Natureza e socioambientalismo: As sociedades tradicionais do oeste baiano / Law, nature and socio-environmentalism: The traditional societies of western bahiano

Flávio Marcelo Rodrigues Bruno, Prudente Pereira de Almeida Neto, Rúbio José Ferreira, Raimundo Giovanni França Matos, Andyara Andreza Marques Morais

Resumo


Este estudo concebe a necessidade de esclarecer a comunidade regional sobre as sociedades e saberes tradicionais do bioma do cerrado no oeste baiano. Compreender os povos e suas culturas, o envolvimento socioambiental, as perspectivas jurídicas, agroecológicas e as inúmeras dimensões do desenvolvimento sustentável que se estão no entorno do próprio desenvolvimento do direito das sociedades tradicionais desta região. Para tanto o primeiro capítulo trata da relação entre o homem e a natureza, o segundo capítulo se contextualização a abordagem constitucional sobre o socioambientalismo, na sequência busca-se uma compreensão sobre o paradigma socioambiental da Carta Magna de 1988, no quarto capítulo abre-se um diálogo sobre o Direito Socioambiental e o Direito das Sociedades Tradicionais, e encerra o trabalho a apresentação do Oeste Baiano e suas populações e comunidades tradicionais, não encerrando a pesquisa mas demonstrando a dimensão do horizonte em que ela se manifesta. O trabalho reiterou a necessidade de esclarecer a comunidade regional do oeste da Bahia sobre as sociedades e saberes tradicionais do bioma do cerrado local. Compreendendo os povos e suas culturas, o envolvimento socioambiental, as perspectivas jurídicas, agroecológicas e as inúmeras dimensões do desenvolvimento sustentável que se estão no entorno do próprio desenvolvimento do direito das sociedades tradicionais desta região. Com o objetivo específico de tornar realidade as perspectivas de promoção e proteção do direito socioambiental e do desenvolvimento sustentável na região do oeste baiano, sobretudo às sociedades tradicionais locais.


Palavras-chave


Direito e Natureza; Direito Socioambiental; Desenvolvimento Sustentável; Socioambientalismo; Sociedades Tradicionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Margarita Florez. Proteção do conhecimento tradicional? In SANTOS, B. S. Semear outras soluções: o caminho da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 287-317.

AVIDOS, M. F. D., & FERREIRA, L. T. (2000). Frutos dos cerrados: preservação gera muitos frutos. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, 3(15), 36-41.

BENJAMIN, Antônio Herman: Constitucionalização do ambiente e ecologização da Constituição Brasileira: In Direito Constitucional Ambiental Brasileiro, José Joaquim Gomes Canotilho, José Rubens Morato Leite, org. – 3. Ed. Ver. – São Paulo, Saraiva, 2010.

BERTOLDI, Márcia Rodrigues; SPOSATO, Karyna Batista. Instrumentos de proteção dos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 12, n. 12, p. 75-93, julho/ dezembro de 2012.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos; MIRANDA, Sabrina do Couto de. Biodiversidade do Cerrado: sustentabilidade e saberes indígenas. Élisée, Rev. Geo. UEG – Anápolis, v.4, n.1, p.53-67, Jan./jun. 2015.

BOFF, Leonardo. A opção-Terra: a solução para a Terra não cai do céu. Rio de Janeiro: Record, 2009.

__________. Princípio-Terra: a volta à Terra como pátria comum. São Paulo: Atlas, 1995.

BRANDÃO, Paulo Roberto Baqueiro. A formação territorial do Oeste Baiano: a constituição do “Além São Francisco” (1827-1985). GeoTextos, vol. 6, n. 1, jul. 2010.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

_________. Decreto nº 6.040, de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 fev. 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em: 06 maio 2018.

BRUNO, Flávio Marcelo Rodrigues. Manuscritos de Direito Socioambiental: sobre o Buen Vivir, a Cidadania Socioambiental, os Créditos de Carbono, e os limites da Bioética. North Charleston (USA): Amazon, 2015.

