Efeito da mastite subclínica na produção de leite e seu tratamento na Unidade de Produção Allpachaka a 3.500 metros acima do nível do mar. Ayacucho. Peru / Effect of subclinical mastitis on dairy production and its treatment in the Allpachaka Production Unit at 3,500 meters above sea level. Ayacucho. Peru

Jesús Javier Ñaccha Urbano

Resumo


O presente trabalho de pesquisa foi realizado na Unidade de Produção Allpachaka a 3.500 msnm, propriedade da Universidade Nacional de San Cristóbal de Huamanga, localizada no distrito de Chiara, província de Huamanga e região de Ayacucho.

O estudo incluiu a avaliação de 76 vacas em produção de leite usando o White Side Test modificado, detectando 27 vacas afetadas com mastite subclínica. Dos 304 quartos mamários avaliados, 196 foram negativos (64,47%) e 108 positivos (35,53%) em diversas graus de significância e qualificação.

O índice médio de mastite subclínica foi de 1,35%, com grau moderado de infecção. O percentual de prevalência para os meses de janeiro, março, abril e maio foi de 3,95% e para os meses de fevereiro e junho foi de 7,89%. O delineamento do quadrado latino e a análise de variância foram estatisticamente significantes em relação aos tratamentos "metrimast", "pen strep" e "tara". O teste do qui-quadrado mostrou que os casos de mastite subclínica estão relacionados com a idade, período de lactação, produção de leite e posição dos quartos mamários.

Os agentes etiológicos isolados em vacas com mastite subclínica foram bactérias: Staphylococcus aureus com 48,15%, Streptococcus agalactiae 29,63%, Escherichia coli 14,82%, Corynebacterium bovis 3,70% e Pseudomonas aeruginosa 3,70% e fungos ambientais.

No teste de antibiograma, discos com antibióticos gentamicina, canamicina, estreptomicina, penicilina, eritromicina, cloranfenicol e bacitracina foram usados para avaliar a sensibilidade e resistência bacteriana.

As perdas econômicas foram estimadas em 3,20% com uma emissão de leite de 2.365 litros em vacas afetadas com mastite subclínica, o que significa que o tratamento adequado e oportuno evitou um novo aumento nos casos de mastite.

É necessário manter a produção leiteira e aumentar o valor nutricional com forragem verde, feno, silagem e ração concentrada, levando em consideração os temas de saúde animal e manejo pecuário.


Palavras-chave


mastite, clínica, subclínica, antibióticos, cepas.

Texto completo:

PDF

Referências


Padrão Técnico Peruano. NTP - ISO 707. 1998. Leite e produtos lácteos. Lima

Barón, E. Finegold, S. Methos para testar a afetividade antimicrobiana. In: Bailey e Scott diagnostic microbiology. (th. Ed. The Mosby Co. St. Lois. 1990. Pp. 172-185.

Magariños. H. Produção higiênica de leite cru. Editar. PSI. S.A. 2000. Chile. Pág. 93

Veisseyre, R. Technical lactology. Editar. Acribia. 1980. Espanha. Pp. 95.

Montalvo, M. Olivos, O. Gilabert, S. Rodríguez, A. Análise do risco dos medicamentos veterinários presentes nos alimentos. Rev. Notícias em farmacologia terapêutica. 2004.

Diez, P. Calderón, V. Uso de antibióticos em medicina veterinária. The Reveurs Lange. 1999. Disponível em: http://www.cfnavarra.es/salud/anales/texto/vol22/suple3/pdf/26/si.pdf

Zurique. L, San Martín, B. Resíduos antimicrobianos no leite. 1994. Chile. Pp.28.

Marín, M. Gudiol, F. Beta-lactam antibiotics. Rev. Clinical Microbiology. 2003. Pp.42.

Khaskheli, M. Malik, R. Arain, M. Soomro, A. Arain, A. Detection of betalactamic antibiotic in milk. Jornal de nutrição. Paquistão. 2008. (5): 682-685.

Morejon, M. Salud, R. Cue, M. Update on tetracyclines. Rev. Cuban Farm. 2003,37 (3): 1-1

Lucas, M. Mestorino, M. Errecalde, J. Macrolides: novidades de um grupo clássico de antimicrobianos. 2007. Analeto veterinário. 27 (1): 36-45.

Gonzáles, J. Barreto, J. Rodríguez, M. Pino, P. Lim. A. Macrolides. Certificado médico. 1998. 8 (1): 71-74.

