gestão do convivium é pouco sistematizado, porém, apresenta forte influência na mudança de comportamento dos seus associados. Além disso, verificou-se que o perfil de valores dos membros do conviviumSlowfood Cerrados se estrutura predominantemente em duas categorias: autotranscedência e abertura à mudança. Apesar de apresentar grande contribuição para a conscientização alimentar no Brasil, o movimento Slow food ainda é um grande desafio.


Palavras-chave


Slow food, Alimentação saudável, Sustentabilidade alimentar, Valores humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. J. R.; SOBRAL, F. J. B. A. O sistema de valores humanos em administradores brasileiros: adaptação da escala PVQ para o estudo de valores no Brasil. RAM: Revista de Administração Mackenzie (online), v.10, n. 3, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BLEIL, S. I. O Padrão Alimentar Ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Cadernos de Debate. Campinas, p 1-25, 1998.

BONI, V.; QUARESMA, S. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. Santa Catarina, 1-13, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação; UNIVERSIDADE DE BRASILIA. Alimentação saudável e sustentável. Brasília, DF, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde, Política nacional de alimentação e nutrição. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde, Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF, 2005.

DRESCH, L.O; ANDRADE, E. S. Evolução dos hábitos alimentares e a busca por alimentos saudáveis em campo grande/MS: identificação de tendências e potencialidades. Sociedade Brasileira de Economia Administração e Sociologia Rural, 48° Congresso, 2010, Campo Grande.

FERREIRA, A. R. A. C. O Movimento Slow Food. 2009. 43 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Bacharel em Nutrição) – Universidade do Porto, Porto, 2009.

FRANÇA, F.C.O et al. Mudanças dos hábitos alimentares provocados pela industrialização e o impacto sobre a saúde do brasileiro. Alimentação e Cultura na Bahia, 1° Seminário, Feira de Santana, Anais... Feira de Santana: UEFS, 2012. P1-7.

LOBO, I. M. S. Análise de marketing da zara. 2013. 91 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Bacharel em Publicidade e Propaganda) – Universidade de Brasília, 2013.

MARINHO, C.; HAMANN, E.; LIMA, A. Práticas e mudanças no comportamento alimentar na população de Brasília. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, p 1-11, 2007.

MEDINA. S. T. N. Valores pessoais, crenças ambientais e comportamento ecológico em órgão público. 2008. Dissertação de Mestrado – Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

MINAMI, C. P. M. Fatores que influenciam o gosto: desafios para a gastronomia. 2006. 40 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Gastronomia e Segurança Alimentar) – Centro de Excelência em turismo Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

MISSAGIA, S. A influência dos valores alimentares e das atitudes no consumo de alimentos saudáveis. 2012. 105 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012.

MOREIRA, S.; PEREIRA, E. Hábitos alimentares da família com a inserção da mulher no mercado de trabalho. Disponível em:. Acesso em 29 de dezembro de 2013.

MOURA, N. C. Influência da mídia no comportamento alimentar de crianças e adolescentes. Segurança Alimentar e Nutricional. Campinas, p 1-10, 2012.

NAIGEBORIN, M. B. O movimento devagar e seu significado plural na contemporaneidade mutante. 2011. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

NUNES, R. Gastronomia Sustentável. Revista Científica da Faculdade das Américas. 9. Ed. Ano VI. Número 1. p 1-21, 2012

ORTIGOZA, S. A. G. O fast food e a mundialização do gosto. Revista Cadernos de Debate. Campinas, 1-25, 1997.

PATO-OLIVEIRA, C.; TAMAYO, A. Valores como preditores de atitudes e comportamentos: contribuições para um debate. Linhas Críticas. Brasília, p 1-16, 2002.

PELUSO, M. O potencial das representações sociais para a compreensão interdisciplinar da realidade: geografia e psicologia ambiental. Estudos de Psicologia. Brasília, 1-7, 2003.

PORTINARI, Folco. Manifesto Slow Food, 1989. Disponível em: . Acesso em 28 de dezembro de 2013.

RADAELLI, P.; RECINE, E. Comportamento Alimentar e Promoção da Saúde. Universitas:n Ciências da Saúde. Brasília, p1-14, 2003.

ROCHA, F.E.C et al. Avaliação de Crenças e Comportamentos sobre o Uso e a Conservação dos Recursos Hídricos por meio da Análise de Conteúdo Conjugada: modelo de Bardin e software Alceste. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, Planaltina, v. 301. 2011.

SOUZA, D. C. A.; Hard, P. P. Evolução dos hábitos alimentares no Brasil. Brasil Alimentos. p 1-8, 2002.

SCHWARTZ, S.

Validade e aplicabilidade da teoria de valores. Tradução Viviane Rios. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamento nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 56-95.

VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2000.

VILELA, N. J et al. Perfil dos consumidores de produtos orgânicos no Distrito Federal. Comunicado Técnico Embrapa. Brasília, 2-6, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.