Fenologia da floração e frutificação do maracujazeiro amarelo sob cultivo orgânico no sudoeste amazônico / Flowering and frutification phenology of yellow passion fruit under organic cultivation in the southwest amazon

Nilciléia Mendes da Silva, Sebastião Elviro de Araújo Neto, Luís Gustavo de Souza e Souza, Thays Lemos Uchôa, Wagner de Moura Francisco, Geazí Penha Pinto, Regina Lúcia Félix Ferreira

Resumo


Conhecer a resposta do maracujazeiro aos efeitos das mudanças edafoclimáticas ao longo do seu ciclo e em todos os estádios do seu desenvolvimento é fundamental para estabelecer estratégias e técnicas mais adequadas, desde o plantio até o final da vida útil da cultura, para manter e ampliar os rendimentos físicos e econômicos. Nesse intuito, objetivou-se realizar a caracterização da fenologia de floração e frutificação do maracujazeiro em função da combinação de irrigação, polinização e cultivo protegido. O delineamento experimental foi em blocos casualizados em parcelas divididas (2 x 2 x 2) com oito tratamentos e quatro repetições contendo quatro plantas por unidade experimental. O ambiente protegido foi instalado na parte superior de cada espaldeiras, constituído de filme plástico aditivado transparente de 100 m como material para a cobertura. A irrigação foi do tipo micro aspersão e a polinização manual ou natural (entomófila). Avaliou-se: número médio de frutos por planta; Massa média de frutos; Sazonalidade da produção de frutos; taxa de frutificação; porcentagem de frutos abortados; taxa de refugo; número de flores por planta. Baseado neste experimento conclui-se que: o maracujazeiro não paralisa o florescimento e produção de frutos e há quatro picos de produção; A combinação da utilização da cobertura com filme plástico, polinização artificial e cultivo em sequeiro proporciona maior massa média dos frutos; A maior taxa de frutos abortados ocorre em março e nos meses de maio a julho ocorrem as maiores taxas de frutos com baixa qualidade comercial.


Palavras-chave


Ambiente protegido. Manejo da irrigação. Passiflora edulis Sims. Polinização.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, GQ, et al.2015.. Influência da iluminação artificial no florescimento dos parentais de híbridos de maracujá (Passiflora edulis). Multi-Science Journal, 1(2): p.117-123.

Barrera Júnior, WB, et al. 2020. Hand pollination and natural pollination by carpenter bees (Xylocopa spp.) in Passiflora edulis Sims. f. flavicarpa Deg. (yellow passion fruit). Journal of Apicultural Research, 59(5): 1-8.

Cavalcante, AG, et al. 2020. Physiology and production of yellow passion fruit with hydroabsorbent polymer and different irrigation depths. Revista Ceres, 67(5): 365-373.

Dias, MSC, et al., 2007. Maracujá (Passiflora spp.). In: PAULA JÚNIOR, T. J. de; VENZON, M. (Coord.). 101 culturas: manual de tecnologias agrícolas. Belo Horizonte: EPAMIG, p. 503-512.

Dutra, AF. 2018. Photochemical and productive performance of yellow passion fruit irrigated in the brazilian semiarid. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, 38(6): 901-909.

Esashika, DAS, 2019. Number of carpels in the pollination efficiency of sour passion fruit. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 41(6): (e-451).

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção agrícola municipal – culturas temporárias e permanentes. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2021.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. 2020. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2021.

Faleiro, FG, et al., 2019. Advances in passion fruit (Passiflora spp.) propagation. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 41(2): (e-155).

HOFFMANN, M. Polinização do maracujá amarelo Passiflora edulis f. flavicarpa Deg. In: SÃO JOSÉ, A.R. Maracujá: temas selecionados. Melhoramento, morte prematura, polinização e taxonomia. Porto Alegre: Cinco Continentes, 1997. p.58-70.

Koetz, M, 2010. Qualidade de frutos do maracujazeiro-amarelo em ambiente protegido e natural produzidos sob diferentes regimes de irrigação. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, Fortaleza, 4(2): 115-127.

Krause, W, 2012. Produtividade e qualidade de frutos de cultivares de maracujazeiro-amarelo com ou sem polinização artificial. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 47(12): 1737-1742.

Lage, LA, 2018. Morphometry, floral resources and efficiency of natural and artificial pollination in fruit quality in cultivars of sour passion fruit. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 40(3): (e-171).

Martarello, NS, 2021. Pollinator Efficacy in Yellow Passion Fruit (Passiflora edulis f. flavicarpa Deg., Passifloraceae). Neotropical Entomology, 50(2).

Negreiros, JRS, et al., 2008. Caracterização de frutos de progênies de meios-irmãos de maracujazeiro amarelo em Rio Branco – Acre. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 30(2): 431-437.

Santos, HG, 2013a. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3. ed. Brasília, DF: Embrapa, 354 p.

Santos, JLV, et al. 2012b. Determinação do ponto de colheita de diferentes cultivares de maracujá. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, 17(7):750-755.

Silva, NM, et al., 2020. Profitability of organic passion fruit production using tall seedlings and long root system. Revista Caatinga, Mossoró, 33(2): 341-348.

Silva, NM et al., 2018. Qualidade de mudas de maracujazeiro amarelo produzidas com substratos alternativos. Agropecuária Científica no Semiárido, Patos-PB, 14(2): 96-102.

Silveira, MV, et al., 2012. Is manual pollination of yellow passion fruit completely dispensable? Scientia Horticulturae, 146: 99–103.

Souza, SAM, 2012. Fenologia reprodutiva do maracujazeiro-azedo no município de Campos dos Goytacazes, RJ. Ciência Rural, Santa Maria, 42(10):1774-1780.

Uchôa, TL, et al., 2021a. Economic profitability of yellow passion fruit in organic cultivation under different input levels and irrigation. Comunicata Scientiae, 12: e3409.

Uchôa, TL, 2021b. Yield and quality of passion fruit under organic cultivation with input levels and irrigation in the state of acre. Revista Caatinga, Mossoró, 34(1):144-154.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n4-004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.