Aedes aegypti e doenças relacionadas: Uma revisão histórica e biológica / Aedes aegypti and related diseases: A historical and biological review

Luana Ponciano de Lima, Elaine Machado Da Silva, Alex Sandro Barros de Souza

Resumo


O Aedes aegypti, é natural de florestas tropicais do continente Africano, e sua distribuição pelo planeta ocorreu principalmente devido a escravidão do povo africano, e apenas está presente nas áreas tropicais do globo, onde possuem o mesmo bioma e temperatura. A fêmea é a única que se alimenta com sangue humano, que é essencial para a nutrição dos ovos, adquirindo deste modo, a arbovirose que aquela pessoa possui, já que os mosquitos não nascem infectados, adquirem o vírus. As arboviroses disseminadas pelo vetor Aedes aegypti apesar de conhecidas, não se tem informações de uma forma eficaz pela população. Diante do exposto, o objetivo deste artigo é fornecer uma profunda revisão a respeito do vetor e suas doenças, podendo assim contribuir positivamente para o conhecimento e prevenção do mesmo.


Palavras-chave


Arbovirose, fatos, vetor, fêmea.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHEE NICOLE L. et al. Alternative strategies for mosquito-borne arbovirus control. Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0006822 . Acesso em: 5 de out de 2020.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Combate ao mosquito Aedes aegypti. Disponível em: http://www.ans.gov.br/prevencao-e-combate/combate-ao-mosquito-aedes-aegypti#rodape. Acesso em: 20 de ago de 2019.

AJUZ; VESTENA. Influência da pluviosidade e temperatura ambiente na longevidade e fecundidade dos Aedes aegypti e albopictus na cidade de Guarapuava- PR e possibilidade de superinfestação. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/19688/14803. Acesso em: 12 de dez de 2020.

BUSCATO, M; RODRIGUES H. A. Porque estamos perdendo a guerra contra o Aedes aegypti. 2016. Disponível em: https://epoca.globo.com/vida/noticia/2016/02/por-que-estamos-perdendo-guerra-contra-o-aedes-aegypti.html .Acesso em: 5 de out de 2020.

BOLONEZI J. Você conhece mesmo a dengue? Blog da saúde. 2018. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53624-voce-conhece-mesmo-a-dengue . Acesso em: 5 de out de 2020.

BOLONEZI, J. Como é conviver com as dores da chikungunya? 2019. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53717-como-e-conviver-com-as-dores-da-chikungunya . Acesso em: 11 de out de 2020.

BRAGA; VALLE. Aedes aegypti: Histórico e controle no Brasil. 2007. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?pid=S1679-49742007000200006&script=sci_arttext&tlng=en. Acesso em: 11 de dez de 2020.

BRAZ, E. Combate ao Aedes aegypti: Mitos e verdades sobre o mosquito. Blog da saúde. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/combate-ao-aedes/53140-combate-ao-aedes-mitos-e-verdades-sobre-o-mosquito . Acesso em: 28 de set. 2020

CABRAL, Cibelle Mendes et al. Descrição clínico-epidemiológica dos nascidos vivos com microcefalia no estado de Sergipe, 2015. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ress/2017.v26n2/245-254/ . Acesso em: 12 de dez de 2020.

CABRINI, I, ANDRADE, S.F.C. Telas mosquiteiros como fator de proteção contra picadas de mosquito. 2006. Disponível em: https://www2.ib.unicamp.br/profs/eco_aplicada/arquivos/artigos_tecnicos/Telas%20Mosquiteiro.pdf . Acesso em: 11 de out de 2020.

CAPURRO, Margareth. Saiba porque o Aedes aegypti é tão eficaz para transmitir doenças. Disponível em: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/01/saiba-por-que-o-aedes-aegypti-e-tao-eficaz-para-transmitir-doencas.html. Acesso em: 24 de set de 2020.

CENTERS FOR DISEASE AND PREVENTION. Orientação clínica para profissionais de saúde para prevenir a transmissão sexual do zika vírus, 2019. Disponível em: https://portugues.cdc.gov/zika/hc-providers/clinical-guidance/sexualtransmission.html#:~:text=Uma%20pessoa%20com%20zika%20pode,saliva%2C%20urina%20e%20leite%20materno. Acesso em: 27 de set de 2020.

CONSOLI, R. A.G.B; OLIVEIRA, R.L. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Reimpressão. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998.

DALBEM, G.A et al. Dengue clássica e febre hemorrágica da dengue: etiologia, fisiologia, epidemiologia e fatores de risco. Mato Grosso. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/60/48 . Acesso em: 5 de out. 2020.

DA SILVA, Clenivaldo Pires et al. Os riscos ambientais no Brasil devido ao uso do defensivo Malathion Emulsão Aquosa-EA 44% no controle de Aedes Aegypti (Linnaeus, 1762)(díptera; culicidae): uma revisão. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 2020. Disponível em: http://www.sustenere.co/index.php/rica/article/view/4462 . Acesso em: 13 de jul. 2020.

