Agricultura familiar, mercados e cooperativismo: limites e possibilidades de um “contramovimento” / Family farming, markets and cooperativism: limits and possibilities of a “countermovement”

Clério Plein

Resumo


As discussões em torno das estratégias de reprodução social e econômica da agricultura familiar abordam diferentes aspectos. Uma destas estratégias refere-se à sua capacidade de organização social e inserção econômica via acesso aos mercados. Nesse sentido, assume-se que não existe uma única forma de mercado, mas sim, diferentes dinâmicas, algumas mais e outras menos interessantes aos agricultores, cuja organização social na forma de cooperativas tem sido uma estratégia histórica de fortalecimento frente à um ambiente extremamente hostil diante das grandes indústrias (à jusante e à montante) do processo produtivo. Nesse sentido, o texto tem como objetivo discutir o papel dos mercados no processo de desenvolvimento da agricultura familiar e alertar para novas possibilidades estratégicas das cooperativas neste processo. O método constitui-se de uma revisão bibliográfica. Como principal resultado aponta que as velhas formas de atuação das cooperativas (intermediando com as grandes indústrias) talvez estejam esgotadas e que novas possibilidades podem ser criadas na atuação mais direta com outras cooperativas e consumidores na comercialização de alimentos.


Palavras-chave


Tipologia de mercados, produção de alimentos, atuação das cooperativas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo; Rio de Janeiro; Campinas: Hucitec; Anpocs; Unicamp, 1992

ABRAMOVAY, Ricardo. et al. Mercados do empreendedorismo de pequeno porte no Brasil.In: COMISSÃO ECONÔMICA PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE (CEPAL). Pobreza e mercados no Brasil: uma análise de iniciativas de políticas públicas. Brasília: CEPAL; DFID, 2003. p. 235-311.

CHAYANOV, Alexander V. La organización de launidad económica campesina. Buenos Aires: Nueva Visión, 1974.

DAROLT, Moacir Roberto. Circuitos curtos de comercialização de alimentos ecológicos: reconectando produtores e consumidores. In: NIEDERLE, Paulo André; ALMEIDA, Luciano de; VEZZANI, Fabiane Machado. (orgs.). Agroecologia: mercados e políticas públicas para uma novaagricultura. Curitiba: Kairós, 2013. pp. 139-170.

WAQUIL, PauloDabdab; MIELE, Marcelo; SCHULTZ, GlaucoMercados e comercialização de produtos agrícolas. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

WILKINSON, John. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

PLEIN, Clério. Agricultura familiar, mercados e cooperativismo. In: Anais do VIII Congresso Nacional de Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas – VIII CONAPE. Disponível em . Acesso em 07 jul. 2020.

PLOEG, Jan Douwe Van Der. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia esustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

_____. O modo de produção camponês revisitado. In: SCHNEIDER, Sergio (org.) A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006. p. 13-54.

POLANYI, Karl. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SCHNEIDER, Sergio. Mercados e agricultura familiar. In. MARQUES, Flávia Charão; CONTERATO, MarceloAntonio; SCHNEIDER, Sergio. (orgs.). Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: UFRGS, 2016. pp. 93-140.

SOUZA FILHO, Hildo Meirelles; BONFIM, Renato Manzini. Oportunidades e desafios para a inserção depequenos produtores em mercados modernos. In. CAMPOS, Silvia Kanadani.; NAVARRO, Zander. (orgs.). A pequena produção rural e as tendências do desenvolvimento agráriobrasileiro: ganhar tempo é possível? Brasília: CGEE, 2013. pp. 71-100.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. O mundo rural como um espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-042

Apontamentos

  • Não há apontamentos.