Aspectos clínicos de cães com leptospirose no hospital de medicina veterinária Prof. Renato Rodemburg de Medeiros Neto

Tiago Sena de Andrade, Mariana Oliveira Mendes, Beatriz Souza Praseres, Evane Oliveira Sena, Fernanda Reis dos Santos, Julia Liger de Freitas

Resumo


A leptospirose é uma doença zoonótica cosmopolita, por se apresentar mundialmente distribuída. Seu agente é Leptospira interrogans, bactéria microaerófila de formato espiroidal que pode infectar diversas espécies de mamíferos. Em cães, os principais sinais clínicos possíveis de serem encontrados são icterícia, anorexia, desidratação e severa perda de peso, podendo haver comprometimento renal e hepático com a progressão da doença. Porém, é comum haver uma variação na apresentação desses sinais, devido a variáveis, como o tempo de infecção, ambiente, e aspectos fisiológicos e imune do organismo animal acometido. Além disso, essas manifestações não são patognomônicas, podendo ser associado a elas uma diversidade de diagnósticos diferenciais. Dessa forma, faz-se necessário o estabelecimento de parâmetros que ajudem a nortear melhor o médico veterinário e aumentar a eficácia no diagnóstico da leptospirose. Assim, o objetivo deste trabalho é verificar os sinais clínicos mais aparentes em cães com diagnóstico de leptospirose confirmado atendidos no Hospital de Medicina Veterinária Prof. Renato Rodemburg de Medeiros Neto. Para isso, analisaram-se fichas de animais que foram encaminhados para diagnóstico sorológico de leptospirose e tiveram seus resultados considerados reagentes para estabelecer quais os sinais clínicos predominantes.


Palavras-chave


Cachorro; Leptospira interrogans; Perfil Clínico.

Texto completo:

PDF

Referências


ADLER.B. Leptospiral History of Leptospirosis and Leptospira . In ADLER, B (Ed). Leptospira and Leptospirosis. Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg, 2015. p.1-9

ANZAI, E.K. Utilização da PCR para o Diagnóstico da Leptospirose em Cães naturalmente infectados por Leptospira spp., 2006. 48p. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2006.

BATISTA, C. S. A; AZEVEDO, S. S; ALVES, C.J; VASCONCELLOS, S. A; MORAES, Z. M; CLEMENTINO, I. J; LIMA, F.S; NETO, J. O. A. Soroprevalência de leptospirose em cães errantes da cidade de Patos, Estado da Paraíba, Brasil. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 41, n. 2, p. 131-136, 2004.

BRASIL. Manual de controle da leptospirose. Fundação Nacional de Saúde-Leptospirose. Centro Nacional de Epidemiologia. Coordenação de Controle de Zoonoses e Animais Peçonhentos, 2001, v. 2, p.10.

BROWN, C. A; ROBERTS, A. W; MILLER, M. A. et al. Leptospira interrogans serovar grippotyphosa infection in dogs. J Am Vet Med Assoc. v209, p.1265–7, 1996.

COSTA, F; HAGAN, J. E; CALCAGNO, J; KANE, M; TORGERSON, P; MARTINEZ-SILVEIRA, M.S; STEIN, C; ABELA-RIDDER, B; KO, A. I. Global morbidity and mortality of leptospirosis: a systematic review. PLoSNeglectedTropical Diseases, v. 9, n. 9, 2015.

FAINE, S; ADLER, B; BOLIN, C; PEROLAT, P. Leptospiraandleptospirosis. 2.ed. Melbourne: MediSci, 2000.

GOLDSTEIN, R. E. Canine leptospirosis. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v. 40, n. 6, p. 1091-1101, 2010.

GREENE, C. E. Leptospirosis. In: GREENE, C. E. (Comp.) Infectious Diseases of the Dog and Cat.Georgia: Sounders Elsevier, 2011. Section II: BacterialDiseases. cap. 42, p. 431-438.

HAGIWARA, M. K. Leptospirose canina. Boletim Técnico. Pfizer Saúde Animal, p. 1-6, 2003.

HAGIWARA, M. K. LUSTOSA, M.; KOGIKA, M. M. Leptospirose canina. Vet News, v. XI, n. 67,p. 7-8, 2004.

McDONOUGH, P. L. Leptospirose. In: TILLEY, L.P.; SMITH, Francis W.K. ConsultaVeterinária em 5 minutos- canina e felina. 3ª Ed. São Paulo: Manole. p.891-893, 2008.

PELCZAR JR, M. J; CHAN, E. C. S; KRIEG, N. R. Microbiologia: conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 1996.

RENTKO, V. T; CLARK, N.;ROSS, L. A; SCHELLING, S. H. Canine leptospirosis: a retrospective study of 17 cases. Journal of Veterinary Internal Medicine, v. 6, n. 4, p. 235-244, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.