DIAS, Lívio. Zika Vírus: sintomas, tratamentos e causas. 2020. Disponível em: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/zika-virus. Acesso em: 11 de out de 2020.

DINIZ, D. Vírus Zika e mulheres. 2016. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/2016.v32n5/e00046316/. Acesso em: 17 de dez de 2020.

FARIA, Ana Carolina, et al. Chikungunya: Manejo Clínico. 2017. Disponível em: http://sierj.org.br/artigos/chikungunya-novo-protocolo.pdf . Acesso em: 13 de dez de 2020.

FERREIRA, Fátima Cristiane Pinho de Almeida Di Maio. Febre Chikungunya em Gestantes e Recém-Nascidos: Revisão Sistemática da Literatura e Relato de Casos no Estado do Rio de Janeiro. 2018. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/26855#:~:text=Avaliamos%20a%20literatura%20dispon%C3%ADvel%20sobre,escassos%20os%20estudos%20desses%20neonatos. Acesso em 5 de out de 2020.

FIOCRUZ. Chikungunya: sintomas, transmissão e prevenção, 2018a. Disponível em:https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/chikungunya-sintomas-transmissao-e-prevencao. Acesso em: 28 de set de 2020.

FIOCRUZ. Como ocorre a transmissão do vírus zika? 2019. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/pergunta/como-ocorre-transmissao-do-virus-zika. Acesso em: 27 de set de 2020.

FIOCRUZ. Zika: sintomas, transmissão e prevenção, 2018b. Disponível em: https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/zika-sintomas-transmissao-prevencao-5. Acesso em: 11 de out de 2020.

FRANCO, Odair. História da febre amarela no Brasil , 1969. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0110historia_febre.pdf. Acesso em: 09 de set de 2020.

FREITAS, Keilla. Infecção pelo vírus Chikungunya, 2017. Disponível em: https://www.drakeillafreitas.com.br/infeccao-pelo-virus-chikungunya/. Acesso em: 28 de set de 2020.

HOJE EM DIA. Sobe para 213 número de casos de febre amarela no Brasil; com 81 mortes. 2018. Disponível em: https://www.hojeemdia.com.br/primeiro-plano/brasil/sobe-para-213-n%C3%BAmero-de-casos-de-febre-amarela-no-brasil-com-81-mortes-1.593526/febre-amarela-sintomas-1.593557. Acesso em: 09 de set de 2020.

INSTITUTO OSWALDO CRUZ. Conheça o comportamento do mosquito Aedes aegypti, 2008. Disponível em:

http://www.fiocruz.br/ioc/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=571&sid=32. Acesso em: 09 de set de 2020.

INTERFACE COMUNICAÇÃO. Adolescente sugere troca de fonte dos impressos para fazer economia. 2020. Disponível em: https://interfacecomunicacao.com.br/adolescente-sugere-troca-de-fonte-dos-impressos-para-fazer-economia/. Acesso em: 26 de out de 2020.

JOHNS HOPKINS MEDICINE. O que é Microcefalia? Disponível em: https://www.hopkinsmedicine.org/virus-da-zika/microcefalia.html. Acesso em: 27 de set de 2020.

KASPRZYKOWSKI, José I; FUKUTANI, Kiyoshi F; FABIO, Helton; FUKUTANI, Eduardo R; COSTA, Larissa C; ANDRADE, Bruno B; QUEIROZ, Artur T.L. Um sistema de vigilância de triagem de subtipagem recursiva detecta o surgimento da linhagem africana do ZIKV no Brasil: Há risco de nova epidemia? International Journal of Infectious Diseases 96 (2020) 579–581. Disponível em: https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(20)30397-0/fulltext. Acesso em: 07 de jun de 2021.

LESSER, E; KITRON, U. A geografia social do Zika no Brasil. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142016000300167&script=sci_arttext. Acesso em: 17 de dez de 2020;

LUZ, Kleber Giovanni; SANTOS, Glauco Igor Viana dos; VIEIRA, Renata de Magalhães. Febre pelo vírus Zika. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ress/2015.v24n4/785-788/pt/. Acesso em: 11 de out de 2020.

MAGALHÃES, Lana. Zika. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/zika/. Acesso em: 27 de set de 2020.

MÉDICOS SEM FRONTEIRAS. Chikungunya, 2018a. Disponível em: https://www.msf.org.br/o-que-fazemos/atividades-medicas/chikungunya. Acesso em: 11 de out de 2020.

