Ações de educação ambiental no Parque Natural Municipal de Marapendi / Environmental education actions in the Marapendi Municipal Natural Park

Taíssa Barcelos Casanova da Silva, Thamires Lelis Barbosa da Silva, Marcelo de Araujo Soares

Resumo


A Mata Atlântica é um dos 25 hotspots mundiais de biodiversidade. O acesso e a penetração no seu interior são mais fáceis nas áreas de preservação ambiental, como parques nacionais e estaduais e reservas ecológicas. O Parque Natural Municipal de Marapendi é composto pelas áreas que fazem fronteira com a Lagoa de Marapendi. As espécies de flora e fauna encontradas no parque são tipicamente de áreas de manguezal e restinga associadas à Mata Atlântica. A educação ambiental é um processo que busca elucidar valores e desenvolver atitudes que permitam adotar uma posição consciente e participativa relacionadas com a conservação e adequada utilização dos recursos naturais. Este trabalho teve por objetivo promover ações de educação ambiental no Parque Natural Municipal de Marapendi, buscando desenvolver atitudes e formas de pensar voltadas à conservação e utilização dos seus recursos naturais. A principal metodologia adotada foi o estudo quantitativo de coleta de informações que proporcionou a observação do conhecimento dos visitantes sobre a importância do Parque assim como questões relacionadas à educação ambiental. Concluímos, que a educação ambiental é importante para modificar a forma com que as pessoas percebem e se relacionam com o meio ambiente. A educação ambiental em Unidades de Conservação ajuda na compreensão do que são esses espaços, valorizando-os e assumindo um compromisso de conservação e cuidado.

Palavras-chave


Educação Ambiental, Parque Marapendi, Mata Atlântica, Rio de Janeiro.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, C. A. S. & BUENO, C. Breve caracterização do efeito de bordano Parque Natural Municipal de Marapendi – Rio de Janeiro. Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil, 2007.

BERTOLUCCI, D.; MACHADO, J.; SANTANA, L. C. Educação ambiental ou educações ambientais? As adjetivações da educação ambiental brasileira. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 15, p. 36-48, 2005.

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília, DF, 2000.

BRESOLIN, A. J.; ZAKRZEVSKI, S. B. B.; MARINHO, J.R. Percepção, comunicação e educação ambiental em unidades de conservação: um estudo no Parque Estadual de Espigão Alto- Barracão/ RS- Brasil. Perspectiva, v. 34, n.128, p. 103-114, 2010.

BUSHELL, R. & EAGLES, P. Tourism and protected areas: benefits beyond boundaries: the Vth IUCN World Parks Congress. Cabi, 347p., 2007.

CARVALHO, L. C. G. & CATÓLICO, A. C. Entre a qualidade de vida e o capital: a Apa do Marapendi e o Grand Hyatt Hotel. Revista Científica ANAP Brasil, v. 8, n. 13, p. 11-22, 2015.

COSTA, J. R.; MEDEIROS, T. A.; CAPISTRANO, F. A.; SANTOS, D. M. C. Parque Natural Municipal Chico Mendes: Percepção da população acerca de uma unidade de conservação de Proteção Integral na cidade do Rio de Janeiro. Ciência Atual, v. 11, n.1, 2018.

COUTINHO, L. M. O conceito de bioma. Acta Botanica Brasilica, v. 20, n.1, p. 13- 23, 2006.

CUNHA, A. S. & LEITE, E. B. Percepção ambiental: implicações para a educação ambiental. Sinapse Ambiental,[S. l.: sn], p. 66-79, 2009.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico. RevistaInterdisciplinar Científica Aplicada, v.2, n.3, p.1-13, 2008.

DALL’OGLIO, O. T.; SHENG, L. Y.; BENITEZ, N. H. M. Perfil dos visitantes do Parque dos Buritis, município de Lucas do Rio Verde- MT. Nativa, v.5, n.2, p. 107- 113, 2017.

ESTEVES, F. A. & LACERDA, L. D. Ecologia de Restingas e Lagoas Costeiras. Macaé, NUPEM/UFRJ. p. 99-116, 2000.

FERREIRA, M. C. E.; HANAZAKI, N.; SIMÕES-LOPES, P. C. Conflitos ambientais e a conservação do boto-cinza na visão da comunidade da Costeira da Armação, na APA de Anhatomirim, Sul do Brasil. Natureza & Conservação,v. 4, n.1, p. 64-74, 2006.

FRANCO, A. C.; VALERIANO, D. M.; SANTOS, F. M.; HAY, J. D.; HENRIQUES, R. P. B.; MEDEIROS, R. A. Os microclimas das zonas de vegetação da praia da restinga de Barra de Maricá, Rio de Janeiro. Anais do Simpósio sobre Restingas Brasileiras, CEUFF Niterói, p. 413-425, 1984.

HECTOR, A. & BAGCHI, R. Biodiversity and ecosystem multifunctionality. Nature, v. 448, p. 188-190, 2007.

HOGARTH, P. J. The Biology of mangroves. Oxford University Press (OUP), 1999.

IBAM (Instituto Brasileiro de Administração Municipal). Guia das Unidades de conservação do Rio de Janeiro, 1998.

JACOBI, P. R. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, n. 118, p.189-205, 2003.

LEFF, E.; VALENZUELA, S.; VIEIRA, P. F. Epistemologia Ambiental. São Paulo: Ed. Cortez, p. 61-108, 2001.

LELIS, T. B. S. & SOARES, M. A. Ações em Educação Ambiental no Parque do Mendanha, Rio de Janeiro- RJ. Educação Ambiental em Ação, ano xv, n. 57, 2016.

