Coordenação de políticas públicas: governança do orçamento para projetos sociais em tempos de crise / Coordination of public policies: budget governance for social projects in times of crisis

Fabio Cidreira Cammarota

Resumo


As políticas sociais de prestação continuada são alvos incontestes de dúvidas sobre a capacidade do Estado Brasileiro de controlar a correta aplicação dos recursos. Isso ainda se torna mais grave em momentos de severa crise econômica, onde os grandes desafios do governo concentram-se na manutenção do equilíbrio fiscal e na estabilidade monetária. Nesse palco de conflitos é que se evidencia, mais do que em outros momentos do País, a necessidade de um referencial de governança para a condução dos programas e projetos sociais, onde a assertividade do controle e a aplicação de boas práticas de gestão se mostram apoiadores importantes da manutenção de muitos dos programas de benefícios continuados. Nesta arena de grande importância para o Brasil, o presente artigo se propõe a descrever e analisar um conjunto de auditorias do Tribunal de Constas da União – TCU e estabelecer uma avaliação sobre os resultados aferidos, bem como a sua metodologia referencial de governança pública, calcada em dimensões e critérios de qualidade da gestão estadual e municipal na condução de programas sociais. Para isso, serão utilizadas como bases referenciais teóricas as mesmas disposições e critérios de análise das boas práticas em gestão públicas adotadas pelo TCU, acrescidas dos componentes essenciais do public policy governance. Será enfatizada a análise das auditorias sobre a eficiência do gasto e as fraudes em relação aos Benefícios de Prestação Continuada (BPC) e ao Programa Bolsa Família – PBF (Acórdão nº 2382/2014-TCU, Acórdão nº 4505/2016-TCU, Acórdão nº 2293/2013-TCU, e Acórdão nº 2166/2013-TCU, Acórdão nº 1009/2016-TCU, Acórdão nº 834/14, dentre outros). Nessas auditorias, evidenciou-se que há fragmentação das ações entre os diversos entes federados e, não menos importante, que a coordenação do Poder Executivo se mostra insuficiente para aferir e monitorar a correta aplicação dos recursos nesses programas. Para fins de análise deste artigo, os resultados das auditorias sobre a aplicação do orçamento público têm direta complementaridade com iniciativas de monitoramento e avaliação de políticas públicas e, na mesma esteira, grande importância na perspectiva de ampliação da gestão do orçamento. Ao final do trabalho, serão contempladas as principais causas dessa fragmentação da coordenação, acompanhadas de sugestões de boas práticas que ampliem a governança dos recursos.


Palavras-chave


Governança de políticas sociais, Crise econômica, Equilíbrio fiscal, Auditoria de contas públicas, Orçamento público, Gestão para resultados.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/IEC 38500: Governança corporativa de tecnologia da informação, Rio de Janeiro, 2009. Disponivel em: . Acesso em: 2017.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR ISO 31000: Gestão de riscos - princípios e diretrizes, 2009b. Disponivel em: . Acesso em: 2017.

BRASIL. Lei complementar 101, de 4 de maio de 2000: dispõe sobre a lei de responsabilidade fiscal, 2000. Disponivel em: . Acessoem: 2017

CIPFA. Chartered Institute of Public Finance and Accountancy. The good governance standard for public services, 2004. Disponivel em: . Acesso em: 2017

CNM. Confederação Nacional dos Municípios: Dados Municipais. Disponível em 2017. http://www.cnm.org.br/exclusivo/logar/login?url=Vm1wS05HSXlTWGxTYmxKVVlUSjRXRmx0TlVOaU1WbDNWMjVrVG1KR1NrWlZNakZIWVZaSmQwNVVSbFpOYWtaMldWWmFXbVZHWkhGU2JVWlRWakZLU1Zkc1pEQk5NbFp6Vm01V2FWSnVRbGhhVjNoYVRXeFplVTFJYUZkTmJGcFlXVEJhYjFReFdYcFJiVGxYWVd0S2FGUnRZdw

GRAHN, J.; AMOS, B.; PLUMPTRE, T. Institute of governance - IOG. Governance principles for protected areas in the 21th century, CA, 2003. Disponivel em: 2017

. Acesso em: 2017

GUIMARÃES, T. A. Gestão do desempenho em organizações públicas descentrali- zadas. In: CongressoInternacional do CLAD, 3. Madri: Clad, 1998.

IFAC. International Federation of Accountants. Governance in the public sector: a governing body perspective. In International public sector study nº 13., 2001. Disponivel em: . Acesso em: 2017

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE.Contas Nacionais Trimestrais – Formação Bruta de Capital Fixo - FBCF. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/.2017.

. Contas Nacionais Trimestrais – Produto Interno Bruto - PIB. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/.2017

. Índices de Preços – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/.2017

. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 4º trimestre de 2015. Brasília – DF, março de 2016, 36 p. Disponível em:2017 http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pnad_conti nua/

IFAC. International Federation of Accountants. Good governance in the public sector: consultation draft for an international framework, 2013. Disponivel em:

. Acessoem2017

IFAC. International Federation of Accountants. Comparison of principles, 2013b. Disponivel em: . Acesso em: 2.017

INTOSAI. International Organization of Supreme Audit Institutions. INTOSAI GOV 9120: Internal control: providing a foundation for accountability in government, 2001. Disponivel em: . Acessoem: 2017.

INTOSAI. International Organization of Supreme Audit Institutions. INTOSAI GOV 9100: Guidelines for internal control standards for the public sector, 2004. Disponivel em: . Acessoem: 2017.

INTOSAI. International Organization of Supreme Audit Institutions. INTOSAI GOV 9130, 2007. Disponivel em: . Acesso em: 2017

MATIAS-PEREIRA, J. Governança no setor público. São Paulo: Atlas, 2010.

OCDE. Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. Coerência nas Políticas: relatório final de atividades. Comitê de Gestão Pública., 2003.

OCDE. Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. Princípios da OCDE sobre o governo das sociedades, 2004. Disponivel em: . Acessoem: 2017

OCDE. Organisation for Economic Co-operation and Development, 2013. Disponivel em: . Acesso em: 2017

PETERS, B. G. A cyberneticmodelofgovernance. In: LEVI-FAUR, D. Oxford Handbook of Governance. Oxford: Oxford University Press, 2012.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A survey of corporate governance. Jornal of finance, USA, v. 52, n. 2, p. 737-789, 1997.

WEISS,T. G.; THAKUR, R. Global Governance and the UN: An Unfinished Journey, 2010. Disponivel em: . Acesso em: 2017.

WORLD BANK. The International Bank for Reconstruction and Development. Managing development: the governance dimension, 1991. Disponivelem: .Acessoem: 2017.

WORLD BANK. The International Bank for Reconstruction and Development. A decade of measuring the quality of governance, 2006. Disponivelem: 2017

. Acessoem: 2017.

WORLD BANK. Chapter 12. governance and management. In: Global Evaluations Sourcebook, 2007. Disponivel em: . Acesso em: 2017.

WORLD BANK. The International Bank for Reconstruction and Development. Worldwide Governance Indicators (WGI), 2013. Disponivel em: . Acesso em: 2017.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-040

Apontamentos

  • Não há apontamentos.