Ações de educação ambiental para conservação e preservação do Córrego Bela Vista, Piacatu-SP / Environmental education actions for conservation and preservation of the Bela Vista Stream, Piacatu-SP

Saula Rodrigues Borges Filipim, Renata Ribeiro de Araújo

Resumo


O presente estudo apresenta as contribuições e os primeiros resultados obtidos através Projeto “Rios Vivos” na bacia hidrográfica do córrego Bela Vista, em Piacatu-SP. O Projeto Rios Vivos é um projeto de educação ambiental aprovado pela Câmara Técnica de Educação Ambiental do Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema (CT-EA/CBH-PP) e indicado ao Fundo Estadual de Recursos Hídricos para financiamento de suas atividades local e regional. O objetivo do projeto Rios Vivos é a construção de conhecimentos sobre sua realidade e o estabelecimento de novas atitudes e valores para com o ambiente, assim como para a mobilização social em defesa da água, envolvendo o cidadão na recuperação e conservação das bacias hidrográficas a partir do monitoramento da qualidade ecológica dos rios. Os resultados obtidos com a aplicação da metodologia do projeto Rios Vivos no córrego Bela Vista são encorajadores e animadores. Foram realizadas oficinas de capacitação, visitas de campo, estudos do meio e com o auxílio de parceiros e voluntários, foi criada a Rede de Monitoramento do Córrego Bela Vista, que verificará a qualidade da água através de um monitoramento físico, químico e biológico do manancial em diferentes pontos de sua extensão para criação e alimentação de um Banco de Dados com os resultados obtidos. Apesar da saúde ecológica do córrego Bela Vista ser crítica, possibilidades existem na sua recuperação e por isso a razão de se desenvolver educação ambiental voltada em aproximar a comunidade de seu manancial e contribuir para o desenvolvimento sustentável em toda a extensão dessa bacia hidrográfica.

 


Palavras-chave


Educação Ambiental; Projeto Rios Vivos; Rede de Monitoramento da Qualidade da Água.

Texto completo:

PDF

Referências


ALFAKIT. Kits e equipamentos para análise de águas e efluentes. Disponível em: http://www.alfakit.ind.br/. Acesso em: 02 fev. 2014.

BARBOZA, G. C. Monitoramento da qualidade e disponibilidade da água do Córrego do Coqueiro no Noroeste Paulista para fins de irrigação. Dissertação (Mestrado em Agronomia). UNESP - Faculdade de Engenharia. Ilha Solteira, 2010.

BARRETO, I. M. C. B. do N. Educação Ambiental em Bacia Hidrográfica e o Saneamento. 2008. Disponível em: http://www.cenedcursos.com.br/educacao-ambiental-em-bacia-hidrografica-e-o-saneamento.html. Acesso em: 15 mar. 2014.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 2.ed. São Paulo, Ícone, 1990.

BOTELHO, R. G. M; DA SILVA, A. S. Bacia hidrográfica e Qualidade Ambiental. In: VITTE, A. C; GUERRA, A. J. T. (Org.). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 13 jun. 2014.

BRASIL. Lei nº 6938, de 31-08-1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm. Acesso em: 28 abr. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27-04-1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 20 mar. 2014.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 357, de 17-03-2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf. Acesso em: 12 mar. 2014.

CANALI, N. E.; OKA-FIORI, C.; GUEDES, J. A. Propriedades físicas das bacias hidrográficas das baías de Antonina e Paranaguá-PR. I Fórum Geo-Bio-Hidrologia: estudo em vertentes e microbacias hidrográficas. Curitiba-PR, 1998.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: ed. Cortez, 2004.

CASTANHO, M. E. A criatividade na sala de aula universitária. In: VEIGA. I. P. A. CASTANHO, M. E. (Org.). Pedagogia Universitária: a aula em foco. São Paulo: Papirus, 2000.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1980

CORREA, S. M. de S. Capital Social e desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul. Ed. EDUNISC, 2003.

DARWIN, C. Origem das Espécies e a Seleção Natural. São Paulo: Itatiaia, 2002.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia. Rio de Janeiro: Interciência, Finep. 1988.

FILIPIM, S. R. B.; FARIA, J. L. P. Mananciais subterrâneos o abastecimento de água em Piacatu. Monografia de Especialização, UNESP, 2002.

FRANCO, R. A. M.; HERNANDEZ, F. B. T. Qualidade da água para irrigação na microbacia do Coqueiro, Estado de São Paulo. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.13, n.6, p.772–780, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 168 p. (Coleção Leitura).

