Combate à poluição sonora através de práticas de arborização em escolas e comunidades / Combating noise pollution through trees planting in schools and communities

Thiago José Dias Lacerda, Armando Venâncio Ferreira do Nascimento, Paulo Roberto Ramos

Resumo


Partindo da noção de que poluição é tudo que provoque uma alteração ecológica, o excesso de barulho ou como podemos chamar, ruído é uma das poluições mais toleradas, do ponto de vista de aceitabilidade social e não de suportabilidade, pelas sociedades atuais. Apesar de ser perceptível, uma vez que num ambiente acusticamente poluído, por advento da poluição sonora, são gerados prejuízos às atividades que devem ali acontecer, a temática ainda é negligenciada. O quanto o meio pode ser afetado está ligado a sensibilidade de seus constituidores. Variáveis como frequência, intensidade e nível sonoro são também importantes quando estuda-se o impacto gerado pelas ondas sonoras. A difusão até mesmo comum de materiais acusticamente isolantes exemplifica o fato de que o ser humano sempre buscou controlar o excesso de ruído, sendo essa uma reclamação antiga. Dentre tais materiais a madeira é utilizada frequentemente para isolamento acústico. Tendo isso em vista pode-se analisar o potencial das próprias árvores como dissipadoras e amortecedoras de ondas sonoras. Práticas de arborização podem auxiliar nessa questão em comunidades escolares, bem como incentivar atividades socioambientais. O Programa Escola Verde é responsável por junto a escolas promover diferentes atividades voltadas à temática ambiental, uma dessas atividades é a arborização que dentre muitos benefícios pode, ainda, ser efetiva no combate à poluição sonora. 


Palavras-chave


educação ambiental, escolas, poluição sonora, arborização, combate.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Simone Adad. Perda auditiva induzida pelo ruído em trabalhadores de metalúrgica. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, v. 68, n. 1, p. 47-52, 2002.

BRASIL.Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CABRAL, Pedro Ivo Decurcio; PERÍCIA, Auditoria; AMBIENTAL, Governança. Arborização urbana: problemas e benefícios. Revista Especialize On-line IPOG, Goiânia, n. 06, p. 1-15, 2013.

CATAI, Rodrigo Eduardo; PENTEADO, André Padilha; DALBELLO, Paula Ferraretto. Materiais, técnicas e processos para isolamento acústico. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais. 2006. p. 4205-4216.

COELHO, Ivan Dantas et al. Arborização urbana na cidade de Campina Grande-PB: Inventário e suas espécies. Revista de biologia e ciências da Terra, v. 4, n. 2, 2004.

DIAS, Adriano et al. Associação entre perda auditiva induzida pelo ruído e zumbidos. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, p. 63-68, 2006.

DREOSSI, Raquel Cecília Fischer; MOMENSOHN-SANTOS, Teresa. O ruído e sua interferência sobre estudantes em uma sala de aula: revisão de literatura. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, v. 17, n. 2, p. 251-8, 2005.

FARIAS, Talden Queiroz. Análise jurídica da poluição sonora. Revista Direito e Liberdade, v. 3, n. 2, p. 669-688, 2010.

FERNANDES, Davi Cruz. Aspectos gerais acerca da poluição Sonora. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 7, n. 4, 2011.

FERNANDES, João Candido. Acústica e ruídos. Bauru: Unesp, v. 102, 2002.

GONÇALVES, Valéria de Sá B.; SILVA, Luiz Bueno da; COUTINHO, Antonio Souto. Ruído como agente comprometedor da inteligibilidade de fala dos professores. Production Journal, v. 19, n. 3, p. 466-476, 2009.

HALLIDAY; RESNICK; WALKER. Fundamentos de Física. Vol.2. 8. Ed. Editora LTC, 2009.

HANS, Ramon Fernandes. Avaliação de ruído em escolas. Revista Tecnologia e Tendências, v. 2, n. 2, p. 9-20, 2003.

HONORATO, Ana Maria Borges et al. Avaliação de modelos analíticos para a determinação da absorção sonora de materiais poroelásticos. 2013.

JAROSZEWSKI, Graziela Cambruzzi; ZEIGELBOIM, Bianca Simone; LACERDA, Adriana. Ruído escolar e sua implicação na atividade de ditado. Revista CEFAC, v. 9, n. 1, p. 122-132, 2007.

KIGHT, Caitlin R.; SWADDLE, John P. How and why environmental noise impacts animals: an integrative, mechanistic review. Ecology letters, v. 14, n. 10, p. 1052-1061, 2011.

LOUREIRO, Eduardo Pacheco. A física aplicada na transmissão e recepção por ondas de rádio. 2005.

MALEKI, Kobra et al. Investigation of the effects of leaves, branches and canopies of trees on noise pollution reduction. Annals of Environmental Science, v. 5, p. 13-21, 2011.

MILANO, M. S.; DALCIN, E. C. Arborização de Vias Públicas. 1. ed. Rio de Janeiro: Light,

NUSSENZVEIG, Herch Moysés. Curso de Física Básica: fluidos, oscilações e ondas, calor. Editora Blucher, 2018.

NUWER, Rachel. O que aconteceria se todas as árvores do mundo desaparecessem?. BBC News Brasil, 2019. Disponível e: < https://www.bbc.com/portuguese/vert-fut-49803459>. Acesso em: 29 de out. de 2019.

O PROJETO. Projeto Escola Verde, 2019. Disponível em: < https://escolaverde.org/site/>. Acesso em: 29 de out. de 2019.

OMS recomenda limites de exposição a poluição sonora. Made for minds, 2018. Disponível em: < https://www.dw.com/pt-br/oms-recomenda-limites-de-exposi%C3%A7%C3%A3o-%C3%A0-polui%C3%A7%C3%A3o-sonora/a-45831111>. Acesso em: 29 de out. de 2019.

PIUBELLI, Sérgio Luiz et al. Simulador de propagação de ondas mecânicas em meios sólidos para o ensino da física. 2010.

ROCHA, José Fernando, et al. Origem e evolução das ideias da física. EDUFBA: Salvador, 2002.

RODRIGUES, Felipe V. Fisiologia da música: uma abordagem comparativa. Revista da biologia, v. 2, p. 12-17, 2018.

ROSSETTI, Adriana Inês Napias; PELLEGRINO, Paulo Renato Mesquita; TAVARES, Armando Reis. As árvores e suas interfaces no ambiente urbano. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 5, n. 1, p. 1-24, 2019.

SILVA, Solange Teles da. Poluição visual e poluição sonora: aspectos jurídicos. id/496891, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.