Comportamento climático do município de vitória da conquista em relação ao el niño (atualização) / Climate behavior of the municipality of vitória da conquista in relation to el niño (update)

Rosalve Lucas Marcelino

Resumo


A Terra em seus movimentos principais, translação e rotação, faz com que os fluidos, água e ar realizem uma trajetória oposta ao seu vetor direcional, como tais fluídos absorvem e armazenam o calor e o transportam ao longo desse movimento, realizando assim as trocas e as interações; a este processo chamamos de dinâmica atmosfera-superfície. Deste processo resulta o equilíbrio térmico, tão importante para a vida na Terra, nosso lar, nosso hábitat. Nesse ambiente contém os Biomas e Ecossistemas, assim como os demais organismos vivos e toda complexa inter-relação e adaptações de todos organismos existentes. Nós, enquanto espécie conscientes de nosso papel no planeta, temos o dever de entender o funcionamento dessas engrenagens nessa interação; a ciência Climatológica consiste então, numa das maneiras de entendermos os elementos dessa complexidade, que tanto nos surpreendeu no passado, quando nossos ancestrais procuravam desvendar como e porque tudo isso ocorre. Um dos eventos climáticos mais instigante e presente no nosso cotidiano, tanto pela sua dimensão geográfica, como pelos seus efeitos desastroso na nossa sociedade, é o El Niño, também chamado de ENOS (El Niño Oscilação Sul), que pouco sabemos em toda sua extensão, mas que estamos aprendemos e entendendo a cada dia sobre o seu mecanismo de funcionamento. Este trabalho, que foi publicado em 2019 e atualizado em 2021, faz parte de uma extensa pesquisa de acompanhamento do El Ñino, seus efeitos e características na cidade Vitória da Conquista e tem a pretensão de tentar desvendar um pouco mais sobre os efeitos desse evento climático extremo aqui na cidade, com base na análise dos dados registrado na Estação Meteorológica da cidade, quais as suas características, os efeitos sobre o ambiente e como afeta a vida aqui no local. Para isso, utilizou-se a abordagem da Meteorologia Dinâmica de Max Sorre e Análise Rítmica de Monteiro, com base na classificação Climática de Thornthwaite e Mather, para analisar os dados sobre a ocorrência dos ENOS, seus efeitos na cidade de Vitória da Conquista. Os resultados mostraram que o poder de resiliência dos ambientes está atrelado ao desenvolvimento econômico-social de cada lugar e, temos ainda muito o que aprender sobre estes eventos, muito caminho a percorrer sobre o conhecimento de seu funcionamento. Nesse meio de caminho, nos resta administrar os recursos hídricos de forma racional como forma de conviver sem maiores problemas com o ENOS, e assim diminuir os efeitos negativos quando estivermos sob sua influência.


Palavras-chave


El Niño, Vitória da Conquista, Estação Meteorológica, resiliência, climatologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 332 p.

BURGOS, J.J. Agroclimatic classifications and representations: report of the applications value of climatic and agroclimatic classification for agricultural purposes. Varsovia: WMO, Comission for Agricultural Meteorology, 1958.

FERRAZ, J. de Sampaio. Meteorologia Brasileira – Esboço elementar de seus principais problemas. Biblioteca Pedagógica Brasileira. Série V, Brasiliana, Vol. XXXIII. Companhia Editora Nacional. São Paulo. 1934.

FLOHN, H. Neue Auschavvgen uber die allgemeina zirulation der Atmosphare und igre Klimatische Bedeutung. Erdkund, 1950, v.4, p. 141-162.

HERBERTSON, A. J. The major natural regions: an essay in systematic geography. The Geographical Journal, v. 25, n. 3, p. 300-312. 1905.

HOLDRIDGE, L.R. Determination of World Plant Formation from Simple Climate Data. Science, 105, 367-368. 1947.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes. 1928.

MAIA, Meirilane Rodrigues. Zoneamento geoambiental do município de Vitória da Conquista - BA: um subsídio ao planejamento – Salvador: UFBA, 2005.169p. Dissertação (Mestrado).

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. Da necessidade de um caráter genético à classificação climática. Revista Geográfica, Rio de Janeiro, vol.31, n. 57, p. 29-44, 1962.

MOLION, L.C.B. Um século e meio de aquecimento global. Ciência Hoje, v. 18, n. 107, p. 20, mar/95

MORIZE, Henrique. Contribuição ao estudo do clima do Brazil. Rio de Janeiro: Min. da Agricultura, 1922. 116 p.

NIMER, Edmond. Climatologia do Brasil. 20. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1989.

SERRA, Adalberto. Secondary circulation of southern Brazil. Rio de Janeiro: Ed. do Serviço de Meteorologia, 1938.

SORRE, Maximilien. Les fondements de la Géographie Humaine. Paris: Armand Colin, 1951.

STRAHLER, Arthur N. Physical Geography. New York: Jonh Willey & Sons, 1951.

_______._Physical Geography. 3rd Edition, John Willey, New York, 13-66. 1969.

THORNTHWAITE, C. W.; MATHER, J. R. The water balance. Publications in Climatology, 1955, vol. 8, n. 1. Laboratory of Climatology, Centerton, New Jersey.

TREWARTHA. G. T. An Introduction To Climate. McGraw Hill Book Inc. New York. 1954




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-048

Apontamentos

  • Não há apontamentos.