CARVALHO, Fábia Ribeiro Carvalho de; LELIS, Acácia Gardênia Santos. A conquista de um espaço para a cata da magaba em meio a omissões e tropeços. In: SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de; SILVA, Liana Amim Lima da; WINADSCHEER, Clarissa Bueno. Biodiversidade, espaços protegidos e populações tradicionais. Curitiba: Letra da Lei, 2013.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

DINIZ, José Alexandre Felizola. A área centro-ocidental do Nordeste. Recife: Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, 1982.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C.. Diversidade alfa e beta no cerrado sensu stricto, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Bahia. p.143-154. In: SCARIOT, A.; BARBOSA, A. S. Cerrado: “dor fantasma” da biodiversidade brasileira. In: Entrevista à Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Ed. 382. São Leopoldo, 28 de novembro de 2011 p. 11-15.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 4. ed. ampl. São Paulo: Saraiva, 2003.

FONSECA, F. Eduardo. A Convergência entre a Proteção Ambiental e a Proteção da Pessoa Humana no Âmbito do Direito Internacional. Revista Brasileira de Política Internacional (Impresso), v. 50, p. 121-138, 2007.

FURLEY, P. A.; PROCTOR, J.; RATTER, J. A. Nature and dynamics of forestsavanna boundaries. Chapman & Hall, London.Furley, P.A. & Ratter, J.A. 1988. Soil resources and plant communities of the central Brazilian cerrado and their development. Journal of Biogeography 15(1): 97-108, 1992

GOLDEMBERG, José. Depoimento. [06 de junho de 2012]. Entrevista concedida a WWF. Disponível em: . Acesso em 22 de março de 2018.

MARUDI, Sandra Mára Ribeiro . O Direito Ambiental no Brasil. Notas de conjuntura da ESPM Publicação de responsabilidade do Depto. de Economia e Direito da ESPM. 2009

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Bahia, século XIX: uma província no Império. 2ª ed. Tradução Yedda de Macedo Soares. Rio de Janeiro – RJ: Editora Nova Fronteira S.A., 1992.

MORIN, Edgar. A via para o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand

Brasil, 2013.

__________; KERN, Anne Brigitte. Terra-Pátria. Tradução de Paulo Neves da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MOTA, Maurício. Princípio da Precaução no Direito Ambiental: uma construção a partir da razoabilidade e da proporcionalidade. In. Revista Brasileira de Direito do Petróleo Gás e Energia. V.2. CEDPETRO, 2006.

OLIVEIRA, N. L.; FREITAS, R. C. J.; MIRANDA, S. C. Importância e a contribuição de von martius para o conhecimento da flora arbórea do cerrado. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais – UEG/Câmpus de Iporá, v.3, n. 2, p. 22-43 – jul/dez 2014.

OMETTO, A. M. H. ; FURTUOSO, M. C. O. ; SILVA, M. V. . Economia brasileira na década de oitenta e seus reflexos nas condições de vida da população. Revista de Saúde Pública / Journal of Public Health, São Paulo, v. 29, n. 5, p. 403-414, 1995.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 2012.

RESENDE, Augusto César Leite de. A proteção jurídica dos conhecimentos tradicionais: um olhar através do patrimônio cultural imaterial. In: SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de; SILVA, Liana Amim Lima da; WINADSCHEER, Clarissa Bueno. Biodiversidade, espaços protegidos e populações tradicionais. Curitiba: Letra da Lei, 2013.

SANTOS, Clóvis Caribé Menezes dos. Os cerrados da Bahia sob a lógica do Capital. Revista IDeAS, v. 2, n. 1, p. 76-108, jan.-jun. 2008.

__________; VALE, Raquel. Oeste da Bahia: trilhando velhos e novos caminhos do além, São Francisco. Feira de Santana UESFS editora, 2012.

TOYNBEE, Arnold. A humanidade e a Mãe-Terra: uma história narrativa do mundo. Tradução de Helena Maria Camacho Martins Pereira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

YOSHIDA, Consuelo Yatsuda Moromizato. Critérios de definição de competências em matéria ambiental na estrutura federativa brasileira. In: RASLAN, Alexandre Lima (Org.). Direito ambiental. Campo Grande: UFMS, 2010, p. 219-243.

_________. Competências legislativa, administrativa e judicial em matéria ambiental: tendências e controvérsias. In: CAMPELLO, Lívia Gaigher Bósio (Org.). Direito ambiental no século XXI: efetividade e desafios. Belo Horizonte: Arraes, 2014. p. 29-74.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.