Pegada hídrica da cultura do coentro (coriandrum sativum l.) No Agreste Sergipano / Water footprint of coriander cropping cultivated in brazilian tropical Semiarid Region

Inajá Francisco de Sousa, José Murilho Farias Bonfim, Camilo Rafael Pereira Brandão

Resumo


Nas últimas décadas, o crescimento populacional vem impactando no aumento pela demanda de alimentos e estudos voltados a temática da pegada hídrica (PH) estão sendo desenvolvidos a nível global no qual busca por uma gestão mais eficiente dos recursos hídricos para diferentes setores. O cultivo de coentro irrigado se caracteriza pelo custo de produção por hectare e a contabilização da PH permite uma tomada de decisão eficiente no manejo da água, melhorando o uso dos recursos disponíveis para a cultura. O objetivo deste trabalho foi contabilizar a PH verde, azul e cinza do cultivo do coentro na região semiárida do Estado de Sergipe. A análise baseou-se nos dados do tipo de cultivar Tabocas produzida na Empresa Hortaliças Vida Verde, localizada no município de Itabaiana / SE. Os dados apresentados neste trabalho compreendem o intervalo de tempo entre 2013 e 2015, e foram coletados durante as quatro temporadas. A maior porcentagem foi PH azul, correspondendo ao uso intensivo do sistema de irrigação. O menor percentual obtido foi da PH cinza que corresponde ao baixo uso de fertilizantes sintéticos. A aplicação desses indicadores na empresa pode contribuir para a implementação de ações positivas no sentido de entender os desafios relacionados ao consumo de água.


Palavras-chave


Horticultura; Gestão de recursos hídricos; Agricultura irrigada.

Texto completo:

PDF

Referências


Allen, R.G.; Pereira, L.S.; Raes, D.; Smith, M. (1998). Crop evapotranspiration: Guidelines for computing crop water requirements. FAO Irrigation and Drainage Paper 56, FAO, Rome.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS, Campinas – São Paulo. (2011). Available on: . Access 24 jan. 2016.

BRASIL. Resolução CONAMA N° 430, de 13 de maio de 2011. Disponível em: www.planalto.gov.br Access: 23 may. 2016.

Carvalho, D.M.; Costa, J.E. (2010). A Intervenção do Estado em Infraestrutura e o Processo de Circulação de Hortifrutigranjeiros em Itabaiana/SE. Scientia Plena, v 6, n.3.

Carvalho, E.S.M.. (2014). Um olhar geográfico sobre as águas no Vaza Barris Sergipano. São Cristovão: Editora UFS.

Chapagain, A.K.; Hoekstra, A.Y. (2004). Water footprints of nations. Netherlands: UNESCO-IHE. (Value of water research report series,n.16). Available on: < http://www.waterfootprint.org/Reports/Report16voll.pdf>. Acesso em : 10 sep. 2016.

Empinoti, V; Jacobi, P.R. (2012). Pensando as questões da água de uma nova forma. In: Empinoti, V; Jacobi, P.R. (Org.). Pegada Hídrica: inovação, corresponsabilização e os desafios de sua aplicação. São Paulo: Annablume.

Filgueira, F. A. R. (2007). Novo Manual de Olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de Hortaliças. 3.ed. Viçosa, MG : Editora UFV.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. (2010). CROPWAT 8.0 model, Roma - Itália. Available on: www.fao.org/nr/water/infores_databases_cropwat.html. Access july 2015.

Hoekstra, A. Y. (2017). Water footprint assessment: evolvement of a new research field. Water Resources Management, 31(10), 3061-3081.

Hoekstra, A. Y.; Chapagain, A. K.; Aldaya, M. M.; Mekonnen, M. M. (2011). Manual de avaliação da pegada hídrica: estabelecendo o padrão global. São Paulo: Instituto de Conservação Ambiental.

Matos, R. R. A (2015). Estimativa dos componentes azul e verde da pegada hídrica da batata-doce no agreste sergipano. [Dissertação de Mestrado em Recursos Hídricos - Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão/SE].

Mekonnen, M. M; Hoekstra, A.Y. (2010). The green, blue and grey water footprint of crops and derived crop products. Value of Water Ressearch Report Series No.47. Delf, The Netherlands: UNESCO-IHE, v. 1.

Miller Jr, G.T. (2014) Ciência Ambiental. Tradução All Tasks. Revisão Técnica Wellington Braz

Carvalho. São Paulo: Cengage Learning.

Ribeiro, C.S., Pegada Hídrica e Água Virtual: Estudo de caso da manga no Submédio do Vale do São Francisco, Brasil. (2014). Dissertação (Mestrado em Economia) - Falculdade de Economia, Universidade Federal da Bahia, 2014.

Rocha, S.R; Studart, T.M. (2014). A pegada hídrica das exportações agrícolas de Pernambuco. Revista de Geografia. UFPE. V.31.n.3.

Santiago, A. D., Chico, D., de Andrade Júnior, A. S., Garrido, A., & Carnauba, P. J. P. (2018). Pegada hídrica da cana-de-açúcar e etanol produzidos no estado de Alagoas, Brasil. Agrometeoros, 25(1).

SECRETARIA DE ESTADO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL DE SERGIPE (2014). Available on: http://www.agencia.se.gov.br/noticias/irrigacao/perimetros-irrigado-tem-colheita-recorde-de-115-mil-toneladas Access on 20 de october 2016.

Silva V.P.R; Tavares; A. L; Sousa I. F. (2013). Evapotranspiração e coeficientes de cultivo simples e dual do coentro. Horticultura Brasileira. Vol. 31, n.2, pp.255-259.

Silva, V.P.R. (2004) On climate variability in Northest of Brazil. Journal of Arid Environments n.58, p.575-596.

Tavares, A. L., Fenometria, produtividade e necessidade hídrica das culturas da alface e do coentro em clima tropical. (2016). Tese (Doutorado em Meteorologia: Centro de Tecnologia e Recursos Naturais) Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande.

Thoeh, F. R; Thompson, Louis M. (2007). Solos e Fertilidade do Solo. 6 ed. Tradução Durval Dourado Neto ; Manuella Nóbrega Dourado. São Paulo: Andrei Editora LTDA.

Tundisi, J. G.; Tundisi, M. T. (2011); Recursos hídricos no século XXI. Oficina de Textos.

Tundisi, J. G.; Tundisi, M. T.; A água. (2020) São Carlos: Editora Scienza.

UNESCO; Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos: Não deixar ninguém para trás. (2019). Available on: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000367303_por . Access: dez. 2020.

Xavier, M. A; Bezerra, N. F. (Org.)., 2005. Gestão Legal dos Recursos Hídricos dos Estados do Nordeste do Brasil. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, 187p.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.