Planejamento estratégico e balanced scorecard: é possível afirmar que as dificuldades foram superadas? / Strategic planning and the balanced scorecard: is it possible to say that the difficulties have been overcome?

Renata Tamirez Ramalho, Dilo Sergio de Carvalho Vianna, Ana Carolina Pimentel Duarte da Fonseca

Resumo


O Planejamento Estratégico (PE) e o Balanced Scorecard (BSC) são ferramentas de gestão que estão associadas à estratégia de muitas empresas. Estas ferramentas, no entanto, apresentam vantagens e desvantagens para quem as utiliza. Tanto o BSC quanto o PE apresentam especificidades e necessidades de adequação em cada situação, ambiente, organização e tipo de negócio. Assim, analisar em que extensão o BSC é um modelo capaz de ajudar a superar as dificuldades encontradas na utilização do PE foi o principal objetivo deste estudo. Para tanto, foi realizada uma revisão bibliográfica, com pesquisas em livros, artigos e revistas. Seus resultados apontaram que o BSC é uma ferramenta reducionista, e como tal, ajuda a solucionar os problemas das empresas dentro dos moldes que essa ferramenta se propõe a fazer. O BSC, no entanto, ajuda a suprir falhas das empresas como rigidez, comunicação, feedback e algumas outras imperfeições do Planejamento Estratégico. Entretanto, assim como o PE, se a estratégia é mal elaborada pela administração, por consequência, pode haver má implementação do BSC; isso pode ocorrer em função de determinados fatores como, por exemplo, a elaboração do planejamento e da estratégia concentrado na alta hierarquia, falta de participação e envolvimento dos grupos da organização, falta de comprometimento da organização, fraca relação de causa e efeito entre as perspectivas, ênfase na orientação financeira e ineficiente feedback e aprendizado. Portanto, os resultados sugerem que o sucesso das ferramentas de gestão parece condicionado em grande parte à eficácia da elaboração da estratégia, dados informacionais corretos e a correta implementação do modelo proposto.

Palavras-chave


Ferramenta Gerencial, Planejamento Estratégico e Balanced Scorecard.

Texto completo:

PDF

Referências


AL-BAIDHANI, A. M. The use of Balanced Scorecard as a tool for performance management and planning. Available at SSRN 2313780,2013.

ALDAY, H. E. C. O. Planejamento estratégico dentro do conceito de administração estratégica. Revista FAE. Curitiba, v.3, n.2, p.9-16, maio/ago.,2000.

ALMEIDA, A. F. de. Planejamento Estratégico e Proatividade: um estudo de caso em duas unidades regionais do Banco Central do Brasil em duas unidades regionais do Banco Central do Brasil. RAC, v. 4, n. 3, p. 177-199, set./dez.,2000.

ANSOFF, H. I; DECLERCK, R. P. e HAYES, R. L. Do Planejamento Estratégico à administração estratégica. São Paulo: Atlas,1976.

BARBOSA, E. R; BONDRANI, G. Planejamento Estratégico organizacional. Revista Eletrônica de Contabilidade, v1. n.2dez/2004-fev/2005.

COSTA, A. P. P. Contabilidade gerencial: um estudo sobre a contribuição do Balanced Scorecard. 2001. 168 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo,2001.

CROZATTI, J. Planejamento Estratégico e controladoria: um modelo para potencializar a contribuição das áreas da organização. ConTexto, Porto Alegre, v. 3, n. 5, 2º semestre2003.

ESTRADA, R. J. S; ALMEIDA, M. I. R. A eficiência e a eficácia da gestão estratégica: ao Planejamento Estratégico à mudança organizacional. Revista de Ciências da Administração. Florianópolis, v. 9, n. 19, p. 147- 178, set./dez.,2007.

FREZATTI, F; BIDO, D. de S; da CRUZ, A. P. C; de CAMARGO MACHADO, M. J.O

Papel do Balanced Scorecard na gestão da inovação. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 4, p. 381-392,2014.

GALAS, E. S; FORTE, S.H.A.C. Fatores que interferem na implantação de um modelo de gestão estratégica no Balanced Scorecard: estudo de caso em uma instituição pública. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, vol. 6 n.2, p.87-111,2005.

HOQUE, Z. Total quality management and the balanced scorecard approach: a critical analysis of their potential relationships and directions for research. Critical Perspectives on Accounting, v. 14, n. 5, p. 553-566,2003.

HUANG, H. Designing a knowledge-based system for strategic planning: A Balanced Scorecard perspective. Expert Systems with Applications, v. 36, n. 1, p. 209-218,2009.

ICHIKAWA, E. Y. Considerações críticas sobre Planejamento Estratégico. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção. 17. 1997. Anais… Gramado/Canela, Rio Grande do Sul, RS.1997.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação: Balanced Scorecard. 13.ed. Rio de Janeiro: Campus,1997.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Mapas estratégicos – Balanced Scorecard: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Elsevier,2004.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A Execução Premium. Rio de Janeiro: Elsevier,2008.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, planejamento, implementação e controle. 2. ed. São Paulo: Atlas,1992.

LEE, S.; PARK, S. B.; LIM, G. G. Using balanced scorecards for the evaluation of “Software-as-a-service”. Information & Management, v. 50, n. 7, p. 553-561,2013.

LIMA, A. C. C; CAVALCANTI, A; PONTE, V. Da onda da gestão da qualidade a uma filosofia da qualidade da gestão: balanced scorecard promovendo mudanças. Revista Contabilidade e Finanças. v.15, São Paulo, junho,2004.

