Uma reflexão da racionalidade a partir do filme radioactive: concretização do estado democrático de direito ambiental no Brasil? / A reflection of rationality from the radioactive film: Achievement of the democratic state of environmental law in Brazil?

Patrícia Karinne de Deus Ciríaco, Andressa de Figueiredo Farias

Resumo


Neste artigo, a partir do recurso estético proporcionado pela linguagem audiovisual do filme Radioactive, e com a intenção de que a arte analisada sob o ponto de vista do direito provoque possível mudança de mentalidade no leitor, demonstrou-se a crise verificada com a mentalidade positivista moderna, essa norteadora da racionalidade econômica, consumerista e tecnológica de coisificação e superexploração da natureza. Em seguida, com a virada propiciada pela nova racionalidade ambiental, fundada no pensamento crítico que (re)funcionalizou os direitos da natureza em prol da vida e através de uma política ética ambiental, convivencial e sustentável, que admite a realidade a partir da complexidade, discorreu-se sobre a consagração legal e constitucionalizada do Estado Democrático de Direito Ambiental no Brasil, para, em seguida, responder se diante da atual conjuntura vivenciada por esse Estado Ambiental há, de fato, a sua concretização. A metodologia utilizada consiste em uma pesquisa bibliográfica, documental, pura, exploratória e qualitativa. Concluiu-se que há a necessidade de o Estado brasileiro implementar políticas públicas capazes de conciliar a proteção ao meio ambiente e o desenvolvimento econômico e sustentável, de modo que haja a concreta efetivação de um Estado Democrático de Direito Ambiental.


Palavras-chave


Radioactive. Linguagem audiovisual. Estado Democrático de Direito Ambiental. Meio Ambiente. Racionalidade Ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, Alexandra. Direito Constitucional do Ambiente na União Européia. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional Ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva. 2007.

ARAÚJO, Liane Maria Santiago Cavalcante; TASSIGNY, Mônica Mota. MEIO AMBIENTE, SAÚDE E UNIVERSIDADE NO PERÍODO PÓS-PANDEMIA: DAS CAPACIDADES INDIVIDUAIS AOS DIREITOS DO SER COLETIVO. In: A racionalidade ambiental, o diálogo dos saberes e o papel da universidade. POMPEU, Gina Vidal Marcílio; POMPEU, Randal Martins (Orgs). Porto Alegre, RS: Editora Fundação Fênix, 2020, p. 73-96.

BENJAMIN, Antônio Herman. Ordem pública ambiental constitucionalizada e Estado de Direito Ambiental. In: Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 6. ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. São Paulo: Saraiva, 2018.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm. Acesso em: 24 maio 2021.

BRASIL. Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor). Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078compilado.htm. Acesso em: 24 maio 2021.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes; LEITE. José Rubens Morato (Org.). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2011.

CANOTILHO, J. J. G. Juridicização da ecologia ou ecologização do direito. Revista Jurídica do Urbanismo e do Ambiente, Coimbra, n. 4. 1995.

CRUZ P. M.; ZENILDO, B. O novo paradigma do direito na pós-modernidade. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, São Leopoldo, v. 3, n. 1. 2011.

CUNHA, Belinda Pereira da. SABERES AMBIENTAIS: A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO CIENTÍFICO DE LEFF PARA A CONSTRUÇÃO DE NOVOS PARADIGMAS. In: A racionalidade ambiental, o diálogo dos saberes e o papel da universidade. POMPEU, Gina Vidal Marcílio; POMPEU, Randal Martins (Orgs). Porto Alegre, RS: Editora Fundação Fênix, 2020, p. 19-33.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. CONTE, Christiany Pegorari. Crimes Ambientais. São Paulo: Saraiva, 2012.

FREITAS, Alessandra Demite Gonçalves de; LEITE, Nildes Raimunda Pitombo. Linguagem fílmica: uma metáfora de comunicação para a análise dos discursos nas organizações. Rev. Adm. (São Paulo), São Paulo, v. 50, n.1, p. 89-104, Mar. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-21072015000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 maio 2021.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental: Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade, Poder. Petrópolis: Vozes, 2009.

LEFF, Enrique. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. A REAPROPRIAÇÃO SOCIAL DA NATUREZA: A INVENÇÃO DE UMA RACIONALIDADE AMBIENTAL. Prefácio. In: LEFF, Enrique. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006, p. 11-14.

MORAIS, José Luís Bolzan de. Do Direito Social aos Interesses Transindividuais: o Estado e o direito na ordem contemporânea. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1996.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Tradução Eliane Lisboa. Porto alegre: Sulina, 2005.

MORIN, Edgar; VIVERET, Patrick. Como viver em tempo de crise? Tradução Clóvis Marques. 1 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Transformando o Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (A/70/L.1), de setembro de 2015. Disponível em: http://www.agenda2030.com.br/. Acesso em: 14 dez. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Declaração do diretor-geral sobre a reunião do Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional (2005) sobre o novo coronavírus (2019 n-CoV). Publicado em 30 jan. 2020. Disponível: https://www.who.int/dg/speeches/detail/who-director-general-s-statement-on-ihr-emergency-committee-on-novel-coronavirus-(2019-ncov). Acesso em: 27.05.2020.

POMPEU, Gina Vidal Marcílio; POMPEU, Randal Martins. DESENVOLVIMENTO HUMANO E CRISE CIVILIZATÓRIA: A SAÚDE COMO BEM COMUM. In: A racionalidade ambiental, o diálogo dos saberes e o papel da universidade. POMPEU, Gina Vidal Marcílio; POMPEU, Randal Martins (Orgs). Porto Alegre, RS: Editora Fundação Fênix, 2020, p. 35-72.

RADIOACTIVE. [S.I.]: Working Title Films e Studio Canal, 2019. P&B. Disponível em: https://www.netflix.com/br/. Acesso em: 25 maio 2021.

RODOTÀ, Stefano. Transformações do corpo. Trad. Maria Celina Bodin de Moraes. Revista Trimestral de Direito Civil – IBDCivil, Belo Horizonte, v. 19, p. 91-107, jul./set. 2004.

SILVA, J. A. Fundamentos constitucionais da proteção do meio ambiente. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, v. 27. 2002.

USP, Universidade de São Paulo. Covid-19: como o vírus saltou de morcegos para humanos. Disponível em: https://jornal.usp.br/ciencias/covid-19-como-o-virus-saltou-de-morcegos-para-humanos/. Acesso em: 18 de set. 2020.

VIANNA JUNIOR, Aurélio. Populações, Territórios e Recursos Naturais. Disponível em: https://acervo.socioambiental.org/sites/default/files/documents/N0D00288.pdf. Acesso em: 25 maio 2021.

XEREZ, Rafael Marcílio. Concretização dos Direitos Fundamentais: Teoria, Método, Fato e Arte. 1 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-046

Apontamentos

  • Não há apontamentos.