Estudo retrospectivo da infecção causada por Ehrlichia spp. Em cães de Manaus, Amazonas (2018-2020) / Retrospective study of the infection caused by Ehrlichia spp. In dogs of Manaus, Amazonas (2018-2020)

Fernanda Caroline Barbosa Maciel, José Bruno Oliveira da Silva, Edson Francisco do Espírito Santo

Resumo


A erliquiose canina é uma enfermidade severa causada por rickettsias do gênero Ehrlichia sp., com distribuição mundial, sendo considerada a doença infecciosa mais transmitida por carrapatos a cães. O objetivo deste estudo foi realizar a caracterização epidemiológica da erliquiose em cães na cidade de Manaus-AM de modo retrospectivo e multicêntrico, por meio da análise de prontuários de pacientes da espécie canina, que foram atendidos em 26 clínicas e consultórios registradas no CRMV-AM, em cinco diferentes regiões da cidade, entre 2018 e 2020. Como resultados, do total de 1.670 casos abrangendo quatro diferentes doenças infecciosas em cães, 950 foram de erliquiose, estando bem distribuídos ao longo do período de estudo. Observou-se maiores incidências na zona Leste da cidade (38,32%) e no período chuvoso (62,32%), de dezembro a maio, acometendo principalmente cães sem raça definida (44,74%) e Poodles (10,64%), machos (52,63%), com idade média de três anos e meio, sendo 70,63% dos indivíduos com idade superior a um ano. Em relação aos sinais clínicos, os mais comumente encontrados foram apatia, anorexia, êmese, diarreia, anemia, trombocitopenia, epistaxe e mucosas hipocoradas a ictéricas. Os resultados obtidos evidenciam a erliquiose como a doença infecciosa com maior casuística na cidade de Manaus, o que demonstra a importância do estabelecimento do perfil epidemiológico da enfermidade neste município, e dessa forma fomentar informações para os médicos veterinários quanto à sua prevenção.

 


Palavras-chave


canino, casuística, clínica de pequenos animais, epidemiologia, medicina veterinária.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, D. M. Aspectos epidemiológicos da erliquiose canina no Brasil. 95f. Dissertação (Doutorado em Medicina Veterinária) – Universidade de São Paulo, 2006.

Albernaz, A. P., Miranda, F. J., Melo Junior, A. O., Machado, J. A., Fajardo, H. V. (2007). Erliquiose canina em Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Ciência Animal Brasileira, 8 (4), 799-806.

Azevedo, S. S., Aguiar, D. M., Aquino, S. F., Orlandelli, R. C., Fernandes, A. R., Uchoa, I. C. (2011). Soroprevalência e fatores de risco associados a soropositividade para Ehrlichia canis em cães do semiárido da Paraíba. Revista Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 48 (1), 14-18.

Bonatto, N. C., Francisco, O. (2009). Situação epidemiológica da erliquiose canina na cidade de Ourinhos–SP. VII Congresso de Iniciação Científica das Faculdades Integradas de Ourinhos. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2021.

Borin, S., Crivelenti, L. Z., Ferreira, F. A. (2009). Aspectos epidemiológicos, clínicos e hematológicos de 251 cães portadores de mórulas de Ehrlichia spp. naturalmente infectados. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 61 (3), 566-571.

Carreira, J. R. Impacto do manejo clínico da diabetes mellitus canina e felina na qualidade de vida do cuidador e do paciente. 155f. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2016.

Cézar, S., Babo, A. M., Machado, A., Bastos, E., Carneiro, R. L., Santos, R., Souza Wilker. (2020). Estudo epidemiológico da erliquiose monocítica canina na cidade de Barreiras – Bahia. Revista PUBVET, 14 (10), Art. ME2668.

Costa, J. S., Melo, A. L., Witter, R., Pacheco, T. A., Chitarra, C. S., Carvalho, I. T., Nakazato, L., Dutra, V., Pacheco, R. C., Aguiar, D. M. (2019). Detecção molecular de Ehrlichia canis em carrapatos Rhipicephalus sanguineus (s.l.), em cães e em seus ambientes domésticos em Cuiabá, MT, Brazil. Revista Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 56 (2), e153661.