Palomino, J. Pachón, J. Aminoglycosides. Doente Infec. Microbiol. Clin. 2008. 21 (2): 105-115.

Marshall, R. Edmondson, J. Department of Food and Nutrition. 2005. Venezuela. Pp. 103-184.

Concha, C. Holmberg, O. Morein, B. Characterization and response to mitogen of mammary lymphocites from the bovine dry period secreção. J. Dayry Res. 47: 305-311.

Arauco. F. Monitoramento epidemiológico em mastite subclínica. 2006. Citado da fonte: http://www.ergomix.com/s_ganaderia_leche.htm

Rodríguez, G. Comportamento da mastite bovina e seu impacto econômico. 2006. Rev. Med. Vet. No. 12: 35-55.

Fernández, L. Delgado, S. Herrero, H. Maldonado, A. Rodríguez, J. The bacteriocin nisis, um agente eficaz para o tratamento da mastite estafilocócica durante a lactação. J Hum. Lact. 2008. 24 (3): 311-6.

Gómez, G. Bovine mastitis. Bovine Encyclopedia. 2008. Mexico.

Lambert, P. Bacterial resistência ao antibiótico. 2005. Rev. Drug delivery. 57: 1471-1485.

McKellar, A. intrammary treatment of mastitis in vacas. Na prática. 244-249

Hinckley, L. Post, E. Decloux, J. Antibiotic susceptibility profile for mastitis treatment. 2005. JAVMA: 187: 709-711.

López, J. Higuera, J. Ochoa, A. Chassin, O. Valdez, J. Bravo, A. Baizabal, V. Molecular Characterization of isolates of Staphylococcus spp, associated with bovine mstitis. Antonoma Michoacan University. 2006. http://deralyc.uamex.mx/pdf/61344108.pdf.

Faddin, J. Testes bioquímicos para a identificação de bactérias de importância clínica. http://www.josecortes.com/microbiologia/pruebasbioq/index.htm.

Acuña, C. Chertcoff, R. Cisneros, G. Izak, E. Nimo, J. Resistência antimicrobiana de Staphylococcus aureus, isolado de quartos com mastite clínica na Argentina. Proceeding National Mastitis Council Annual Meeting. 2000. Atlanta. Pp. 217-218.

Mc Clintock, E. Caesalpinea, Higuer Plants of California Manual. University of California Press. mil novecentos e noventa e seis.

Eshun, K. He, Q. Aloe vera: a valioso ingrediente para as indústrias alimentícia, farmacêutica e cosmética uma revisão. Ciência Alimentar e Nutrição. 2004. 44 (2): 91-96.

Bhat, F. Bhattacharyya, K. Hussain, S. Teste do lado branco: um teste simples e rápido para a avaliação de infecções bacterianas genitais não específicas de bovinos reprodutores repetidos. Veterinario. Res. Forum. 2014; 5 (3): 177-80.

Santos, A. Oliveira, D. De Frietas, C. Alves, B. Alfonso, I. Staphylococcus aureus: visitando uma cepa de importância hospitalar. 2007. Scielo, 43 (6).

Thornsberry, C. Marler, J. Watts, J. Yancey, R. Activity of pirlimmycin contra patógenos de vacas com mastite e recomendações para teste de difusão de disco. 1993. Antimicrob. Agentes. Chemother. 37: 1122-1126.

Ziv, G. Seleção de drogas e uso na mastite: terapia sistêmica e local. JAVMA. USOS. 176: 1109-1115.

Novoa, R. Epizootiologia e avaliação econômica da mastite bovina em rebanhos leiteiros na província de Cienfuegos. Dissertação de mestrado. Faculdade de Ciências e Medicina Veterinária de Havana. 2003. Pp. 58.

Faria, J. García, A. D´Pool, G. Valero, K. Allara, M. Angelosante, G. Detecção de mastite subclínica em bovinos mestiços de duplo propósito ordenhados manualmente e mecanicamente. Maracaibo. Rev. Cietif. 2005. Vol. 15. No. 2. Pp.109-118.

Calderón, A. Martínez, N. Cardona, J. Determinação de fatores de proteção para mastite bovina. U de Córdova. Rev. UDC. Http://www.scielo.org.co/pdf/rudca/v12n2a07.pdf

Pinzón, J. Mastite bovina: tipos, agentes causais e diagnóstico, 1989. FONAIAP. Nº31.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-044

Apontamentos

  • Não há apontamentos.