Inovação com tecnologias híbridas nafta / etanol estudo de casos / Innovation with hybrid tecnologies naphta / ethanol cases

Rivaldo Souza Bôto

Resumo


Os processos petroquímicos tradicionais a partir da nafta possuem pouca perspectiva para a descoberta de novos produtos ou para melhorias no desempenho operacional. Por outro lado, os processos na indústria alcoolquímica direcionados para a produção de hidrocarbonetos, ou outros derivados do petróleo a partir do etanol, apresentam sempre custos mais elevados do que os obtidos com uso da nafta, devido a necessidade de processos adicionais e à perda da eficiência atômica.

Nos processos petroquímicos, normalmente é exigido o grau polímero para as matérias primas, porque outros hidrocarbonetos, principalmente aqueles de cadeia insaturada, são impurezas para os catalisadores ocasionando aumento do seu consumo e interferindo nas características do produto final. O grau polímero é caracterizado pela exigência de uma pureza acima de 99,9%, sendo considerado grau químico uma matéria prima com pureza apenas acima de 95,0%. Apesar da pequena diferença, o consumo de energia para passar do grau químico para o grau polímero é significativamente elevado, impactando nos custos de produção. 

Esse trabalho se refere a dois estudos de casos de tecnologias híbridas nafta/etanol utilizando matérias primas com grau químico. O primeiro estudo de caso mostra a vantagem de impureza alcoolquímica na produção de um produto tradicionalmente de origem petroquímicos. O segundo estudo de caso mostra a vantagem de impureza petroquímica na produção de um produto tradicionalmente de origem alcoolquímica.


Palavras-chave


Polímeros, Alcoolquímica, Etanol.

Texto completo:

PDF

Referências


Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

, Agência Nacional do Petróleo, Páginas 107, 127 e 131, Rio de Janeiro

RJ.

Anuário da Indústria Química Brasileira, ABIQUIM. Edição 2018. São Paulo.

Bioetanol de Cana-de-açúcar: Energia para o Desenvolvimento Sustentável. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Editora do Departamento de Divulgação do BNDES. Rio de Janeiro, 2008.

BÔTO R. Etanol e Demais Derivados da Cana-de-Açúcar como Matérias Primas na Indústria de Polímeros Plásticos. Dissertação de Mestrado Profissional. Universidade Federal da Bahia, 2014.

DANTAS BÔTO R. Por Que a Coperbo Alterou sua Rota. Revista Química e Derivados agosto 1983, páginas 5-10.

Etanol, a Revolução Verde e Amarela. FISCHETTI Ozires. Bizz Comunicação e Produções, 2008.

ZENI M. Reações Fotoquímicas do Polibutadieno com Compostos

Carbonílicos Orgânicos. Dissertação de Mestrado. Instituto de Química da

Universidade Estadual de Campinas, 1982.

Química Verde no Brasil 2010 – 2030. BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social; Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Brasília: CGEE, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-055

Apontamentos

  • Não há apontamentos.