LIGNANI, L. B.; FRAGELLI, C.; VIDAL, A. L. Unidades de conservação da cidade do Rio de Janeiro: serviços ambientais, benefícios econômicos e valores intangíveis. Revista Tecnologia & Cultura, n.13, p.17- 28, 2011.

MENDONÇA, D. J. F. & CÂMARA, R. J. B. Educação ambiental em unidades de conservação: um estudo sobre projetos desenvolvidos na APA do Maracanã. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia- SEGET, 2012.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE- MMA. Identidades da Educação Ambiental Brasileira. 160p, 2004.

MELAZO, G. C. Percepção ambiental e educação ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares & Trilhas, n. 6, p. 45-51, 2005.

MELO, B; SAMPAIO, V. T.; PINTO, D. C.; VERÇOZA, F. C. Nível de conscientização ambiental dos visitantes do Parque Natural Municipal de Marapendi, RJ, em relação à conservação da Borboleta-da-praia (Parides ascanius, Cramer, 1775). Revista Dissertar, v. 1, n. 28 e 29, p. 67-74, 2018.

MONTEIRO, G. M.; LOPES, T. N.; FERRÃO, A. C. D. J. A importância da educação ambiental em unidades de conservação – Caso Parque Natural Municipal De Marapendi, Anais do 5º Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade, 2016.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403, n. 6772, p. 853- 858, 2000.

NASCIMENTO, H. H. O.; MOREIRA, A. S.; SILVA, J. R. M. Educação ambiental em ação: o papel do ecoturismo em prol da sustentabilidade das unidades de conservação. REDE- Revista Eletrônica do PRODEMA, v. 12, n. 03, p. 62- 68, 2018.

PEDRINI, A. D. G. O contrato social da ciência: unindo saberes na educaçãoambiental. Petrópolis, RJ: Vozes, 268 p, 2002.

PEREIRA, A. B. Mata Atlântica: umaarbitragem geográfica. Nucleus, v. 6, n. 1, 2009.

PRADEICZUK, A.; RENK, A.; DANIELI, M. A. Percepção ambiental no entorno da unidade de conservação Parque Estadual das Araucárias. Revista Grifos, n. 38/ 39, p. 23- 32, 2015.

PRIMACK, R. B. & RODRIGUES, E. Biologia da Conservação. Planta. Londrina, 328p, 2001.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. 5º ed. São Paulo: Cortez, 2002.

REMPEL, C.; MÜLLER, C. C.; CLEBSCH. C. C.; DALLAROSA, J.; RODRIGUES, M. S.; CORONAS, M. V.; RODRIGUES, G. G.; GUERRA, T.; HARTZ, S. M. Percepção Ambiental da comunidade escolar municipal sobre a Floresta Nacional de Canela, RS. Revista Brasileira de Biociência, v. 6, n.2, p. 141- 147, 2008.

RESENDE, M. & LANI, J. L. Pedossistemas da Mata Atlântica: considerações pertinentes sobre a sustentabilidade. Revista Árvore, v. 26, n. 3, 2002.

RYLANDS, A. B. & BRANDON,K. Unidades de conservação brasileiras. Megadiversidade, v.1, n. 1, 2005.

SAMMARCO, Y. M. Educación ambiental y paisaje en los espacios naturales protegidos de Brasil: Contribuciones a la construcción del documento ENCEA (Estrategias Nacionales de Comunicación y EA para el SNUC). Educación ambiental: investigando sobre la práctica del Parques Nacionales, p. 202-225, 2009.

SILVA, J. M. C. & JUNQUEIRA, V. Educação e conservação da biodiversidade: uma escolha. In: JUNQUEIRA, V.; NEIMAN, Z. Educação ambiental e conservação da biodiversidade: reflexões e experiências brasileiras. Barueri, Manole. p. 35-48, 2007.

SILVA, R. B. C.; SILVA, R. M.; COSTA, J. M. N.; COSTA, A. C. L. Eficiência de uso da água e da radiação em um ecossistema de manguezal no estado do Pará. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 21, n. 3, p. 104-116, 2006.

SOUZA, P. C. & MARTOS, H. L. Estudo do uso público e análise ambiental das trilhas em uma unidade de conservação de uso sustentável: Floresta Nacional de Ipanema, Iperó- SP. Revista Árvore, v. 32, n. 1, p. 91- 100, 2008.

STREGLIO, C. F. C. & OLIVEIRA, I. J. Parques urbanos de Goiânia- GO: papel social e potencial turístico. Raega, v. 23, p. 317- 339, 2011.

TABARELLI, M.; PINTO, L. P.; SILVA, J. M. C.; HIROTA, M. M.; BEDÊ, L. C. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade, v. 1, n. 1, 2005.

TOMIAZZI, A. B.; VILLARINHO, F. M.; MACEDO, R. L. G.; VENTURIN, N. Perfil dos visitantes do Parque Natural Municipal do Mendanha, município do Rio de Janeiro- RJ. Revista Cerne, v. 12, n.4, p. 406-411, 2006.

TORRES, D. F. & OLIVEIRA, E. S. Percepção ambiental: instrumento para educação ambiental em unidades de conservação. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 21, 2008.

VARJABEDIAN, R. Lei da Mata Atlântica: retrocesso ambiental. Estudos avançados, v. 24, n. 68, p. 147-160, 2010.

VASCONCELLOS, A.; MÉLO, A. C.; SEGUNDO, E. M. V.; BANDEIRA, A. G. Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro. Iheringia, Série Zoológica, v. 95, n. 2, p. 127-131, 2005.

VAZ, D. M. S. Perfil dos visitantes do Parque Natural Municipal do Açude da Concórdia- Valença (RJ). Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 3, n. 1, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.