Ventilação cruzada e noturna como estratégia de resfriamento passivo em edifício institucional no contexto climático de Brasília/DF / Cross-ventilation and night ventilation as a passive cooling strategy in institutional building in the climatic context of Brasília/DF

Ayana Dantas de Medeiros, Guilherme de Souza Fernandes, Rhaiana Bandeira Santana, Thiago Augusto Tavares, Cláudia Naves David Amorim

Resumo


Esse estudo investiga a experiência no ambiente construído quanto a estratégias de ventilação natural, incluindo ventilação cruzada e resfriamento noturno de massa térmica. Partindo das análises realizadas através da disciplina de Projeto Ambiental Integrado da Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Brasília (PPG FAU-UnB) foi proposto o retrofit em um edifício institucional localizado no Campus da Universidade de Brasília, com o intuito de transformá-lo em um edifício de Balanço Energético Nulo (Net-ZEB). O objetivo do artigo é apresentar as soluções de ventilação, em especial à ventilação noturna da massa térmica, para o contexto climático tropical de altitude de Brasília-DF. O método inclui análise bioclimática e cálculos matemáticos, tendo como objeto o estudo de caso de retrofit em um edifício não residencial. Os resultados evidenciam a viabilidade de se utilizar estratégias de ventilação cruzada eventilação noturnada massa térmica como estratégiaspassivas para resfriamento, tendo sido entendido que é possível alcançar dados satisfatórios que justificam seu uso no contexto climático de Brasília.


Palavras-chave


Ventilação noturna, Resfriamento da massa térmica, Ventilação natural, Ventilação cruzada, Retrofit.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, C.N.D. Projeto Ambiental Integrado – Material de aula. Programa de PósGraduaçãoemArquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, 2019.

ATHIENITIS, A.; O'BRIEN, W. Modeling, Design and Optimization of Net-Zero Energy Buildings. Ernst & Sohn GmbH & Co, 2015. ISBN 978-3-433-03083-7, p. 107-133.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-3.

BASTIDE, A; LAURET,P.; GARDE,F.; BOYER, H. Building energy efficiency and thermal comfort in tropical climates Presentation of a numerical approach for predicting the percentage of well-ventilated living spaces in buildings using natural ventilation. Energy and Buildings, vol. 38, 2006, pp. 1093-1103.

BITTENCOURT, L.; CÂNDIDO, C. Introdução à Ventilação Natural. Maceió, 2006.

CÂNDIDO, C. Ventilação natural e confortotérmicoemclimasquentes. Florianópolis, 2006.

GEROS, V.; SANTAMOURIS, M.; KARATASOU,S.; TSANGRASSOULIS, A.; PAPANIKOLAOU,N. On the cooling potential of night ventilation techniques in the urban environment. Energy and Buildings, vol. 37, 2005, pp. 243-257.

GEROS, V., et al. 2005. On the cooling potential of night ventilation techniques in the urban environment. Energy and Buildings, 37, 243–257.

GIVONI, B. Comfort, climate analysis and building design guidelines, Energy and Buildings, v. 18 pp. 11-23. 1992

___. Passive and low energy design of buildings, New York: John Wiley & Sons, 1994.

GONÇALVES, Joana Carla Soares, BODE, Klaus, organizadores, Edifício Ambiental, São Paulo: Oficina de Textos, 2015

GONÇALVES, J. C. S., DUARTE, D. H. S., ArquiteturaSustentável: umaintegração entre ambiente, projeto e tecnologiaemexperiências de pesquisa, prática e ensino. In.: AmbienteConstruído, Porto Alegre, v. 6, n. 4, p. 51-81, out/dez 2006.

GRATIA, E., DE HERDE, A. How to use natural ventilation to cool narrow office buildings. Building and environment, 2004.

GRATIA, E.; DE HERDE, A. Is day natural ventilation still possible in office buildings? Building and Environment, Vol. 39, 2004, pp. 399-409.

GROSSO, Mario. O resfriamentopassivo dos edifícios: conceitos, precedentesarquitetônicos, critériosprojetuais, métodos de cálculo e estudo de caso. MaggioliEditori, Rimini: 1997. Pp. 587

HENSEN, J. L. M., LAMBERTS, R. Building Performance Simulation and Operation, New York: Spon Press, 2011.

KEELER, M, BURKE, B, Fundamentos de Projeto de edificaçõessustentáveis. ArtmedEditora S. A.: Porto Alegre: 2009.

KWOK, Alison G.; GRONDZIK, Walter T. The Green Studio Handbook: Environmental Strategies for Schematic Design. Architectural Press: 2007. Pp. 436.

LAMBERTS, R., DUTRA, L., PEREIRA, F. O. R., EficiênciaEnergéticanaArquitetura, Rio de Janeiro: PROCEL, 2014.

MACIEL. A. ProjetoBioclimáticoem Brasília: Estudo de Caso emEdifício de Escritórios. Dissertação de Mestrado. UFSC. 2002.

MMA. PROJETEE. RESFRIAMENTO EVAPORATIVO + INÉRCIA TÉRMICA PARA RESFRIAMENTO. Disponívelem: http://projeteee.mma.gov.br/estrategia/resfriamento-evaporativo-inercia-termica-para-resfriamento/Acessoem: 29 jun 2018.

NICOL, F.; HUMPHREYS, M.; SYKES, O.; ROAF, S. Standards for thermal comfort. Chapman&Hall: London, 1995.

PROJETEEEE. Dados climáticos. Disponível em:. Acessoem 19 jun 2018.

SANTAMOURIS, M., ASIMAKOPOULOS, D. Passive cooling of buildings. Earthscan: Abingdon, 2013

SANTAMOURIS, M., Advances in passive cooling. Earthscan: Abingdon, 2007.

UNIÃO EUROPEIA. Directiva 2010/31/UE do parlamentoeuropeu e do conselho de 19 de maio de 2010 relativa ao desempenho energético dos edifícios (reformulação): L 153/13. Jornal oficial da união europeia, Parlamento Europeu e Conselho da União Europeia, Estrasburgo, 18 jun. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.