A teoria das restrições e o processo de produção dos padrões Cemig em uma indústria de pré-moldados em Ituiutaba-MG / Theory of restrictions and the production process of Cemig standards in a premolding industry in Ituiutaba-MG

Wallace Muller Tadeu de Aráujo, Railene Oliveira Borges, Josilene da Silva Barbosa, Erika Monteiro de Souza Alves Dias

Resumo


Este estudo teve como objetivo descrever o processo de produção dos padrões CEMIG em uma indústria de pré-moldados e verificar como o modelo gerencial Teoria das Restrições (TOC) poderia contribuir para melhorar o processo de produção. Quanto ao objetivo de pesquisa, caracteriza-se como exploratória, pelo fato de estudar o comportamento organizacional da empresa. A abordagem é qualitativa, pois não há estruturação prévia quanto à análise do processo. O procedimento utilizado foi o estudo de caso, juntamente com a pesquisa bibliográfica, documental e entrevista informal com os gestores e executores do processo de produção. Constatou-se que na matéria prima utilizada há uma sobra de concreto que poderia ser aproveitado se fosse realizada uma reforma no piso do local de produção, possibilitando a coleta do concreto excedente e o utilizando na fabricação de tampas de tubos de aterramento.

Palavras-chave


Teoria das restrições, padrões, matéria prima.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. P. et al. Utilizando os passos da teoria das restrições para a melhoria contínua da produção: um estudo aplicado a uma fábrica de jeans. Revista do mestrado em Administração e Desenvolvimento Empresarial, Estácio de Sá, Rio de Janeiro, p.1-22, 2010.

ANDRADE, M. M. D. Introdução a metodologia do trabalho cientifico. 8ed. São Paulo: Atlas, 2007.

CHIAVENATO, I. Gerenciando Pessoas. São Paulo: Makron Books, 1994.

COGAN, S. Contabilidade Gerencial: Uma abordagem da teoria das restrições. 1.ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

CORREA, C. A; CORREA, H. L. Administração de produção e operações. 2ed. São Paulo: Atlas, 2005.

CORREA, C. A; CORREA, H. L. Administração de produção e operações. 3ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GAION, A.V. F. et al. Teoria das Restrições aplicada à prestação de serviços. Revista Cientifica Unopar, Londrina, p.67-82, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOLDRATT, E. M.; COX, J. A meta: um processo de aprimoramento contínuo. 2.ed.. São Paulo: IMAM, 2002.

GUERREIRO, R. A Meta da Empresa: seu alcance sem mistérios. São Paulo: Atlas, 1999.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1996.

KRAEMER, M. E. P. A contabilidade gerencial e a teoria das restrições. Universidade do vale do Itajaí, Itajaí, 2013.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 6ed. São Paulo: Atlas, 2011.

NOREEN, E.. et al. A Teoria das Restrições e suas Implicações na Contabilidade Gerencial. São Paulo: Educator Editora, 1996.

OLIVEIRA, L. M.; JÚNIOR, J. H. P. Contabilidade de Custos para não contadores. São Paulo: Atlas, 2010.

POZO, H. Teoria das restrições: o sucesso através de redução do tempo set up em uma pequena indústria de manufatura. Revista eletrônica de gestão de negócios, Santos, p.1-41, 2007.

PREFEITURA DE ITUIUTABA. Casas populares em Ituiutaba podem ultrapassar 3.600 unidades. Disponível: http://www.ituiutaba.mg.gov.br/antigo/?id=857&i=62&t=Not%C3%ADcias&act=ler&c=noticias&ca=3.Acesso em: 15 nov 2014.

SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009.

SOUSA, J. E. F. Uma análise de produção de fachadas empresariais em uma empresa de comunicação visual sob a égide da teoria das restrições. Universidade Federal de Uberlândia, Ituiutaba, p. 1-18, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n2-033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.