Desenvolvimento de iogurte à base de café / Development of coffee-based yogurt

Sara de Oliveira Ferreira, Alessandra de Fatima Ulisses, João Batista Esteves Peluzio, Alexandre Cristiano Santos Júnior, Jonhny de Azevedo Maia Júnior

Resumo


O estado do Espírito Santo possui a segunda melhor distribuição fundiária do Brasil devido, principalmente, ao casamento café com leite, permitindo renda para manutenção o homem no campo, especialmente nas pequenas e médias propriedades que utilizam majoritariamente mão de obra familiar. Apesar disto, tem-se verificado, estatisticamente, redução no número de propriedades, indicando, dentre outras coisas, queda na renda familiar, movimento este que pode ser interrompido pela verticalização da produção, especialmente considerando a matéria prima local. O objetivo do presente trabalho foi desenvolver formulações, avaliar custos de produção, características físico-química e microbiológica de iogurte de café. O processamento dos iogurtes foi realizado em fermenteira com agitação mecânica (pasteurização, fermentação e refrigeração) e em recipiente de aço inox para desenvolvimento dos tratamentos (T), sendo: T1= café solúvel puro, T2=café solúvel + essência de baunilha, T3=café solúvel + canela em pó, e T4=café solúvel + cacau em pó. Foram realizadas análises físico-químicas, microbiológicas e avaliado o custo de produção. Durante as análises físico-química, observou-se que a acidez titulável e o pH mantiveram-se dentro dos padrões da legislação e de faixa de valores comumente observados, respectivamente. Nas análises microbiológicas, observou-se que a contagem de Coliformes Totais, Coliformes termotolerantes/45° C, bolores e leveduras, Staphylococcus aureus e Salmonela se mantiveram dentro da norma estabelecida. O custo de produção foi calculado por litro, onde o menor valor foi obtido no T1, R$ 4,79/L e o maior valor no T4, R$ 5,11/L. Assim, os produtos finais atenderam aos requisitos físico-químicos e microbiológicos estabelecidas pela legislação. O custo de produção permite que o produto seja comercializado, pois está muito próximo aos valores de outros sabores já consolidados e comercializados no IFES, campus Alegre/ES.


Palavras-chave


Leite, análise microbiológica, análise físico-química.

Texto completo:

PDF

Referências


ABIC. Associação Brasileira da Indústria do Café. Indicadores da indústria do café. 2020. Disponível em: http://abic.com.br/estatisticas/indicadores-da-industria/indicadores-da-industria-de-cafe-2020/. Acesso em: 10/05/2021.

ARRUDA, A.C.; FERREIRA, M.A.M.; MINIM, V.P.R.. Perfil dos consumidores de café de Viçosa/MG: Um estudo exploratório. In: V Simpósio de Pesquisas de Cafés do Brasil, Águas de Lindóia, 2007.

BARBOSA, P.P.M.; GALLINA, D.A.. Viabilidade de bactérias (starter e probióticas) em bebidas elaboradas com iogurte e polpa de manga. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 72, n. 2, p. 85-95, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 12 de 02 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico Sobre os Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, DF. 10 de janeiro de 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 68, de 12 de dezembro de 2006. Oficializa os métodos analíticos oficiais físico químicos para controle de leite e produtos lácteos. Diário Oficial de República Federativa do Brasil. Brasília, Seção 1, p.8, 14 de dez. 2006.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 46, de 23 de Outubro de 2007. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leites Fermentados. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília de 24/10/2007, nº 205, Seção 1, pág. 4 de out. 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instrução Normativa nº 77, de 26 de novembro de 2018. Ficam estabelecidos os critérios e procedimentos para a produção, acondicionamento, conservação, transporte, seleção e recepção do leite cru em estabelecimentos registrados no serviço de inspeção oficial. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília de 26/11/2018, Seção 1, p.10, 30 de nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. China abre mercado para lácteos brasileiros, anuncia Tereza Cristina. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/noticias/china-abre-mercado-para-lacteos-brasileiros. Acesso em: 16 out. 2019.

