Gestão de riscos ocupacionais no mapeamento do fluxo de valor da Produção Enxuta / Occupational risk management in the value stream mapping of the Lean Manufacturing

Matheus Binotto Francescatto, Cristiano Roos

Resumo


O problema de pesquisa deste trabalho é de origem prática. Em especial, uma organização que utiliza as práticas da produção enxuta em seus processos apresentou a necessidade de englobar a gestão de riscos ocupacionais nos procedimentos táticos e operacionais do referido sistema de gestão. Neste sentido, o objetivo aqui é desenvolver e implementar um método que considere a gestão de riscos ocupacionais no mapeamento do fluxo de valor da produção enxuta. Para tanto, este trabalho foi planejado e conduzido rigorosamente de acordo com os procedimentos metodológicos da pesquisa-ação. Inicialmente, um método foi desenvolvido a partir do conhecimento teórico e prático de um grupo de pesquisa ao qual pertence o doutorando que conduziu a pesquisa-ação apresentada no trabalho. Na sequência, o método desenvolvido foi implementado em dois processos de duas unidades distintas da organização em questão. Por último, os resultados práticos e teóricos foram registrados e analisados. De fato, os resultados mostraram um método que se mostrou viável do ponto de vista de sua aplicação prática e capaz de alcançar os objetivos pretendidos. Dentro das limitações da pesquisa-ação, concluiu-se que o método desenvolvido apresenta baixa complexidade e baixo custo de operacionalização, podendo gerar uma análise customizada dos riscos ocupacionais.

 


Palavras-chave


riscos ocupacionais, produção enxuta, mapeamento do fluxo de valor.

Texto completo:

PDF

Referências


AHLS, B. Advanced memory and lean change. IIE Solutions, v.33, n.1, p.40-42, 2001.

ALAVI, S. Leaning the right way. Manufacturing Engineer, v.82, n.3, p.32-35, 2003.

BAMBER, L.; DALE, B. G. Lean production: a study of application in a traditional manufacturing environment. Production Planning and Control, v.11, n.3, p.291-298, 2000.

BELL, J. Projeto de pesquisa: guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. Tradução Magda França Lopes. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BERKENBROCK, P. E.; BASSANI, I. A. Gestão do risco ocupacional: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v.4, n.1, p. 43-56, 2010.

BS 8800. British Standard Institution (BSI). Guide to occupational and safety management systems. London, 1996.

CHANESKI, W. S. Stories from the lean office. Modern Machine Shop, v.78, n.7, p.44-46, 2005.

CORDEIRO, J. V. B. de M. Sistema Toyota de Produção: Novo Paradigma Produtivo ou Estratégia de Operações? In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 27., 2007, Foz do Iguaçu. Anais… Foz do Iguaçu: Abepro, 2007. 1 CD-ROM.

EMILIANI, M. L. Redefining the focus of investment analysis. The TQM Magazine, v.13, n.1, p.34-50, 2001.

FITZSIMMONS, J. A.; FITZSIMMONS, M. J. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Tradução Jorge Ritter. 4. ed. Porto Alegre: Bookman Editora, 2005.

FUNDACENTRO. Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho. Versão Brasileira das Diretrizes da OIT (ILO-OSH 2001). Fundacentro: Brasil, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2009.

HELMAN, H.; ANDERY, P. R. P. Análise de falhas (Aplicação dos métodos de FMEA e FTA). Belo Horizonte: Fundação Cristiano Ottoni, Escola de Engenharia da UFMG, 1995.

KRAFCIK, J. F. Triumph of the lean production system. Sloan Management Review, v.30, n.1, p.41-52, 1988.

LAPA, R. P. Metodologia de identificação de perigos e avaliação de riscos ocupacionais. Dissertação de Mestrado. Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

LEAN INSTITUTE BRASIL. Desenvolvido pela organização sem fins lucrativos Lean Institute Brasil. 2011. Apresenta o trabalhos da entidade de pesquisa, educação e treinamento dedicados à disseminação de um conjunto de idéias conhecidas como "Lean Thinking" baseadas no Sistema Toyota de Produção. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2011.

LIKER, J. K. Becoming Lean – Inside Stories of U.S. Manufacturers. Portland: Productivity Press, 1997.

MILLER, K. The change agent’s guide to radical improvement. Milwaukee, WI: ASQ Quality Press, 2002.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2011.

MOORE, S.; GIBBONS, A. Is lean manufacturing universally relevant? An investigative methodology. International Journal of Operations & Production Management, v.17, n.9, p.899-911, 1997.

MOTWANI, J. A business process change framework for examining lean manufacturing: a case study. Industrial Management & Data Systems, v.103, n.5, p.339-346, 2003.

OHSAS 18001. British Standard Institution – BSI. Occupational and safety management systems. Specification. London, 1999.

PARKS, C. M. Instill lean thinking. Industrial Management, v.44, n.5, p.14-18, 2002.

ROOS, C. et al. Método baseado na teoria Grey para priorização de riscos ocupacionais. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 29., 2009, Salvador. Anais… Salvador: Abepro, 2009. 1 CD-ROM.

ROSS, A.; FRANCIS, D. Lean is not enough. IEE Manufacturing Engineer, v.82, n.4, p.14-17, 2003.

ROTHWELL, W. J.; HOHNE, C. K.; KING, S. B. Human Performance Improvement: building practitioner competence. 2. ed. Boston: Butterworth-Heineman, 2007.

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 10. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SPEAR, S.; BOWEN, H. K. Decoding the DNA of the Toyota production system. Harvard Business Review, v.77, n.5, p.96-106, 1999.

STAMATIS, D. H. Failure Mode and Effect Analysis: FMEA fron theory to execution. 2. ed. Milwaukee, Winsconsin: ASQ Quality Press, 2003.

STAMM, D. J. Kinda, sorta lean. Industrial Engineer, v.36, n.2, p.22, 2004.

TAJ, S. Applying lean assessment tools in Chinese high-tech industries. Management Decision, v.43, n.4, p.28-43, 2005.

TAJ, S. Lean manufacturing performance in China: assessment of 65 manufacturing plants. Journal of Manufacturing Technology Management, v.19, n.2, p.217-234, 2008.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

TISCHLER, L. Bringing lean to the office. Quality Progress, v.39, n.7, p.32-38, 2006.

WOMACK, J.; JONES, D. Lean Thinking: Banish Waste and Create Wealth in Your Corporation. New York: Simon & Schuster, 1996.

WOMACK, J.; JONES, D.; ROSS, D. The Machine that Changed the World. New York: Rawson Associates, 1990.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n2-039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.