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

GUIMARÃES, E. M. A. Projetos de Educação Ambiental: Experiências Educativas com o tema Água. In: S. H. F.; J. I. A. (Org.). Metodologia de Projetos na Educação Ambiental. Metodologia de Projetos na Educação Ambiental.1 ed. São Paulo-SP: Páginas & Letras Editora e Gráfica Ltda, v. 1, p. 103-125, 2008.

LEAL, A. C. Meio ambiente e urbanização na microbacia do Areia Branca–Campinas, São Paulo. 1995. Dissertação (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente)–Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista. Rio Claro: UNESP.

LEAL, A.C.; GUIMARÃES, E.M.A. Pelos caminhos do rio. Campinas. 1994. (Mimeogr.) 9p

MATSUMOTO, T.; CESCO, D. D. Os efeitos da pré-oxidação da água bruta em eta de pequeno porte na produção de águas de abastecimento. XXX Congresso Interamericano de Ingenieria Sanitaria Y Ambiental. Punta Del Este, Uruguay, 26 a 30 nov. 2006.

MEYER, S. T. O Uso de Cloro na Desinfecção de Águas, a Formação de Trihalometanos e os Riscos Potenciais à Saúde Pública. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 10 (1): 99-110, jan/mar, 1994.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, Unesco, 2001.

MOTA, S. Preservação e Conservação de Recursos Hídricos. 2. ed. Rio de Janeiro: ABES, 1995.

OECD – Organization for Economic Co-operation and Development. Enviromental Indicators. 159 p. mimeo.

OLIVEIRA, E. M. Educação ambiental: uma possível abordagem. 2. ed. Brasília: UnB, 2000.

PIACATU. Aspectos Gerais do Município. Prefeitura Municipal de Piacatu, Piacatu/SP, 2013.

PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. Tradução: Dirceu Lindoro e Rosa M. R. da Silva. Rio de Janeiro: Florence Universitária, 1970.

PORTO, M. F. A.; PORTO, R. L. L. Gestão de bacias hidrográficas. Estudos avançados. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v22n63/v22n63a04.pdf. Acesso em: 29 dez. 2013.

REIS, J. A. T.; MENDONÇA, A. S. F. Análise técnica dos novos padrões brasileiros para amônia em efluentes e corpos d’água. Eng Sanit Ambient, v.14 n.3, jul/set 2009, p. 353-362.

RIOS, T. A. Compreender e ensinas: Por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2001.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Texto, 2004.

SÃO PAULO. Secretaria de Recursos Hídricos, Saneamento e Obras. Departamento de Águas e Energia Elétrica. Legislação de Recursos Hídricos – Consolidação 1987-2001. São Paulo, DAEE, 2002.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (orgs) Educação Ambiental: pesquisas e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SILVA, E.G. Os entraves para o desenvolvimento da função social da empresa. Revista de Direito Brasileira. Ano 3, vol.6, set.-dez. / 2013

SILVA, I. N. et al. Qualidade de água na irrigação. Agropecuária Científica no Semi-Árido, v.07, n 03 julho/setembro 2011 p. 01 – 15.

SUDO, H., LEAL, A. C. A inserção da geografia física no processo de educação ambiental. In: VII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA/ I FÓRUM LATINO-AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA. 1997, Curitiba. Anais. Curitiba: Departamento de Geografia – Universidade Federal do Paraná, 1997. V. 2

THOMAZ, C.E. Educação Ambiental na Formação Inicial de Professores. Dissertação (Mestrado em Educação). Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, PUC-Campinas, 2006.

TOMAZELLO, M. G. C e FERREIRA, T.R. C. Educação Ambiental: que critérios adotar para avaliar a adequação pedagógica de seus projetos. Ciência & Educação. Piracicaba, v.7, n.2, 2001.

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: ciência e aplicação. Porto Alegre: UFRG/ABRH, 2004.

TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Paulo: RiMa, IIE, 2003

TUNDISI, J.G. (ed.) Limnologia e manejo de represas. vol. 1. Tomo 1. São Paulo: Série Monografias em Limnologia/USP, 1988.

UNESP. Manual de Inspeção de Rios. Disponível em: http://www4.fct.unesp.br/projetos/riosvivos/index.htm. Acesso em: 20 fev. 2014.

VANZELA, L. S. Qualidade de água para a irrigação na microbacia do Córrego Três Barras no Município de Marinópolis, SP. Dissertação (Mestrado em Agronomia). UNESP - Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira. Ilha Solteira, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.