MÉDICOS SEM FRONTEIRAS. Febre Amarela, 2018b. Disponível em: https://www.msf.org.br/o-que-fazemos/atividades-medicas/febre-amarela. Acesso em: 20 de fev. de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Chikungunya: Manejo Clínico. 2ª edição – 2017 – Versão eletrônica. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/25/chikungunya-novo-protocolo.pdf. Acesso em: 07 de jul de 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dengue: sintomas, causas, tratamento e prevenção. 2019. Disponível em: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/dengue. Acesso em: 14 de ago de 2019.

MORAES, Denise. Dengue é o fim da picada! 2008. Disponível em: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=968&sid=8. Acesso em: 08 de jul de 2021.

NATAL, D. Bioecologia do Aedes aegypti. 2002. Disponível em: https://www.feis.unesp.br/Home/DTADM/STDARH/EquipedeDesenvolvimento/documentos/dengue/dengue%20-%20bioecologia.pdf. Acesso em: 12 de dez de 2020.

OLIVEIRA, Consuelo Silva. Microcefalia e vírus zika, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572016000200103&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 18 de Ago de 2019.

OLIVEIRA, Luís Filipe Roriz Jacomossi de, et al. Avaliação de expressão de marcadores imunológicos na febre hemorrágica da dengue, 2017. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/viewFile/8379/5203. Acesso em: 10 de ago de 2019.

PEDROSA, Leyberson. Aedes e pernilongos: Saiba a diferença. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-02/aedes-e-pernilongo-conheca-diferencas. Acesso em: 25 de set, 2019.

PALMA, Ana; OLIVEIRA, Miguel. Diagnóstico da dengue. Disponível em: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=espanol&infoid=1429&sid=8. Acesso em: 13 de jul de 2021.

PEREIRA, Ana Paula. Zika vírus: aspectos gerais e saúde pública. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/anaisdemedicina/article/view/15945. Acesso em: 03 de out de 2020.

REIS, Barbosa C.; ANDRADE, O.M.S.; CUNHA, V.R. Responsabilização do outro: Discurso de enfermeiros da estratégia de saúde da família sobre ocorrência de dengue. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672013000100011&script=sci_arttext . Acesso em: 28 de set 2020.

RITCHIE, S.A et al. A lethal ovitrap based mass trapping scheme for dengue control in Australia: I. Public acceptability and performance of lethal ovitraps. 2009 Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1365-2915.2009.00833.x . Acesso em: 5 de out de 2020.

SALGE, Ana Karina Marques et al. Infecção pelo vírus Zika na gestação e microcefalia em recém nascidos: revisão integrativa de literatura, 2016. Disponível em:https://repositorio.bc.ufg.br/bitstream/ri/11275/1/Artigo%20-%20Ana%20Karina%20Marques%20Salge-%202016.pdf . Acesso em: 27 de set de 2019.

SANGHI, SUNIT.; KISSOON, N.; BANSAL, A. Dengue e dengue hemorrágica: Aspectos do manejo na unidade de terapia intensiva. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572007000300004&script=sci_arttext&tlng=es . Acesso em: 3 de out de 2019.

SANTOS, Maria Tereza. Quais são as complicações do chikungunya? 2018. Disponível em: https://saude.abril.com.br/medicina/quais-sao-as-complicacoes-do-chikungunya/. Acesso em: 11 de out de 2020.

SECRETARIA DA SAÚDE. Zika Vírus e Microcefalia. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/zika-virus-e-microcefalia. Acesso em: 03 de out de 2020.

SILVA, Antônia Letícia Pesenti; SPALDING, Silvia Maria. Vírus zika-Epidemiologia e diagnóstico laboratorial. 2018 Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/2357. Acesso em: 27 de set de 2020.

SOUZA, Luiz José de. Dengue, Zika e Chikungunya: diagnóstico, tratamento e prevenção. 1. Ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. FEBRE AMARELA - INFORMATIVO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. Disponível em: https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/125/2017/02/FA_-_Profissionais_13fev.pdf. Acesso em: 21 de fev. de 2020.

TOURINHO, Raiza. Estudo identifica circulação de nova linhagem da zika no Brasil. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/estudo-identifica-circulacao-de-nova-linhagem-da-zika-no-brasil. Acesso em: 03 de out de 2020.

VARELLA, Drauzio. Zika virus | Origem, 2016a YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NWvkpEg1TN0. 2016 Acesso em: 03 de out de 2020. 0:17.

VARELLA, Drauzio. Sintomas da dengue, 2016b. Youtube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9e99C-Om8wc&list=TLPQMDQxMDIwMjDpyvKKZg3faw&index=2 . Acesso em: 4 de outubro, às 11:17. 2016

VASCONCELOS, Pedro Fernando da Costa. Febre amarela, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0037-86822003000200012&script=sci_arttext. Acesso: 15 de fev. de 2020.

ZARA, A. S. L. A, et al. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão, 2016. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S2237-96222016000200391&script=sci_arttext. Acesso em 13 de ago de 2019.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.