COELHO, F.J.O.; QUEVEDO, P.S.; MENIN, A.; TIMM, C.D. Avaliação do prazo de validade do iogurte. Ciência Animal Brasileira, v. 10, n. 4, p. 1155-1160, out./dez. 2009.

CONAB. Companhia nacional de abastecimento. 2021. Disponível em: http://www.sapc.embrapa.br/arquivos/consorcio/levantamento/Conab_safra_2021_n1.pdf. Acesso em: 10/05/2021.

COSTA, S.R.F. MOUCHREK FILHO, V.E.; ARAGÃO, N.E.; SANTOS, V.F.; SERRA, J.L.; NASCIMENTO, A.R. Atividade Bactericida do Óleo Essencial de Canela (Cinnamomum zeylanicum) frente às Cepas Patogênicas de E. coli. Universidade Federal do Maranhão. Publicado na 64° Reunião Anual da SBPC, 2012, São Luiz – MA.

EMBRAPA. O Mercado Consumidor de Leite e Derivados. Circular Técnica 120. Juiz de Fora, MG. julho 2019.

FERNANDES, A.F.C.; COSTE E COLPA, F.; PAIVA, E.F.F.; PAIVA, L.C.; NACHTIGALL, A.M.; BOAS, B.M.V. Vida de prateleira de iogurte sabor café. Coffee Science, Lavras, v. 11, n. 4, p. 538 - 543, out./dez. 2016.

GALLINA, D.A.; ORMENESE, R.C.S.C.; GARCIA, A.O. Iogurte probiótico com polpa de frutas vermelhas: Caracterização físico química e microbiológica, aceitabilidade sensorial e viabilidade dos probióticos. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 73, n. 4, p. 196-208, out/dez, 2018.

GOMES, F. P. Curso de estatística experimental. 14. Piracicaba: Nobel, p. 477, 2000.

LIMA, I.O.; OLIVEIRA, R.A.G.; LIMA, E.O.; FARIAS, N.M.P.; SOUZA, E.L. . Atividade Antifúngica De Óleos Essenciais sobre Espécies de Cândida. Revista Brasileira Farmacognosia, v. 16, n. 2, páginas 197 – 201, 2006.

MEILGAARD, M.; CIVILLE, G. V.; CARR, B. T. Sensory Evaluation Techniques. Boca Raton, Florida: CRC Press, Inc, 1987. v. II. p.159.

PREZOTTO, L.L.. Uma concepção de agroindústria de pequeno porte. Revista de Ciências Humanas. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: EDIUFSC. n. 31. p. 133-153. 2002.

RIBEIRO, A.M.; ANDREOLLI, E.F.; MENEZES, L.A.A. Elaboração de iogurte de chocolate com menta. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Medianeira, 2011.

ROBERT, N.F. Dossiê técnico: fabricação de iogurtes. Rede de Tecnologia do Rio de Janeiro – REDETEC, jul. 2008.

SANTINI, G.A.; PEDRA, D.F.B.M.; PIGATTO, G. Internacionalização do setor lácteo: a busca pela consolidação. UNESP/ Campus Experimental de Tupã, Tupã - SP - Brasil. 2009.

SILVA, C.A.B.; FERNANDES, A.R. Projetos de empreendimentos industriais: Produtos de origem animal. Ed. UFV. Vol I, 308 p. 2005.

SILVA, M.T.N.; USHIMARU, P.I.; BARBOSA, L.N.; CUNHA, M.L.R.S.; FERNANDES JUNIOR, A. Atividade antibacteriana de óleos essenciais de plantas frente a linhagens de Staphylococcus aureus e Escherichia coli isoladas de casos clínicos humanos. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, volume 11, número 3, Botucatu – SP, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-099

Apontamentos

  • Não há apontamentos.