O Processo de reestruturação de um Modelo de Gestão e o seu efeito no comportamento administrativo a no resultado organizacional: Um estudo de caso / The Process of restructuring a Management Model and its effect on administrative behavior on organizational results: A case study

Luciane Reginato, Auster Nascimento

Resumo


Esta pesquisa buscou investigar os efeitos da reestruturação de um modelo de gestão no comportamento administrativo de uma empresa e os reflexos decorrentes em seu resultado. O estudo foi conduzido através de pesquisa de campo, especificamente, de um estudo de caso, por meio do qual o assunto pôde ser analisado em detalhes. Para tanto, foram aplicadas entrevistas, orientadas por um roteiro e por um protocolo previamente elaborado para o estudo, bem como foram analisados documentos internos, registros em arquivos e observação direta como fonte de evidências. O primeiro período de abrangência da análise dos dados foi de agosto de 2003 a dezembro de 2006, tendo sido possível observar o comportamento das principais áreas organizacionais da empresa objeto do estudo antes e depois da reestruturação do modelo de gestão, bem como os resultados por ela obtidos no período investigado. A fim de verificar o atual cenário da empresa, foi desenvolvida pesquisa em 2020. Após a análise das entrevistas, dos indicadores das áreas e do resultado da empresa, concluiu-se que o novo modelo de gestão da organização influenciou o comportamento de seus gestores, com reflexos em seus resultados, através da implementação de procedimentos que culminaram na melhoria do desempenho operacional e, conseqüentemente, nos resultados econômicos obtidos através do aumento de faturamento e margens de contribuição. A empresa em 2011 passou por processo de managing acquisition e atualmente faz parte de um grupo internacional, o que resultou em nova mudança do modelo de gestão.


Palavras-chave


Modelo de gestão, Comportamento organizacional, Resultado organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ACKOFF, Russel L. Planejamento Empresarial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora, 1975

AZEVEDO, Fernando de. A Cultura Brasileira – Introdução ao Estudo da Cultura no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1963, 4a Ed. 802 p.

BAIRD, K.; JIA HU, K., REEVE, R. The relationships between organizational culture, total quality management practices and operational performance. International Journal of Operations & Production Management, v. 31, n. 7, 2011

BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria geral dos sistemas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

BERTERO, Carlos O. Cultura Organizacional e Instrumentalização do Poder. In: Cultura e Poder nas Organizações. FLEURY. Maria T. L.; FISCHER, Rosa M. (coordenadoras). São Paulo: Atlas, 1996.

DAVIS, R.C. The fundamentals of top management. Harper: New York, 1951.

D’IRIBARNE, Philippe d'. Cultures et mondialisation. Paris: Seuil, 2002. 352 p.

in models of influence and selection. Organization Science, Vol. 10, No. 3, Special Issue: Application of Complexity Theory to Organization Science (May - Jun., 1999), pp.253-277.

FOLKMAN, Joseph R. The power of feedback: 35 principles for turning feedback from others into personal and professional change. New Jersey: Willy & Sons, 2006.

GUERREIRO, Reinaldo. Modelo Conceitual de Sistemas de Informação de Gestão Econômica: uma contribuição à teoria da comunicação da contabilidade. Tese de Doutoramento, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 1989.

HOFSTEDE, Geert. Culture’s Consequences: International Differences in Work-Related Values. London: Sage. 1980. 328 p.

HOFSTEDE, Geert. Culture’s Consequences: comparing values, behaviors, institutions and organizations across nations. 2nd Ed.. London: Sage. 2001.

HOFSTEDE, Geert; McCRAE, Robert R.. Personality and Culture Revisited: Linking Traits and Dimensions of Culture. Cross-cutural Reseach, Thousand oaks, v. 38, n° 1, p. 52-88, Feb. 2004.

KLUCKHOHN, Clyde. The Study of Culture. In: The Policy Sciences. LERNER, Daniel;

LASSWALL, Harold D. (editores). Stanford, CA: Stanford University Press, 1951.

KOTTER, John P.; HESKETT, James L. A cultura corporativa e o desempenho empresarial. São Paulo: Makron, 1992.

LEVI-STRAUSS, Claude. Tristes tropiques. Paris: Plon, 1976. 490 p.

LORANGE, Peter. Strategy implementation: the new realities. Long Range Planning. Inglaterra: v. 31, p. 18-29, 1998.

LORANGE, Peter; VANCIL, Richard F. Como Projetar um Sistema de Planejamento Estratégico. São Paulo: Nova Cultura Ltda, 1986.

McGREGOR, Douglas. The Human Side of enterprise. New York: Mcgraw-Hill, 1960.

NASCIMENTO, Auster Moreira; NASCIMENTO, Claudinei de Lima. Modelo de gestão . In: NASCIMENTO, Auster Moreira; REGINATO, Luciane (Orgs.). Controladoria: um enfoque na eficácia organizacional. São Paulo: Atlas, 2007. p. 30-49.

PARISI, Cláudio; NOBRE, Waldir de J. Eventos, Gestão e Modelos de Decisão. In: Controladoria: uma abordagem da gestão econômica – GECON. Armando Catelli (coordenador). 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

PEREIRA, Carlos A. Ambiente, Empresa, Gestão e Eficácia. In: Controladoria: uma abordagem da gestão econômica – GECON. Armando Catelli (coordenador). 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

POCKET MENTOR. Giving feedback: expert solutions to every day challenges. Boston: Harvard Business School Press, 2006.

REGINATO, L., GUERREIRO, R. Relationshios between environment, culture, and management control systems. International Journal of Organizational Analysis. V.21, 2, 2013.

ROBBINS, Stephen P. O Processo Administrativo: integrando teoria e prática. São Paulo: Atlas, 1978.

ROWLAND, F. H. Business planning and control. Harper: New York, 1947.

SCHEIN, Edgar H. Guia de Sobrevivência da Cultura Corporativa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991.

URWICH, L.F. Principles of direction and control. Dictionary of industrial administration. London, 1928.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-047

Apontamentos

  • Não há apontamentos.