Levantamento florístico das espécies nativas da caatinga do estado do Ceará / Floristic survey of native species of caatinga in the state of Ceará

Ana Paula Lima dos Reis, Mayco Angello Fernandes de Sena Silva, Abraão Lima Verde Maia, José Maria Tupinambá da Silva Júnior, Luis Roberto Machado de Sabóia

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo realizar um levantamento florístico das espécies nativas da caatinga do estado do Ceará, conhecendo também as espécies presentes nos municipíos pertencentes aos núcleos de desertificação Irauçuba, Inhamuns e Jaguaribe para melhor comprensão das espécies ainda existentes nessas áreas. Através de levantamento bibliográficos pôde se perceber o predomínio de espécies das Famílias Fabaceas, Euphorbiaceae, Cactaéceas, dentre outras. No geral, a caatinga cearense apresenta uma representatividade de espécies nativas que precisam ser conservadas. Torna-se clara a necessidade da criação de novas Unidades de Conservação em especial para as áreas das caatingas.


Palavras-chave


Caatinga, Ceará, espécies nativas, núcleo de desertificação.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. Nordeste sertanejo: a região semiárida mais povoada do mundo. Estudos Avançados, nº 13, vol. 35, pp. 60-68, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v13n36/v13n36a03.pdf. Acesso em: 06 set. 2020.

BARRETO, Lucas Lopes. Susceptibilidade ao processo de desertificação no núcleo dos sertoões dos inhamuns: o caso da sub-bacia do riacho do Urubu- Mucim-Arnoiroz-CE. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza-CE, 2015. 151 f. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20232. Acesso em: 20 dez. 2020.

BORÉM, R. A. T.; RAMOS, D. P. Estrutura fitossociológica da comunidade arbórea de uma toposeqüência pouco alterada de uma área de floresta atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 25, n. 1, p.131-140, 2001.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Secretaria de Recursos Hídricos. Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca. PAN/Brasil. Brasília, 2005. 213p. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/sedr_desertif/_arquivos/pan_brasil_portugues.pdf. Acesso em: 02 jul. 2020.

BRASIL. Resolução nº 115, de 23 de Novembro de 2017. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 2017a. Seção 1, p. 26-27-34.

CAVALCANTE, A. M. B. Jardins Suspensos no Sertão. Scientific American Brasil, São Paulo, v.32, p.66-73, 2005. Disponível em: https://sciam.com.br/jardins-suspensos-no-sertao/. Acesso em 02 jul. 2020.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Desertificação, degradação da terra e secas no Brasil. Brasília: CGEE, 2016. 252p. ISBN 978-85-5569-112-6. Disponível em: https://www.cgee.org.br/documents/10195/734063/DesertificacaoWeb.pdf. Acesso em: 30 set. 2020.

DUNCK, Goiacy Campos dos Santos. Núcleos de desertificação no nordeste brasileiro:

causas e conseqüências. 2010. 119 f. Dissertação (Mestrado em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2010. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/bitstream/tede/2669/1/Goiacy%20Campos%20dos%20Santos%20Dunck.pdf. Acesso em: 14 set. 2020.

FREITAS, R. C. A.; MATIAS, L. Q. Situação amostral e riqueza de espécies das Angiospermas do estado do Ceará, Brasil. Acta Bot. Bras., Feira de Santana. vol. 24, n. 04, p. 964-972, Dez. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062010000400011. Acesso em 05 fev. 2021.

Fundação Cearense de Metereologia e Recursos Hídricos (Funceme); Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS). Zoneamento ecológico-econômico das áreas susceptíveis à desertificação do núcleo I – Irauçuba/Centro-Norte. Fortaleza, 2015. 300p. ISBN: 978-85-420-0593-6.

Fundação Cearense de Metereologia e Recursos Hídricos (Funceme); Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS). Zoneamento ecológico-econômico das áreas susceptíveis à desertificação do núcleo II – Inhamuns. Fortaleza, 2015. 290p. ISBN: 978-85-420-0604-9.

GAMBIRINI, A. Caatinga: pesquisas de 25 anos vão ajudar a proteger o Bioma semiárido mais rico em biodiversidade do mundo. MMA, 2012. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/203/_arquivos/matria_manejo_sustentvel___livro_manejo_da_caatinga_203.pdf. Acesso em: 18 set. 2020.

GARIGLIO, M. A. et al. (Org.). Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga. Brasília: Serviço Florestal Brasileiro, 2010. 368p. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/sfb/_arquivos/web_uso_sustentvel_e_conservao_dos_recursos_florestais_da_caatinga_95.pdf. Acesso em: 02 set. 2020.

