A Relação de Confiança no Arranjo Produtivo Local (APL) de Confecção e Artefatos de Algodão Colorido da Paraíba / The Relationship of Trust within the Local Production Arrangement of Clothing and Colorful Cotton Artifacts from Paraíba

Débora Mara Correa de Azevedo, Verônica Schmidt

Resumo


As empresas do setor têxtil têm buscado matérias-primas produzidas em sistemas de produção menos agressivas ao meio ambiente. Nesse contexto, o algodão naturalmente colorido se mostra como uma opção a indústrias e consumidores preocupados com os danos causados ao meio ambiente, especialmente porque essa qualidade de algodão traz alternativas tanto à fase de produção, quanto à de beneficiamento. No Brasil, o algodão naturalmente colorido tem a sua principal produção no Estado da Paraíba, onde está localizado o Arranjo Produtivo Local (APL) das Confecções e Artefatos de Algodão Colorido. O presente estudo tem o objetivo de analisar o constructo confiança no APL do algodão colorido da Paraíba. Para atingir este objetivo foram coletados dados no Estado da Paraíba, mediante entrevistas, aplicação de questionário e observação. Os dados coletados e analisados indicaram que nas empresas de maior projeção a confiança aparece com mais força do que entre os artesãos que não trabalham com confecção de roupas, demonstrando a existência de oportunismos


Palavras-chave


fibra alternativa, relacionamentos, aglomeração.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, P.F. Nova economia institucional referencial geral e aplicações para a agricultura. Agriculturas, v.47, n.1, p.33-52, 2000.

BEGNIS, H.S.M.; ESTIVALETE V.; PEDROZO. E. Trust, opportunistic behavior and contract breakdowns in the south brazilian tobacco chain. Gestão & Produção, v.14, n.2, p.311-322, maio/ago. 2007.

BREI, V.A.; ROSSI, C.A.V. Confiança, valor percebido e lealdade em trocas relacionais de serviço: um estudo com usuários de Internet Banking no Brasil. Revista de Administração contemporânea, v.9, n.2, p.145-168, Apr./June. 2005.

CAO, M.; ZHANG, Q., Supply chain collaboration: impact on collaborative advantage and firm performance. Journal of Operations Management, Amsterdam, v. 29, n. 3, p. 163 - 180, 2011.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pe¬quenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. (Org.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003

COSTA, A.; COSTA, B. Cooperação e capital social em arranjos produtivos locais. In: Encontro Nacional de Economia, 33., 2005. Natal. Anais... Natal: ANPEC, 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2016.

CUNHA, C.R.; MELO, M.C.O.L. A confiança nos relacionamentos interorganizacionais: o campo da biotecnologia em análise. RAE electron, v.5, n.2, 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2018.

CUNHA, J.A.C.; TERRA, L.A. A. Diferenciando os clusters dos arranjos produtivos locais. Ciências sociais Aplicadas em Revista, v.8, n.15, p.09-25, 2008.

DIAS. R.M. Redes estratégicas: A influência do capital social na formação do capital intelectual de empresas focais. 2009. 232f. Tese (Doutorado) - Escola Brasileira de Administração Pública e Empresarial, Fundação Getulio Vargas. Rio de Janeiro, 2009.

FARINA, E.M.M.Q.; AZEVEDO, P.F.; SAES, M.S.M. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Ed. Singular, 1997.

GASPAR, M.A.; BORGATO, F.; LIMA, I.C. Estratégia de atuação em rede de negócios: estudo de caso no pequeno varejo de alimentos. Revista da Micro e Pequena Empresa, v.1, n.3, p.3-16, 2013.

GULATI, R. Alliances and Networks. Strategic Management Journal, v.19, n.4, p.293-317, 1998.

KLEIN, L.L.; PEREIRA, B.A.D. Compreendendo a integração interorganizacional: quais as

mudanças que ocorrem na empresa devido a sua entrada em uma rede? Revista Gestão & Planejamento, v.14, n.3, p.560-579, 2013.

LOPES, F.D.; BALDI, M. Laços sociais e formação de arranjos organizacionais cooperativos: proposição de um modelo de análise. Revista de Administração Contemporânea, v.9, n.2, p.81-101, 2005.

MARQUES, A.; COELHO, A. Os antecedentes da confiança e do compromisso relacional. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v.6, n.14, p.67-75, 2004.

PERROW, C. Small-firms networks. In: Nohria, N.; Eccles, R. G. (Eds.). Networks and organizations: structure, form, and action. Cambridge: Harvard University Press, 1992.

SACOMANO NETO, M.; TRUZZI, O.M.S. Posicionamento estrutural e relacional em redes de empresas: uma análise do consórcio modular da indústria automobilística. Gestão da Produção, v.16, n.4, p.598-611, out./dez. 2009.

SHEPPARD, B.H.; SHERMAN, D.M. The grammars of trust: a model and general implications. Academy of Management Review, v.23, p.422-437, 1998.

SILVA, L.C. Cadeia produtiva de produtos agrícolas. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2017.

SOUZA, M.C.M. A produção de têxteis de algodão orgânico: uma análise comparativa entre o subsistema orgânico e o sistema agroindustrial convencional. Agricultura em São Paulo, v.47, n.2, p.83-104, 2000.

VELUDO, M.L.; MACBETH, D.; PURCHASE, S. Framework for relationships and networks. Journal of Business & Industrial Marketing, v.1, n.4, p.199-207, Aug. 2006.

VERSCHOORE, J.R.S; BALESTRIN, A. Ganhos competitivos das empresas em redes de cooperação. RAUSP Revista de Administração, v.1, n.1, 2008.

VILHA, A.P.M.; CARVALHO, R.Q. Desenvolvimento de novas competências e práticas de gestão da inovação voltadas para o desenvolvimento sustentável: estudo exploratório da Natura. Cadernos EBAPE.BR, v.3, n.esp., p.1-15, 2005.

ZAHEER, A.; MCEVILY, B.; PERRONE, V. Does trust matter? Exploring the effects of interorganizational and interpersonal trust on performance. Organization Science, v.9, n.2, p.141-159, 1998.

ZHANG, X.; CHEN, R. Examining the mechanism of the value co-reation with customers. International Journal of Production Economics, v.116, n.2, p.242-250, 2008.

ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições. 1995. 238 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação do Departamento de Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-077

Apontamentos

  • Não há apontamentos.