Áreas de preservação permanente urbanas e análise de Inundações no município de são carlos - aplicação do código florestal brasileiro no córrego do Monjolinho / Urban permanent preservation areas and analysis offFloods in the city of são carlos - application of the Brazilian code forestry in the Monjolinho’s stream

Mariana dos Santos Pelegrini

Resumo


A substituição da vegetação nativa pela construção de edificações, para a impermeabilização e essa ocupação em áreas de preservação ambiental afetam os sistemas ecológicos e põem em risco os recursos naturais. Nessa situação, a água, que seria absorvida pelo solo e vegetação natural, inunda as áreas urbanizadas e causa graves danos à população. Todavia, a apropriação dos recursos naturais se torna mais intensa com a expansão das cidades, e paralelamente, as questões ambientais ganham mais importância e exigem maior atenção. Hoje essa preocupação é amplamente debatida por praticamente todas as classes sociais, havendo mobilizações dos meios de comunicação, evidenciando a dimensão do problema. Nota-se, nesse sentido, uma espécie de temor ambiental, visto que tal temática preocupa e mobiliza a sociedade como um todo. Entre fatores negativos sucedidos de um crescimento populacional desordenado, como ocupações ilegais, subempregos, violência e poluição, no que diz respeito à água, afirma-se que a urbanização não planejada pode causar aumento de áreas impermeáveis, o que ocasiona diminuição de áreas verdes, assoreamento dos leitos, descumprimento de leis ambientais referentes à vegetação e por fim, enchentes em margens de córregos. O objetivo deste trabalho foi analisar e destacar a lógica de construção do espaço que promove a gradativa destruição dos cursos d’água no cotidiano do município de São Carlos – SP e as possibilidades de integração entre processos urbanos e naturais, utilizando ferramentas de geoprocessamento para analisar as condições espaciais das APPs ao redor do Córrego do Monjolinho.


Palavras-chave


APPs; Córrego do Monjolinho; Geoprocesssamento; São Carlos.

Texto completo:

PDF

Referências


ATTANASIO, C. M.; GANDOLFI, S.; ZAKIA, M. J. B.; JUNIOR, J. C. T. V.; LIMA, W. P. A importância das áreas ripárias para a sustentabilidade hidrológica do uso da terra em microbacias hidrográficas. Campinas, v.71 n.4, 2012. Disponível em:

BRASIL. Código Florestal. Lei nº 12.615, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. (D.O.U. DE 28.05.2012).

CARLOS, A. F. A. O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade. São Paulo. Labur Edições, 2007, 123 p.

CONAMA. Resolução n o 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Brasília, 2002.

CRESTANA, M.S.M.; TOLEDO FILHO, D.V.; CAMPOS, J.B. Florestas: sistemas de recuperação com essências nativas. Campinas: Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, 1993. 60 p.

CRESTANA, M.S.M.; TOLEDO FILHO, D.V.; CAMPOS, J.B. Florestas: sistemas de recuperação com essências nativas. Campinas: Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, 1993. 60 p.

Eugenio FC, Santos AR, Louzada FLRO, Pimentel LB, Moulin JV. Identificação de áreas de preservação permanente no município de Alegre utilizando geotecnologia. Cerne 2011.

FERREIRA, E. de M.; FERREIRA, L. de M. Proposta para Contenção de Erosão em uma das Margens do Córrego do Almeida no Município de Aparecida de Goiânia, Go, Brasil, em 2012, com a Aplicação de Técnicas Conservacionistas Vegetativas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL, 3., 2012, Goiânia. Anais...Goiânia, IBEAS – Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais, 2012. p. 01-10.

HOTT, M. C.; GUIMARÃES, M.; MIRANDA, E. E. Método para a determinação automática de áreas de preservação permanente em topos de morros para o Estado de São Paulo, com base em geoprocessamento. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélites, 2004. 32 p.

IGC. Unidades Hidrográficas de Gerenciamento de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo. São Paulo: IGC, 2014.

KAGEYAMA, P.Y. Estudo para implantação de matas de galeria na bacia hidrográfica do Passa Cinco, visando à utilização para abastecimento público. Piracicaba: Universidade de São Paulo, 1986. 236 p. Relatório de Pesquisa.

ima WP. Hidrologia florestal aplicada ao manejo de bacias hidrográficas. Piracicaba: ESALQ; 2008.

LIMA, V.; AMORIM, M. C. C. T. A Importância das Áreas Verdes para a Qualidade Ambiental das Cidades. Revista Formação, Presidente Prudente, v. 1, nº 13, p. 139-165, 2006.. Acesso em: janeiro de 2019.

MOTA, S. Gestão ambiental de recursos hídricos. 3. ed. Rio de Janeiro: ABES, 2008.

MUNIZ, J. C. S. Avaliação de Impacto Ambiental na Área de Preservação Permanente do Córrego do Urubu, Cuiabá-MT.2016. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá-MT. Orientador: Prof. Dr. Ronaldo Drescher.

NASCIMENTO, M.C; SOARES, V.P.; RIBEIRO, C.A.A.S.; SILVA, E. Uso do Geoprocessamento na identificação de conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do Rio Alegre, Espírito Santo. Ciência Florestal, Santa Maria, v.15, n.2, 2005.

OJEDA, K. C.; SIQUEIRA, F. M. B.; PINTO, A. A. S. Diagnóstico ambiental da área de preservação permanente no alto curso do córrego do São Gonçalo, Cuiabá-MT. In: Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, 4. Salvador, 2013. Anais... IBEAS – Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais, 2013. Disponível em: http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2013/XI-036.pdf

OLIVEIRA-FILHO, A.T.; ALMEIDA, R.J. de; MELLO, J.M. de; GAVILANES, M.L. Estrutura fitossociológica e variáveis ambientais em um trecho de mata ciliar do Córrego Vilas Boas, Lavras (MG). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.17, n.1, p.67-85, 1994.

PNUD (2004). Un Informe Mundial La Reducción de Riesgos de Desastres. Um Desafio para el Desarrollo. (Disponível em: www.undp.org/bcpr).

PÔMPEO, C. A. (2000) "Drenagem urbana sustentável". Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 5(1), p.15- 23.

RIBEIRO, G. V. B. A origem histórica do conceito de Área de Preservação Permanente no Brasil. Revista Thema, [s.l.] v. 8, n. 1, 2011. Disponível em:

SANTOS, S.B. dos. Análise do uso e ocupação do solo de áreas de preservação permanente utilizando ferramentas do SIG na gestão de bacias hidrográficas: o caso da bacia hidrográfica do Ribeirão São Lourenço. 2007. 84 f. Dissertação (Mestrado em Ciências em Engenharia da Energia) - Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2007. Disponível em: . Acesso em: janeiro de 2019.

TUCCI, C. E. M. (2006) Gestão de águas pluviais urbanas. Ministério das Cidades, Brasília.

TUCCI, C. E. M. Plano Diretor de Drenagem Urbana: Princípios e Concepção. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 2, n. 2, p. 5-12, jul./dez. 1997.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.