Regressão beta e gama na determinação da taxa de germinação de sementes de soja / Beta and gamma regression in the determination of germination percentage of soybean seeds

Guido Gustavo Humada González, Gilberto Rodrigues Liska, Belén Gaete Humada

Resumo


A soja constitui, atualmente, assunto de intensa atividade de pesquisa dirigida para a obtenção de informações que possibilitem aumentos de produtividade. Nesse contexto, a utilização de sementes de alta qualidade constitui-se em uma ferramenta de extrema importância para o agricultor. Com o objetivo de estimar a taxa de germinação de sementes de soja utilizando os modelos de regressão Beta e Gama foi montado um experimento no laboratorio de sementes de la Facultade de Ciencias Agrarias (FCA -UNA). As sementes de soja da variedade Coodetec 242 RR foram classificadas por tamanho em três lotes, correspondendo aos tratamentos avaliados: T1 = sementes grandes, T2 = sementes médias e T3 = sementes pequenas. As variáveis analisadas no laboratorio foram: porcentagem de germinação, comprimento de plântula (cm), comprimento da raiz (cm), diâmetro da semente (cm) e peso de mil sementes (g). Os testes foram realizados e interpretados de acordo com os critérios estabelecidos na regra internacional de análise de sementes. Para analisar a porcentagem de germinação, foram utilizados os modelos lineares generalizados. Os resultados mostram que o modelo de regressão beta pode ser utilizado para descrever o comportamento da taxa de germinação em testes de qualidade de sementes de soja variedade coodetec 242, uma vez que o ajuste do modelo foi satisfatório. A porcentagem de germinação de sementes de soja é influenciada pelo vigor e longitude de raiz. Sementes com longitude de raiz inferior a 11 cm não podem ser considerados sementes de alta qualidade


Palavras-chave


Longitude da raiz, modelos lineares generalizados, vigor

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS, 399p.

Ferrari, SLP; Cribari-Neto, F. 2004. Beta Regression for Modelling Rates and Proportions. Journal of Applied Statistics. 31(7): 799-815.

Ferrazza, FL. et al. 2020. Efeitos do tratamento de sementes com micronutrientes em soja de alto e baixo vigor Braz. J. Anim. Environ. Res., Curitiba, v. 3, n. 1, p.218-224.

Kolchinski, EM. et al. 2006. Crescimento inicial de soja em função do vigor das sementes. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, 12(2): 193-166.

McCuloch, CE; Searle, SR; Neuhaus JM. 2008. Generalized, Linear and Mixed Models. Wiley, New York, 424 p.

Nelder, JA; Wedderburn, RWM. 1972. Generalized linear models. Journal of the Royal Statistical Society A. 135(3): 370-384.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a lenguage and environment for statistical computing. 2021. Disponivel em: < http://www.R-project.org> Acesso em: 10 mai. 2021.

Santos, PM. et al. 2005. Influência do tamanho de sementes de soja na qualidade fisiológica e sanitária durante o armazenamento. Acta Scientiarum Agronomy. Maringá, 27(3): 395-402.

Simas, AB; Rocha, AV. 2006. betareg: Beta Regression, R package version 1.2. URL http: //CRAN.R-project.org/src/contrib/Archive/betareg/.

Smaniotto, TA et al. 2014. Qualidade fisiológica das sementes de soja armazenadas em diferentes condições. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. 18(4): 446-453.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n3-001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.