Corrente crítica na solução das causas básicas em atraso de gerenciamento de projetos de construções de moldes para uma fundição sob pressão / The critical chain solution in root causes of delay in project management construction molds for foundry under pressure

José Anselmo Mayer, Igor Roberto Borges

Resumo


Este artigo tem por finalidade descobrir as causas básicas que ocasionam atrasos nos Projetos de construções e liberações dos moldes à produção na fundição de uma grande multinacional alemã, a partir da elaboração de uma Árvore da Realidade Atual (ARA), confrontando com a teoria acerca da Corrente Crítica e identificando se a mesma pode ajudar e solucionar as causas básicas encontradas. No referencial teórico apresenta-se uma análise do processo de raciocínio da teoria das restrições e da corrente crítica. Os resultados apurados revelam que as causas básicas para o atraso nesse estudo de caso convergem com a teoria acerca da corrente crítica e a partir de simulação verificou-se que o gerenciamento de projetos pela mesma lhe garantiria um lead-time muito melhor que o atual.


Palavras-chave


Gerenciamento de Projetos, Corrente Crítica, Processo de Raciocínio da Teoria das Restrições.

Texto completo:

PDF

Referências


BLACKSTONE JR, J.H.; COX III, J.F.; SCHLEIER JR, J.G. A tutorial on project management from a theory of constraints perspective. International Journal of Production Research Vol. 47, No. 24, 15 December, 7029–7046, 2009.

COHEN, I., A. MANDELBAUM, et al. Multi-Project Scheduling and Control: A Process-based Comparative Study of the Critical Chain Methodology and Some Alternatives. Project Management Journal, 35:2, pp. 39–50, 2004.

COX, J.; SPENCER, M. S. Manual da Teoria das Restrições. Porto Alegre: Bookman, 2002.

GOLDRATT, E. M. e FOX, J. M. A Meta. São Paulo: Educator. 1984.

GOLDRATT, E. M. Critical chain. Great Barrington: North River Press, 1997.

GOLDRATT, E. M. Theory of constraints, Great Barrington: North River Press, 1990.

HERROELEN, W. e LEUS, R. On the Merits and Pitfalls of Critical Chain Scheduling. Journal of Operations Management, 19, pp. 559–577, 2001.

KENDALL, G. I. Visão Viável–Transformando o Faturamento em Lucro Líquido. Bookmann. 2007.

KENDALL, G. I. Securing the future: strategies for exponential growth using the theory of constraints. Boca Raton: St. Lucia Press. 1998.

LACERDA, D. P.; RODRIGUES, L. H. e da SILVA, A. C. Uma abordagem de avaliação de processos baseados no mundo dos custos para processos no mundo dos ganhos. Revista Gestão e Produção, São Carlos, v. 16, n. 4, p. 584-597, out.-dez., 2009.

LEACH, L.P. Critical Chain Project Management. Artech House Proffessional Developement Library , 2000.

LEACH, L.P. Critical Chain Project Management Improves Project Performance. Project Management Journal, 30:2, pp. 39–51, 1999.

LECHLER, T. G.; RONEN, B.; STOHR, E.A. Critical chain: A new project management paradigm or old wine in new bottles? Engineering Management Journal, Vol. 17 N° 4, p.45-58, 2005.

NEWBOLD, R.C. Project Management in the Fast Lane: Applying the Theory of Constraints. Saint Lucie Press, 1998.

PMBOK. Guide to the Project Management Body of Knowledge. New York: Project Management Institute (PMI), 1996.

RODRIGUES, L. H. Apresentação e análise crítica da tecnologia da produção otimizada e da teoria das restrições. Porto Alegre, 1995.

STEYN, H. Project Management Applications of the Theory of Constraints Beyond Critical Chain Scheduling. International Journal of Project Management, 20, pp. 75–80, 2002.

PRODUCT DEVELOPMENT INSTITUTE. Tutorial: Goldratt’s Critical Chain Method: A One Project Solution. Disponível em:< http://www.pdinstitute.com> Acesso em ago. 2011.

VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 3ª ed., Atlas, São Paulo, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-051

Apontamentos

  • Não há apontamentos.