Structural characterization of areas with different levels of conservation in the mangrove of Vitória Bay, ES / Caracterização estrutural de áreas com diferentes níveis de conservação do manguezal da Baía de Vitória, ES

Juliano de Oliveira Barbirato, Natália Coelho Ferreira, Daniel Basílio Zandonadi, Leonardo Barros Dobbss

Resumo


Os manguezais vêm sofrendo tensões antrópicas constantemente, levando ao declínio deste sistema importante. Há então a necessidade de estudar os manguezais, buscando investigar as características ambientais deste ecossistema e apontar possíveis fatores que tem contribuído com este declínio e suas causas. Este trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade ambiental em diferentes áreas do Manguezal da Estação Ecológica Ilha do Lameirão (EEMIL) através da caracterização da estrutura de sua vegetação. Foram realizadas análises da estrutura vegetal em 8 (oito) parcelas distribuídas nas duas áreas estudadas com diferentes níveis de conservação (Canal dos Escravos e Maria Ortiz) entre março de 2010 e janeiro de 2012. Com relação às características da estrutura da vegetação, em geral, a média de altura e diâmetro na altura do peito foram maiores na área do Canal dos Escravos que em Maria Ortiz com predominância das espécies de Rhizophora mangle e Laguncularia racemosa em ambas as áreas. Em todas as parcelas avaliadas em Maria Ortiz observou-se um grande número de indivíduos mortos, além da presença de grande quantidade de algas, ainda não identificadas, sobre os pneumatóforos. Contudo, a área do canal dos Escravos mostrou-se numericamente e visivelmente de melhor aspecto e conservação que em Maria Ortiz onde possui muita poluição e pressão para sua destruição.

 


Palavras-chave


Estação Ecológica Ilha do Lameirão, Canal dos Escravos, Maria Ortiz, Estrutura Vegetal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONGI, D. M. Coastal Ecossistem processes. Boca Raton: CRC Press, 1998.

BERNINI, E.; REZENDE, C.E. Variação estrutural em florestas de mangue do estuário do rio Itabapoana, ES-RJ. Biotemas n. 23, v.1, p.49-6,. 2010.

BERNINI, E.; REZENDE, C.E. Estrutura da vegetação em florestas de mangue do estuário do rio Paraíba do Sul, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botanica Brasilica, n.18, p.491-502. 2004.

BLASCO, F.; SAENGER, P.; JANODET, E Mangroves as indicators of coastal change: Catena n. 27, pp. 167-178, 1990.

Carmo, T. M. S.; Brito-Abaurre, M. G.; Senna-Melo, R. M.; Zanotti-Xavier, S.; Costa, M. B.; Horta, M. M. M. Os manguezais da Baía de Vitória, Espírito Santo: um ecossistema ameaçado. Revista Brasileira de Biologia, 55: 801-808, 1995.

CARMO, T.M.S, ALMEIDA, R, OLIVEIRA, A.R; ZANOTTI-XAVIER, S. Caracterização de um trecho do manguezal do rio da Passagem, baía de Vitória, Vitória-ES: In Anais do IV Simpósio de Ecossistemas Brasileiros (S. Watanabe, coord.). ACIESP, Águas de Lindóia, v.1, p.6-19, 1998a.

Carmo, T. M. S.; Góes, P.; Almeida, A. P. L. S.; Sampaio, F. D. F.; Assis, A. M. Caracterização do manguezal do rio Reis Magos, Fundão, Espírito Santo. Anais do IV Simpósio de Ecossistemas Brasileiros, v.1, Águas de Lindóia, Brasil, p.17-29, 1998b.

Carmo, T. M. S.; Sforza, R.; Rocha, G. B.; Moreira, L. M. P.; Silva, R. C. D. Caracterização da estrutura do manguezal de Goiabeiras Velha, Vitória, Espírito Santo. Anais do V Simpósio de Ecossistemas Brasileiros, v.2, Vitória, Brasil, p.381-388, 2000.

CINTRÓN, G.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Introducción a la ecologia del manglar. Montevideo, UNESCO-ROSTLAC, 109p. 1983.

CITRÓN, G.; NOVALLI Y. Ecology and Management of New World Mangroves. In: SEELIGER, U. (Org.). Coastal plant communities of Latin America. San Diego: Academic, 1992. p. 233-258.

DEUS, M.S.M., SAMPAIO, E.V.S.B., RODRIGUES, S.M.C.B.; ANDRADE, V.C. Estrutura da vegetação lenhosa de três áreas de manguezal do Piauí com diferentes históricos de antropização. Brasil Florestal v.78, pp.53-60, 2003.

FERREIRA, R.D. Os manguezais da baia de Vitória (ES): Um estudo de geografia física integrada. Tese (Doctorate in Geography) – Programa de pós-graduação em geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (USP), São Paulo, 1989.

HENRIQUES, M.P.; SOARES M.L. G.; SANTOS, D.M.C. Caracterização estrutural das florestas de mangue da Estação Ecológica da Guanabara – Rio De Janeiro, RJ. Saúde & Amb. Rev., Duque de Caxias, v.7, n.1, p.33-46, jan-jun 2012.

NASCIMENTO, A.R.T; SCARIOT, A. SILVA, J.A.; SEVILHA, A.C. Estimativas de Área Basal e Uso do Relascópio de Bitterlich em amostragem de Floresta Estacional Decidual. Ciência Florestal, Santa Maria, v.14, n.2, p.169-176. 2004.

PEREIRA, F.V.; FOLETTO, F.; MOREIRA, T.M.; GOMES, J.M. L.; BERNINI, E. Estrutura da vegetação em duas áreas com diferentes históricos de antropização no manguezal de Anchieta, ES. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, v.22, pp.01-08, 2009.

PETRI, D.J.C.; BERNINI E.; SOUZA, L.M.; REZENDE, C.E. Distribuição das espécies e estrutura do manguezal do rio Benevente, Anchieta, ES. Biota Neotrop., vol. 11, n. 3, 2011.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; CINTRÓN, G. Guia para estudos de áreas de manguezal: estrutura, função e flora. São Paulo, Caribbean Ecological Research, 150p.1986.

SOARES, M.L.G.; CHAVES, F.O.; CORRÊA, F.M.; SILVA JR., C.M.G. Diversidade estrutural de bosques de mangue e sua relação com distúrbios de origem antrópica: o caso da Baía de Guanabara (Rio de Janeiro). Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ v.26, pp.101-116. 2003.

TULLI, L. M.A. Vulnerabilidade à ação antrópica e uso e ocupação do solo para a Estação Ecológica Municipal Ilha do Lameirão, Vitória-ES / 2007. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Tecnológico.

VALE, C.C. Contribuição ao estudo dos manguezais como indicadores biológicos das alterações geomorfológicas do estuário do rio São Mateus-ES. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Brasil, 171pp. 1999.

VALE, C.C.; FERREIRA, R.D. Os manguezais do litoral do Estado do Espírito Santo. Pp. 88-94. In: Anais do Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira. São Paulo, ACIESP, v. I. 1998.

VITÓRIA. Estação Ecológia Municipal Ilha do Lameirão – EEMIL. 2011. Available in Access in out. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-085

Apontamentos

  • Não há apontamentos.