Fenologia reprodutiva do cumarú (Dipteryx odorata) para uso em sistemas silvipastoris / Reproductive phenology of cumarú (Dipteryx odorata) for use in silvopastoral systems

Gladys Beatriz Martínez, Jonas da Silva Costa, Arystides Resende Silva

Resumo


O cumaru (Dipteryx odorata) em sistemas integrados é uma opção de árvore de grande potencial mercadológico. As árvores proporcionam benefícios ao sistema, tanto de ordem técnica, quanto econômica e ambiental. Este estudo objetivou caracterizar a fenologia reprodutiva e vegetativa do Cumarú em sistemas silvipastoris. O estudo foi realizado no Município de Belterra-PA em 50 indivíduos dessa espécie. As fenofases estudadas são: floração (botão floral e flor), frutificação (frutos verdes, maduros, ocos e dispersão) e mudanças foliares (folhas novas, maduras e desfolha). A renovação do dossel da espécie teve a queda foliar como um evento contínuo, porém com a permanência de folhas maduras, mantendo sombreamento durante o ano todo, sendo benéfico para sistemas de integração Pecuária-Floresta (IPF) pela redução do estresse pelo excesso luminoso. A floração do cumaru não mostrou sazonalidade para a temperatura e precipitação, porém apresentou dois picos, em janeiro-fevereiro, época chuvosa e setembro-outubro, época seca.  Sazonalidade foi identificada para a frutificação (frutos verdes) durante o período chuvoso, de janeiro a julho. E para frutos maduros, a transição do período chuvoso para o seco. A dispersão de sementes ocorreu no período seco, uma estratégia para melhor utilizar os agentes de polinização e dispersão. O amplo período de dispersão de frutos e a sincronia entre os indivíduos da espécie estudada podem facilitar a coleta de sementes.


Palavras-chave


cumaru (Dipteryx odorata), sistemas ILPF, Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


BALBINO, L. C.; BARCELLOS, A. O.; STONE, L. F. (Ed.). Marco Referencial: integração lavoura-pecuária-floresta. Brasília, DF: Embrapa, 2011. 130 p.

BENCKE, C.S.C.; MORELATTO, P. C. Comparação de dois métodos de avaliação da fenologia de plantas, sua interpretação e representação. Revista Brasileira de Biologia, v. 25, n.3, p.269-275, 2002.

BRASIL NETO, A. B.; BRASIL, N. M. de Q. X.; ANDRADE, P. I. L. de; SAMPAIO, A. C. F.; NORONHA, N. C.; CARVALHO, E. J. M.; SILVA, A. R.; SCHWARTZ, G. The commercial tree species Dipteryx odorata improves soil physical and biological attributes in abandoned pastures. Ecological Engineering, v. 160, Article 106143, Feb. 2021. Short communication.

CARVALHO, P. E. R. Cumaru-Ferro Dipteryx odorata. Embrapa Florestas, Comunicado Técnico, n. 225, Colombo–PR, 2009. 8p.

EMBRAPA FRORESTAS. Cumaru-Ferro Dipteryx odorata. Colombo: Embrapa Florestas, 2009. 8p. (Embrapa Florestas. Comunicado Técnico, 225). Disponível em: http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPF-2010/46374/1/CT225.pdf. Acesso em: 30 jun. 2015.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (Embrapa). Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.

FOURNIER, L. A.; CHARPANTIER, C. El tamano de la amostra y la frecuencia de las observaciones en el estudio de las características fenológicas de los árboles tropicales. Turrialba, v.25, n.1, p. 45-483, 1975.

INMET. Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa-BDMEP. Brasília: INMET. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep. Acesso em: 28 jun 2015.

RÊGO, L. J. S.; SILVA, M. L.; SILVA, L. F.; GAMA, J. R. V.; REIS, L. P. Comercialização da amêndoa de cumaru nos municípios de Santarém e Alenquer, leste da Amazônia. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, v.8, n.3, p.338-361, 2016.

SCHONGART, J.; PIEDADE, M.T.F.; LUDWIGSHAUSEN, S.; HORNA, V.; WORBES, M. Phenology and stem-growth periodicity of tree species in Amazonian floodplain forests. Journal of Tropical Ecology, v.18, p.581-597, 2002.

SILVA, T. M.; JARDIM, F. C. S.; SILVA, M. S.; SHANLEY, P. O Mercado de amêndoas de Dipteryx odorada (CUMARU) no Estado do Pará. Floresta, Curitiba, PR, v. 40, n. 3, p. 603-614, jul./set. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-075

Apontamentos

  • Não há apontamentos.