GIULIETTI, A. M. et al. Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. In: SILVA, José Maria Cardoso da et al. (Org.). Biodiversidade da CAATINGA: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília: DF. Ministério do Meio Ambiente: Universidade Federal de Pernambuco, 2003. 382p. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/chm/_arquivos/parte1caa.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

Instituto Brasileiro de Florestas, 2020. Bioma caatinga. Disponível em: https://www.ibflorestas.org.br/bioma-caatinga?utm_source=google-ads&utm_medium=cpc&utm_campaign=biomas&keyword=%2Bbioma%20%2Bcaatinga&creative=367878241897&gclid=Cj0KCQjwt4X8BRCPARIsABmcnOoKpnKo1D0g9aArNKKMXlUZgBgBBFGA08lxQZWwi2L2advYG2d1_2AaAplYEALw_wcB. Acesso em: 09 out. 2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema IBGE de Recuperação Automática – Sidra. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

MARTINS, W. S.; LOPES, M. S.; CHAVES, T. P. Espécies vegetais utilizadas como combustível em uma área de transição Cerrado-Caatinga no sul do Piauí, Brasil. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, Curitiba, v.4, n.2, p. 1771-1783 abr./jun. 2021. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/28818/22758. Acesso em 19 jun. 2021.

MENEZES, O. T. et al. Diversity and distribution of Cactaceae in Ceará state, northeastern Brazil. Bradleya, vol. 2011, nº 29, p. 13-42, December 2011. Disponível em: https://bioone.org/journals/bradleya/volume-2011/issue-29/brad.n29.2011.a3/Diversity-and-distribution-of-Cactaceae-in-Ceará-state-northeastern-Brazil/10.25223/brad.n29.2011.a3.full. Acesso em: 15 set. 2020.

MENEZES, O. T.; TAYLOR, N.; LOIOLA, M. I. B. Flora do Ceará, Brasil: Cactaceae. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 4, p. 757-774, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-78602013000400007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 06 fev. 2021.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). Bioma Caatinga. Disponível em: http://www.mma.gov.br/biomas/caatinga. Acesso em: 08 set. 2020.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). Inventário Florestal Nacional Ceará: principais resultados / Ministério do Meio Ambiente. Serviço Florestal Brasileiro Brasília: MMA, 2016.104 p. ISBN: 978-85-7738-278-1.

MORO, M. F. et al. Vegetação, unidades fitoecológicas e diversidade paisagística do estado do Ceará. Rodriguésia, vol.66, n.3, Rio de Janeiro, set. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2175-78602015000300717&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 01 set. 2020.

PEIXOTO, E. S.; ALVES, M. S.; FINA, B.G. Fitossociologia de um fragmento de cerrado na Fazenda Bosque Belo, município de Aquidauana-MS. Braz. J. Anim. Environ. Res., Curitiba, v.3, n.4, p. 4210-4227, out./dez. 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/22037/17593. Acesso em 18 jun. 2021.

PEREZ-MARIN, A. M. et al. Núcleos de desertificação no semiárido brasileiro: ocorrência natural ou antrópica? In: Parcerias Estratégicas. Brasília, v. 17, n. 34, p. 87-106, jan-jun 2012. ISSN: 2176-9729. Disponível em: http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/viewFile/671/615. Acesso em: 03 jan. 2021.

REDDY, S. J. Climatic classification: the semiarid tropics and its environment - a review. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.18, n. 8, p.823-847, ago. 1983. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/132996/1/79041.pdf. Acesso em 05 fev. 2021.

RODAL, M. J. N.; SAMPAIO, E.V.S.B. A vegetação do bioma caatinga. In: SAMPAIO, E.V.S.B.; GIULIETTI, A.M.; VIRGÍNIO, J.; GAMARRA-ROJAS, C.F.L. (Ed.). Vegetação e flora da Caatinga. Recife; PNE/CNIP, 2002. p.11-14.

SAMPAIO, E.V.S.B. Caracterização da caatinga e fatores ambientais que afetam a ecologia das plantas lenhosas. In: SALES, V.C. (Ed.). Ecossistemas brasileiros: manejo e conservação. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2003. p. 129-142.

SAMPAIO, E.V.S.B. Caracterização do bioma Caatinga: características e potencialidades. In: GARIGLIO, M.A.; SAMPAIO, E.V.S.B.; CESTARO, L.A.; KAGEYAMA, P.Y. (Ed.). Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga. Brasília: SFB, 2010, p. 29-48.

VIANA, Cristine Ferreira Gomes. Da seca como episódio à desertificação como

processo: uma questão (não) institucionalizada. 2013. 244f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília, Brasília, 2013. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/13936. Acesso em: 21 dez. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.