Principais desafios no suprimento para unidades hospitalares – uma abordagem com mapeamento de processos para análise de critérios de compra de materiais cirúrgicos / Main challenges in supply for hospital units - an approach with mapping of processes for the analysis of criteria for the purchase of surgical materials

Maria Fernanda Zelaya Correia, Luis Gustavo Zelaya Cruz, Patricia Furtado Da Silva

Resumo


A logística tem um papel fundamental em qualquer organização, pois auxilia na organização a aplicação e medição dos processos. Nos hospitais a logística é considerada com maior complexidade pelo impacto que sua eficácia na qualidade do serviço e inclusive no quadro clinico dos pacientes. Em hospitais públicos é perceptível o quanto a necessidade de reger as normas vigentes a órgãos públicos requer um bom planejamento, para que não haja a necessidade de retrabalhos ou gargalos, por exemplo. Aplicação de mapeamento de processos é essencial para um bom planejamento estratégico e para apontar aonde não está sendo atendido. Com a aplicação do diagrama de Ishikawa, também conhecido como espinha de peixe, se pode analisar os efeitos da falta e excesso de materiais. É proposta a utilização da lógica fuzzy como mecanismo para pertinência de critérios no pedido de compra de materiais, uma vez que é utilizado apenas um critério, a média de consumo histórico.


Palavras-chave


Logística Hospitalar, Administração Pública, Mapeamento de Processos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA (2010), Pré-qualificação de artigos médico-hospitalares: Estratégia de vigilância sanitária de prevenção, disponível em:

+Manual+de+Pr%C3%A9-+Qualifica%C3%A7%C3%A3o.pdf?MOD=AJPERES>. Acesso em 08 de maio de 2015.

ANVISA (2007), Programa Nacional de Avaliação de Serviços de Saúde. Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/pnass.pdf >. Acesso em 08 de maio de 2015.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5ª Edição. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

BITTAR, O. N. Indicadores de qualidade e quantidade em saúde. Revista de Administração em Saúde, vol 3, n 12. 2001, pp. 21-28.

BITTAR, O. N. Gestão de processos e certificação para qualidade em saúde. Revista da Associação Médica Brasileira, vol.46 n.1, 2000.

CASTELAR, R. M.; NORDELET, P.; GRABOIS, V. Gestão hospitalar: um desafio para o hospital brasileiro. Rennes: École Nationale de la Santé Pulique,1995.

DONABEDIAN, A. Guide to medical care administration. 2 volume. Washington: American Public Health Assoc., 1969.

DRUCKER, P. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, 1999.

GRANDO, N. Empreendedorismo inovador: como criar startups de tecnologia no Brasil. São Paulo: Évora, 2012.

INFANTE, M.; SANTOS, M. A. B. A organização do abastecimento do hospital público a partir da cadeia produtiva: uma abordagem logística para a área de saúde, Ciência & Saúde Coletiva, vol.12 no.4, 2007, pp. 945- 954.

KRAJEWSKI, L.; RITZMAN, L.; MALHOTRA, M. Administração da Produção e Operação. 8ª Edição. São Paulo: Pretince Hall , 2009.

MESSERSCHMIDT, G. S. Qualidade de vida no trabalho no almoxarifado central do Hospital de Clinicas de Porto Alegre. 2008. (Trabalho de conclusão de curso de Ciências Administrativas) – Faculdade de Ciências Administrativas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

NETO, G. V.; FILHO, W. R. Gestão de recursos materiais e de medicamentos. São Paulo: Fundação Peirópolis, 1998.

ROSS, T. J. Fuzzy Logic with Engineering Applications. 2ª Edition. England: Wiley Editorial, 2008.

SLACK, N. et al. Administração da Produção. Edição compacta. São Paulo: Editora Atlas, 1999.

SOUZA, A. A. et al Controle de gestão em organizações hospitalares. Revista de Gestão USP, v. 16, n. 3,2009, p. 15-29.

SPDM e INTERFARMA. A Saúde do Brasil em 2021. Reflexões sobre os desafios da próxima década. São Paulo: Unic Building Comunicações, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.