MATOS, F. G. Visão e ação estratégica. São Paulo: Makron Books,1999.

MILLER, C. C; CARDINAL, B. C. Strategic Planning and Firm Performance: a synthesis of more than two decades of research". Academy of Management Journal, 6: 1649-1665, 1994.

MINTZBERG, Henry. The fall and rise of strategic planning. Harvard business review, v. 72, n. 1, p. 107-114,1994.

MINTZBERG, H; AHLSTRAND, B; LAMPEL, J. Safári de estratégia. Porto Alegre: Bookman.2010.

MIZRAHI, S. E.; CANEN, A. G. Gestão estratégica multicultural baseada no Balanced Scorecard em instituições de ensino. Revista Ensaio (Fundação Cesgranrio), Rio de Janeiro, v. 20, n. 74, 2012.

MONTEIRO, P. R. A; CASTRO, A. R; PROCHNIK, V. A. mensuração do desempenho ambiental no balanced scorecard e o caso da Shell. Anais do VII Encontro Nacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, FGV/USP,2003.

MÜLLER, C. J. Modelo de gestão integrando Planejamento Estratégico, sistemas de avaliação de desempenho e gerenciamento de processos (MEIO – Modelo de Estratégia, Indicadores e Operações). 2003. 292 f. Tese (Doutorado em Engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul,2003.

NORREKLIT, H. The Balanced Scorecard: What is the score? A rhetorical analysis of the Balanced Scorecard. Accounting, Organizations and Society 28: 591–619.2003.

OLIVEIRA, J; TERENCE, A. C. F; ESCRIVAO FILHO, E. Planejamento Estratégico e operacional na pequena empresa: impactos da formalização no desempenho e diferenças setoriais. Revista de Gestão Organizacional, v. 3, p. 119-133,2010.

PATON, C; MASTELARI, D. A; NOGUEIRA, J. A; TEIXEIRA, S.A. MARTINS, V.F.

VEIGA, W. da F.O uso do “Balanced Scorecard”como um Sistema de Gestão Estratégica.

UNOPAR Cient., Ciênc. Juríd. Empres. Londrina, v. 1, n. 1, p. 173-186, mar.,2000.

PRIETO, V. C.; PEREIRA, F. L. A.; CARVALHO, M. M. de; LAURINDO, F. J. B. Fatores

Críticos na Implementação do Balanced Scorecard. Gestão e Produção. v.13, nº1, p.81-92, jan./abr.,2006.

QU, S. Q; COOPER, D. J; EZZAMEL, M. Creating and popularising a global management accounting idea: The case of the Balanced Scorecard. Chartered Institute of Management Accountants,2010.

RIMAR, S. Strategic Planning and the Balanced Scorecard for faculty practice plans. Academic Medicine, v. 75, n. 12, p. 1186-1188,2000.

ROCHA, I. et al Rentabilidade de empresas que utilizam o Balanced Scorecard (BSC) versus empresas que utilizam somente indicadores de desempenho financeiros. R. eletr. estrat. neg., Florianópolis, v.5, n.2, p.88-119, mai/ago.2012.

ROSA, M. V. da. Características do Planejamento Estratégico - Suas boas ideias saindo do papel. Disponível em: < http://www.portaleducacao.com.br/> Acesso em: 22 jul.2015.

RUMELT, R. P. et al., Fundamental issues in Strategy. In RUMELT, Richard P.; SCHENDEL, Dan E.; TEECE, David J. Fundamental issues in Strategy: a research Agenda. Boston: Harvard Business School Press, 1994. Cap. 1, p. 12 –13.

RUSSO, P. T.; PARISIB, C.; da SILVA, A. F.; WEFFORTD, E. F. J. Percepção dos gestores sobre o processo de institucionalização do Balanced Scorecard de uma empresa de saneamento. Production Journal, v. 24, n. 4, p. 927-939,2014.

SCRAMIM, F. C. L; BATALHA, M. O. (1997). Planejamento Estratégico em Pequena Indústria: Metodologia, Aplicação e Resultados. In: XVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Anais, Gramado/Canela, Rio Grande do Sul/RS.

SILVA, P. D. A. da; SANTOS, O. M. dos; PROCHNIK, V. Percepções quanto aos fatores críticos à implantação e uso do balanced scorecard: a experiência da Petrobrás. 18º Congresso Brasileiro de Contabilidade. Gramado-RS. Anais dos Trabalhos Científicos, 2008.

TOHIDI, H; JAFARI, A; AFSHAR, A. A. Using balanced scorecard in educational organizations. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 2, n. 2, p. 5544-5548,2010.

VAN DER ZEE, J. T. M.; DE JONG, B. Alignment is not enough: integrating business and information technology management with the balanced business scorecard. Journal of Management Information Systems, p. 137-156,1999.

VIANNA, D. S. C. O Balanced scorecard e o desempenho organizacional: o caso do monopólio natural das distribuidoras de energia elétrica no Brasil. 2014. 182f. Tese. (Doutorado em Ciências Econômicas). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro,2014.

VOELKER, K. E.; RAKICH, J. S.; FRENCH, G. R. The Balanced Scorecard in healthcare organizations: a performance measurement and strategic planning methodology. Hospital topics, v. 79, n. 3, p. 13-24,2001.

ZOMORRODIAN, A. New Approach to Strategic Planning: the impact of leadership and culture on plan implantation via the three cs: cooperation, collaboration and coordination‖ presented at the 18th. National Conference of American Society for Business and Behavioral Sciences, Feb. 2011, Las Vegas, Nevada.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n2-047

Apontamentos

  • Não há apontamentos.