Gestão compartilhada no contexto da saúde mental / Shared management in the mental health context

Flávia Alessandra Bezerra Furtado, Ermicia Lorena Marques Coelho Martins, Lívia Karynne Martins Mesquita, Joabson Romário Borges de Mendonça, Antônia Letícia Ximenes de Oliveira, Mayara Ruth Sérvolo Silva, Ana Célia Rodrigues Coelho

Resumo


Introdução. A realidade do Sistema Único de Saúde (SUS), no contexto da Saúde Mental, é vivenciada pelo profissional residente em Saúde Coletiva através da parceria com a equipe multiprofissional, da observância dos processos de trabalho, aplicação dos conteúdos de gestão e a integração com os usuários e familiares participantes da Assembleia e inseridos na rotina do Centro de Apoio Psicossocial (CAPS). Objetivo.Demonstrar a importância da participação e controle social diante da gestão compartilhada no contexto da Saúde Mental. Metodologia.Estudo com abordagem qualitativa, estruturado em relato de experiência sobre o percurso formativo em Saúde Coletiva, iniciado em maio de 2019 e finalizado em fevereiro de 2020. Foi realizada busca documental da Ata das reuniões do período de 2016 a 2020 e as informações contidas foram analisadas de acordo com os eixos temáticos mais prevalentes como dinâmicas de acolhimento, discussão de leis, assuntos afins à Saúde Mental e esclarecimento de dúvidas, pauta de reinvindicações, comunicação e controle social, problemas internos, dificuldades e conquistas. Resultados e Discussão.A Assembleia de Usuários, Familiares e Profissionais do CAPS Dr Abdoral Machado (Crateús, Ceará) é uma estratégia importante para o reconhecimento dos direitos e deveres, bem como espaço de promoção da saúde e combate a estigmas e preconceitos. Foi possível identificar 41 encontros de Assembleia que, juntamente com a vivência prática, foram fundamentais para compreender que as necessidades dos usuários são atendidas de forma equânime e humanizada e, ainda, com corresponsabilização diante dos desafios e conquistas. Conclusão.Esta experiência foi fundamental para aprendizagem prática no âmbito do SUS e no contexto da Saúde Mental, uma vez que utilizou dos mecanismos de coparticipação e controle social para o auxílio na tomada de decisão em meio à equipe gestora.


Palavras-chave


Saúde Mental, Participação Social, Equidade em Saúde, Cidadania, Gestão em Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, P. NUNES, M. O. A reforma psiquiátrica no Sistema Único de Saúde e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciência e Saúde Coletiva, v. 23, n. 6, p. 2067-74, 2018.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Disponível em <> Acesso em 02 de fevereiro de 2020. Brasília, 2001.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Disponível em <> Acesso em 02 de fevereiro de 2020. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 4 ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. (Série B. Textos Básicos da Saúde).

BRASIL. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em <> Acesso em 22 de janeiro de 2020. Brasília, 2011.

CAMPOS, G. W. S. Um método para análise e cogestão de coletivos. 5ª ed. Editora Hucitec, São Paulo, 2015.

CUNHA, P. F; MAGAJEWSK, F. Gestão participativa e valorização dos trabalhadores: avanços no âmbito do SUS. Saúde Coletiva, v. 21, s. 1, p.71-79, São Paulo, 2012.

LACERDA, P. RHS Rede Humaniza SUS. O que é Acolhimento? Disponível em <> Acesso em 02 de fevereiro de 2020. Brasília, Publicado em junho de 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Disponível em <> Acesso em 02 de fevereiro de 2020. Publicado em julho de 2017.

MORAES, P. L. M. Percepção fenomenológica dos profissionais do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS): vivências e desafios da prática em saúde mental. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal Fluminense, Mestrado Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde, Niterói, 2018.

MOREIRA, R. M. ROCHA, K. B. O trabalho na gestão dos serviços substitutivos de saúde mental: aproximações entre Saúde Coletiva, Saúde Mental e Psicanálise. Revista de Saúde Coletiva, v. 29, n. 2, p. 1-20, 2019.

OLIVEIRA, T. A. TEIXEIRA, C. F. Participação das instâncias de controle social na Política de Saúde Mental da Bahia, 2001-2013. Saúde em Debate, v. 39, n. especial, p. 132-144, 2015.

PESSOA, K. L. V. et al. Gestão do cuidado e interdisciplinaridade: desafios do cotidiano da atenção psicossocial. Revista de Saúde Pública, v. 20, n. 6, p. 692-98, 2018.

SILVEIRA, A. R. BRANTE, A. R. S. D. STRALEN, C. J. Práticas discursivas na participação social em saúde mental. Saúde Debate, v. 38, n. 103, p. 783-93, 2014.

TRAPÉ, T. L. CAMPOS, R. T. U. COSTA, K. S. Rede de Atenção à Saúde Mental: estudo comparado Brasil e Catalunha. Revista de Saúde Coletiva, v. 28, n. 4, p. 1-19, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-043

Apontamentos

  • Não há apontamentos.