Práticas do ensino a distância: um ensaio teórico-comparativo entre Brasil e Portugal / Distance teaching practices: a theoretical-comparative test between Brazil and Portugal

Alexandre Santos, Rachel Xenia Chang, Caio Augusto Carvalho Alves

Resumo


Este estudo tem como objetivo o estudo comparativo das práticas de ensino a distância entre Brasil e Portugal em relação a: (i) aceitabilidade e aderência do ensino a distância no processo de aprendizagem dos estudantes universitários de graduação de ambos os países, (ii) congruências e lacunas existentes entre a expectativa do aluno como agente ativo de seu processo de aprendizagem a distância e os programas oferecidos pelas Instituições de Ensino Superior (IES) de ambos os países, (iii) semelhanças encontradas entre as práticas de gestão do ensino a distância entre ambos os países, (iv) lacunas existentes entre as modalidades de ensino a distância de ambos os países, (v) áreas de aplicabilidade do ensino a distância em ambos os países e (vi) lições aprendidas e oportunidades de melhoria do processo de aprendizagem a distância com base na experiência de ambos os países. A abordagem a ser adotada prevê uma análise qualitativa, com base no método de estudo de casos múltiplos, utilizando como técnica de coleta de dados o uso de questionários com docentes de IES oriundas de ambos os países, bem pesquisa de informações disponibilizadas na internet. A técnica de análise prevê o uso de análise de conteúdo das informações coletadas. Como contribuição acadêmica, espera-se que este estudo apresente um benchmarking a ser aproveitado por ambos os países, considerando-se o potencial de replicabilidade devido a pequena distância psíquica entre Brasil e Portugal.

Palavras-chave


Aprendizagem, Ensino a distância, Estudo comparativo, Brasil, Portugal

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO, Sérgio. Reunião da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES). 2016.

Albuquerque, M. R. d., & Silva, I. M. M. (2012). Materias didáticos impressos para educação a distância: Interfaces com práticas de linguagem. ETD - Educação Temática Digital, 14(2), 75-93. Disponível em: http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0168-ssoar-358736. Acessado em 10 maio 2018.

AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães; et al. A Gestão das Práticas Pedagógicas na EaD: Construção do Material Didático, Mídias Integradas e Conteúdos Educacionais como Elementos Centrais em Apoio ao Aluno. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2010/cd/252010185315.pdf. Acessado em: 10 Mai 2018.

ALVES, J. R. M. A história da EAD no Brasil. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, 2008. P. 9-13.

ALVES, L. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância. São Paulo, v. 10, p. 83-92, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22. nov. 2016.

BRASIL, Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 2005. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2016.

________. Ministério de Educação. Secretaria de Educação a Distância. Relatório de Gestão de 2008: objetivos e metas institucionais e/ou programáticos. Brasília: SEED, 2008, p.3. Disponível em > Acesso em: 29 ago. 2016._________. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. . Acesso em: 29 ago. 2016.

COSTA, Júlio Resende. Análise do design instrucional do curso “formação docente na educação de jovens e adultos”. Disponível em: http://www.interscienceplace.org/interscienceplace/article/viewFile/404/278. Acessado em 14 julho 2013.

DESLAURIERS, J.P.; KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: J. Poupart et al. A Pesquisa Qualitativa: Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

SOUZA, Jussara Beatriz de. O Perfil e o preparo dos alunos de Cursos a Distância. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2013.

GORGULHO JÚNIOR, José Hamilton Chaves. O Designer Instrucional e a Equipe Multidisciplinar. Ed. Storbem, NEaD da UNIFEI, 2012.

SCHLEMMER, Eliane, SACCOL, Amarolinda Zanela, GARRIDO, Susane. UM MODELO SISTÊMICO DE AVALIAÇÃO DE SOFTWARES PARA EDUCAÇÃO A

DISTÂNCIA COMO APOIO À GESTÃO DE EAD. Disponível em: file:///C:/Users/alexandre.santos20/Downloads/36592-43129-1-PB.pdf. Acessado 12 Maio 2018.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 1989.

KOHL, Marta de O.; REGO, Teresa Cristina. Vygotsky e as complexas relações entre cognição e afeto. In: ARANTES, Valéria Amorim. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003.

MADEIRA, Ana Luiza. O ensino superior da Europa e sua relação com a América Latina: a cooperação entre Portugal e Brasil. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Niterói, v. 25, n. 1, p. 33-60, jan./abr. 2009

MATTAR, J. Projeto educacional: educação a distância na prática. São Paulo: Artesanato Educacional, 2014.

MENEGHETTI, Francis Kanashiro. O que é um Ensaio-Teórico?. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/840/84018474010/. Acessado em 04 junho 2018.

MORAES, R. C. Educação a distância e ensino superior: introdução didática a um tema polêmico. São Paulo: Senac, 2010.

MORAN, José Manuel. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógoca. Campinas: Papirus 2000.

NÓVOA, António. Histoire & comparaison: essais sur l’education. Lisboa: Educa, 1998.

ANTOS, Cibele Galvão, SCHERRE, Paula Pereria. Educação a Distância e Complexidade:

uma relação possível? Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/raead/article/view/3224/2228. Acessado 11 Maio 2018.

_____________. Modelo de análise em educação comparada: o campo e o mapa. IN: SOUZA, D. B. de; Martínez, S. A. Educação Comparada: Rotas do Além-Mar, São Paulo: Xamã, 2009.

NUNES, I. B. A história da EAD no mundo. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, 2008. P. 2-8.

SOUZA, Donaldo Bello de; MARTÍNEZ, Silvia Alicia. Gestão da Educação em perspectiva comparada Brasil-Portugal: análise da produção acadêmica entre 1986-2006. RBPAE – v.26, n.2, p.307-324, mai./ago. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n3-027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.