Donizete, J. C. Ocorrência de erliquiose em cães atendidos em clínica médico veterinária da cidade de Arcos-MG. 36f. Monografia (Graduação em Medicina Veterinária) – Universidade de Formiga, Formiga, 2016.

Ferreira, M. R., Freitas-Filho, E. G., Dias, M., Moreira C. N. (2012). Prevalência, fatores de risco e associações laboratoriais para erliquiose monocítica canina. Revista Enciclopédia Biosfera, 8 (15), 1345-1356.

Fonseca, J. P., Hirsch, C., Guimaraes, A. M. (2013). Erliquiose monocítica canina: epidemiologia, imunopatogênese e diagnóstico. Revista PUBVET, 7 (8), Art. 1529.

Frank, J. R., Breitschwerdt, E. B. (1999). A retrospective study of ehrlichiosis in 62 dogs from North Carolina and Virginia. Journal of Veterinary Internal Medicine, 13 (3), 194-201.

Fraser, C. M. Manual Merck de Veterinária: um manual de diagnóstico, tratamento, prevenção e controle de doenças para o veterinário. 7ed. São Paulo: Roca; 1996. Capítulo 5, Afecções Generalizadas, 497-499.

Greene, C. G. Doenças Infecciosas em Cães e Gatos. 4ed. Rio de Janeiro: Roca, 2015. Capítulo 26, Infecções por Ehrlichia e Anaplasma, 481-548.

Jericó, M. M., Andrade Neto, J. P., Kogika, M. M. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. 1ed. Rio de Janeiro: Roca, 2015. Capítulo 83, Erliquioses, 1294-1306.

Moraes Junior, J. (2015). Levantamento de carrapatos ixodídeos e hemoparasitas de cães recebidos pelo centro de controle de zoonoses de Manaus. Repositório Institucional da Ufam. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2021.

Saito, T. B. Estudo da erliquiose em cães expostos a carrapatos Rhipicephalus sanguineus experimentalmente infectados. 127f. Dissertação (Doutorado em Medicina Veterinária) – Universidade de São Paulo, 2009.

Santarém, V. A. Achados epidemiológicos, clínicos e hematológicos e comparação de técnicas para diagnóstico de Ehrlichia canis. 130f. Dissertação (Doutorado em Medicina Veterinária) – Universidade Estadual Paulista, 2003.

Seibert, M., Silva, N. R., Chaplin, E. L., Araújo, F. A. (1997). Ocorrência de Ehrlichia (Rickettsiales: Rickettsiaceae) em cães conduzidos ao hospital de clínicas veterinárias da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil. Arquivos da Faculdade de Veterinária UFRGS, 25 (2), 84-102.

Sherding, R. G. Riquetsione, erliquiose, anaplasmoses e neorriquetsiose. 3ed. São Paulo: Roca; 2008. Capítulo 17, 182-186.

Silva, I. P. (2015). Erliquiose canina – Revisão de literatura. Revista Científica de Medicina Veterinária, 24 (1), 1-16.

Silva, M. V., Fernandes, R. A., Nogueira, J. L., Ambrósio, C. E. (2011). Erliquiose canina: revisão de literatura. Arquivo de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, 14 (2), 139-143.

Soares, J. M., Carmo, B. M., Assis Júnior, W. G., Franco, A. A., Schimmunech, M. S., Moreira, R. M., Oliveira, P. G., Moreira, C. N. (2020). O uso de testes rápidos na rotina clínica veterinária. Brazilian Journal of Development, 6 (7), 52328-52333.

Tilley, L. P., Smith Junior, F. W. Consulta veterinária em 5 minutos. 5ed. Barueri: Manole; 2015. Capítulo 463, Erliquiose, 485-486.

Viana, S. S., Souza, F. S., Lisbôa, R. S. (2012). Uso da hemoterapia em cães da cidade de Manaus, AM. Revista PUBVET, 6 (8), Art. 1311.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-040

Apontamentos

  • Não há apontamentos.