Cosméticos naturais: uma opção de inovação sustentável nas empresas / Natural cosmetics: a sustainable innovation option in companies

Alba Zucco, Francisco Santana de Sousa, Maria do Carmo Romeiro

Resumo


Considerados como um complexo organizacional no mundo da beleza, o segmento de cosméticos, é um setor em crescimento na economia globalizada. E o ajuste da empresa às leis ambientais e, ao mesmo tempo, a busca por novos produtos e processos obtidos por intermédio da tecnologia, aumentam sua competitividade no mercado e a motivação pelo desempenho. É com esse perfil que as estratégias de algumas empresas de cosméticos atuam no mercado, pois se trata de um setor dinâmico que demanda inovação contínua e investimentos constantes no desenvolvimento de novos produtos, capazes de atender a uma grande diversidade de consumidores e desenvolvimento sustentável, buscando maior consciência em torno dos problemas ambientais. O objetivo deste estudo é identificar as novas tendências no setor de cosméticos orientadas para a inovação e sustentabilidade. Optou-se por uma pesquisa de caráter exploratória e descritiva desenvolvida por um estudo de caso de duas empresas do setor de cosméticos voltadas à inovação e sustentabilidade a L’Oréal e o Boticário. Os resultados apontam que a nanotecnologia está sendo um dos principais recursos para o desenvolvimento e inovação e que estas empresas destinam recursos para pesquisar esta nova opção tecnológica, sinalizando uma opção importante no combate à depreciação celular cutânea.


Palavras-chave


Cosméticos, Inovação, Sustentabilidade, Nanotecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDI - Agência Brasileira de Industrial. II Caderno de tendências 2010/2011: higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Ano2, n.2, 2011.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária Resolução RDC no 211, de 14/06/2005. Disponível em http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=17882&wo. Acesso em 16/06/2012.

ASSUMPÇÃO, E.R.; POHLMANN, A.R.; SILVA, K. B.; COLOME, L. M.; RAFFIN, R. P.; GUTERRES, S. S. Theossomas orgânicos: um novo sistema nanoparticulado para aplicação cosmética. Salão de Iniciação Científica. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

AVELAR, A. C.; SOUZA, C. G. Desenvolvimento de produtos na indústria nacional de cosméticos: um estudo de caso. XXV Encontro de engenharia de produção. Porto Alegre, 2005.

BARBIERI, J. C. Organizações inovadoras sustentáveis. In: BARBIERI, J. C; SIMANTOB, M. Organizações inovadoras sustentáveis: uma reflexão sobreo futuro das organizações. São Paulo, Atlas, 2007.

BOTICÁRIO. Disponível em: http://www.boticário.com.br. Acesso em 21/06/2012.

BORSCHIVER, S.; GUIMARÃES, M. J. O. C.; SANTOS, T. N.; SILVA, F.; BRUM, P.R. Patenteamento em nanotecnologia: estudo do setor dos poliméricos nanoestruturados. Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol.15, n4, p.245-248, 2005.

CRQ4. Conselho regional de Química – IV região. História dos cosméticos. Disponível em: . Acesso em 26/05/2012.

DAROIT, D.; NASCIMENTO, L. F. Dimensões da inovação sob o paradigma do desenvolvimento sustentável. In: 28º Encontro Nacional da ANPAD, Curitiba/PR. Anais, 2004.

EUROMONITOR. Disponível em: http://www.euromonitor.com/beauty-and-personal-care. Acesso em 20/06/2012.

EVELINE, C. Cosmetologia: uma antiga ciência cada vez mais atual. Revista Bel Col. Ed. 20, março, 2004.

FELDMANN, F. A parte que nos cabe: consumo sustentável? In A. Trigueiro (Coord.), Meio ambiente no século 21(pp.143-158). Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

GARCIA, R.; FURTADO, J. - Estudo da competitividade de cadeias integradas no Brasil: impacto das zonas de livre comércio – cadeia: cosméticos. Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (UNICAMPIENEIT), 2002.

GOMES, C.; KRUGLIANSKAS, I.; HORNEAU JÚNIOR, F.; SCHERER, F. Gestão da inovação tecnológica para o desenvolvimento sustentável em empresas internacionalizadas. Gestão & Regionalidade, v. 25, n. 73, 2009.

JOHNSON, David. What is innovation and entrepreneurship? Industrial and commercial training, v.33, n.4, p. 135-140, 2001.

KOTLER, P. Administração de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

L’OREAL. Disponível em: http://www.loreal.com.br. Acesso em 14/06/2012.

MAGDASSI, S. Delivery Systems in Cosmetics. Colloids Surfacev.123-124, p.671-679, 1997.

MULLER NETO, H. Inovação orientada para mercado: um estudo das relações entre orientação para mercado, inovação e performance. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

PORTAL EDUCAÇÃO. História da cosmetologia. 2009. Disponível em: http://www.portaleducacao.com.br/farmacia/artigos/6352/historia-da-cosmetologia. Acesso em 06/06/2012.

PORTER, M.L E., LINDE, C. V.D. Rumo a uma Nova Concepção da Relação Meio Ambiente de Competitividade. Journal of Economic Perspectives, 9: 97-118, 1995.

ROLDAN, V. P. S. CABRAL, A. C. A.; SANTOS, S. M. Componentes internos da organização inovadora: estudo de caso em empresa de instalações industriais. Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - XIII SIMPOI. São Paulo, 2011.

SEBRAE. Cosméticos à base de produtos naturais. Estudos de mercado SEBRAE/ ESPM. Nov. 2010. Disponível em http://www.biblioteca.sebrae.com.br/. Acesso em 24/06/2012.

SCHMALTZ, C.; SANTOS, J. V.; GUTERRESS, S.S. Nanocápsulas como uma tendência promissora na área cosmética: a imensa potencialidade deste pequeno grande recurso. Infarma, v.16, nº 13-14, 2010.

SCHUMPETER, J.A A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3.ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-056

Apontamentos

  • Não há apontamentos.