Impactos macroscópicos e qualidade da água das nascentes urbanas do município de Passos – MG / Macroscopic impacts and water quality of urban springs in the municipality of Passos - MG

Andressa Graciele dos Santos, Sayonara Suyane de Almeida, Andre Phelipe da Silva, Fernando Spadon, Michael Silveira Reis, Odila Rigolin de Sá, Tânia Cristina Teles

Resumo


Todo rio nasce pelo brotamento de algumas nascentes, ou seja, afloramentos da água armazenada em depósitos subterrâneos de regiões mais altas. Águas de várias nascentes vão se reunindo em um pequeno recanto, que depois se une a outros, correndo pelo solo em direção aos terrenos mais baixos. O trabalho teve como objetivo realizar o diagnóstico de nascentes urbanas no município de Passos-MG, levantando os principais impactos antropogênicos e ambientais nos pontos de estudo e catalogar demais nascentes localizadas. Para o desenvolvimento do projeto foi realizado visitas in loco e coletas da água e sedimento. As amostras coletadas foram transportadas aos laboratórios de Hidrobiologia, Corredor Verde e Laboratório de Análises de Solos da UEMG/MG, para posteriores análises, seguindo as metodologias descritas por Standard Methods 2017 para as amostras de água, solo e sedimento (RAIJ et al.,1997) e para avaliação de impactos ambientais (GOMES; et. al.,2005). O maior impacto observado nas nascentes foi a ocupação antropogênica, ocupação desordenada, presença de resíduos domésticos, industriais e elevados processo erosivo. É necessário seguir as legislações vigentes, isolar a área e implantar medidas para a recuperação destas nascentes.


Palavras-chave


diagnóstico, mata ciliar, degradação.

Texto completo:

PDF

Referências


APHA. Standard Methods For The Examination Of Water And Wastewater, 23nd Ed.: American Public Health Association, American Water Works Association, Water Environment Federation. Washington, DC.,2017.

ALMEIDA, D.S. Projeto de recuperação de matas ciliares de nascentes da bacia do Rio dos Mangues. In: Congresso de Exposição Internacional sobre Florestas, Porto Seguro. Anais. Rio de Janeiro, p. 575-576, 2000.

BRANDÃO, A.C.B. Manual de Controle da Qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS – Ministério da Saúde. Brasília: Funasa, 2014.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 303, de 20 de março de 2002. Ministério do Meio Ambiente, 2002.

BRASIL. Medida Provisória nº 571, de 25 de maio de 2012. Altera a Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012, que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância e controle da qualidade da água para o consumo. p.212. Brasília, 2006.

CARMO, C.A.F.S; ARAÚJO, W.S.; BERNARDI, A.C.C; SALDANHA, M.F.C. Métodos de análise de tecidos vegetais utilizados na Embrapa Solos. Rio de Janeiro, 2000.

CASTRO, S.V. Efeitos de metais pesados presentes na água sobre a estrutura das comunidades bentônicas do alto rio das velhas –MG. Belo Horizonte, 2006.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente; Resolução n. 01 (Impacto Ambiental), Diário Oficial da União, 1986.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente; Resolução n. 357, Brasília: Brasil, 2005.

CRISPIM, J. Q., MALYSZ, S. T., CARDOSO, O. PAGLIARINI, S. N. Conservação e proteção de nascentes por meio do solo cimento em pequenas propriedades agrícolas na bacia hidrográfica Rio do Campo no Município de Campo Mourão – PR. Revista Geonorte, v.3.n.4.p. 781-790. 2012.

DI BERNARDO, L.; DANTAS, A. D.B. Métodos e técnicas de tratamento de água. 2. ed. p.1565. São Carlos: RIMA, 2005.

DORNELLES, F.N. Avaliação de cobre e zinco em água, sedimento e peixes do rio Apucaraninha na região da terra indígena Apucarana. Londrina, 2016.

FELIPPE, M.F.; MAGALHÃES JÚNIOR, A.P. Consequências da Ocupação Urbana na Dinâmica das Nascentes em Belo Horizonte-MG. In: VI Encontro Nacional Sobre Migrações. Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: CEDEPLAR, FACE, UFMG, 2009.

GOMES, P. M., MELO, C., VALE, V.S. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes na cidade de Uberlândia – MG. In Sociedade & Natureza. p. 103 – 120, 2005.

PEREIRA, P. H. V., PEREIRA, S. Y., YOSHINAGA, A., PEREIRA, P. R. B. Nascentes: análise e discussão dos conceitos existentes. Periódico eletrônico Forúm Ambiental da Alta Paulista. São Paulo/SP. v. 07.n. 02, 2011.

PINTO, L.V.A. Estudo das nascentes da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Scientia Forestalis. n. 65. p.197-206,2004

PIRATOBA, A.R.A.; RIBEIRO, H.M.C; MORALES, G.P.; GONÇALVES, W. Caracterização de parâmetros de qualidade da água na área portuária de Barcarena, PA, Brasil. Taubaté, 2017.

SARRUGE, J. R.; HAAG, H. P. Analises quimicas em plantas. Piracicaba, 1974.

SILVA, D. J. Análise de alimentos: métodos químicos e biológicos. Imprensa Universitária. Viçosa, 1981.

VON SPERLING, M. Estudos de modelagem da qualidade da água de rios. Belo Horizonte: UFMG. v. 7. p.452.,2007.

ZUIN, V. G.; IORIATTI, M. C. S.; MATHEUS C. E. O emprego de parâmetros físicos e químicos para a avaliação da qualidade de águas naturais: uma proposta para a educação química e ambiental na perspectiva CTSA. Química Nova na Escola. v. 31. 2009.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-042

Apontamentos

  • Não há apontamentos.