Germinação de sementes de Ficus adhatodifolia Schott exSpreng. (Moraceae) após dois anos e meio de armazenamento / Seeds germination of Ficus adhatodifolia Schott ex Spreng. (Moraceae) two years and a half after storing

Marilza Machado, Nathalya Machado de Souza, Diones Krinski, Gabriela Granghelli Gonçalves, Lin Chau Ming

Resumo


Pesquisas com sementes de espécies nativas ainda são escassas, sobretudo do que se diz respeito às condições ideais de germinação de algumas espécies, como a Ficus adhatodifolia, onde os poucos estudos são relacionados com as interações ecológicas da espécie (polinização). Considerando isso, o objetivo desse trabalho foi verificar a porcentagem de germinação de sementes de F.adhatodifolia armazenadas por mais de dois anos no Laboratório de Sementes da UNESP/Botucatu/SP. Para isso, utilizamos oteste de germinação proposto nas Regras de Análise de Sementes.A porcentagem de germinação após dois anos e meio de armazenamento foi de 68,8% e verificamos uma diminuição de aproximadamente 12% quando comparamos este resultado com o teste de germinação realizado logo após a coleta das sementes. Mesmo assim, testes de germinação devem ser realizados com sementes armazenadas por mais tempo visando verificar quanto tempo de armazenamento as sementes de F. adhatodifolia podem suportar sem perder seu vigor.


Palavras-chave


Figueira branca, Propagação sexuada, Plantas medicinais.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTON, L.V. Seedpreservationandlongevity. London: Leonard Hill Books, 216p. 1961.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília: Mapa/ACS. 399 p. 2009.

CARAUTA, J.P. Ficus(Moraceae) no Brasil: conservação e taxonomia. Albertoa, FEEMA- Serviço de ecologia aplicada, Rio de Janeiro, 2: 96-99, 1989.

CARAUTA, J.P.P., DIAZ, B.E. Figueiras no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ: 208 p. 2002.

FERREIRA, A.G., BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed: 323 p. 2004.

CEREZINI, M.T., GOBBO, S.E., FELICIO, D.T., BARROS, L.V., PEREIRA, R.A.S. Comunidade de figueiras do campus da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto: implicações na manutenção da fauna de frugívoros e na recomposição de áreas de preservação permanente. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 4, n.1, p.190-195, 2021.

FREDERICKSEN, T.S., JUSTINIANO, M.J., RUMIZ, D., MCDONALD, E., AGUAPE, R. Ecologia y silvicultura de especies menos conocidas. BibosiHiguerón–Ficusspp. Moraceae, Santa Cruz/ Bolívia: Bolfor, 57 p. 1998.

GONÇALVES, G.G. Propagação e desenvolvimento inicial de Ficus adhatodifolia Schott exSpreng. (Moraceae) em diferentes temperaturas, intensidades luminosas e substratos. 74p. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2012.

NAZARENO, A.G. Estrutura e diversidade genética de populações naturais deFicusspp. (Moraceae) em fragmentos florestais no Estado de São Paulo. 106 p. (Dissertação de Mestrado) - Universidade de São Paulo São Paulo, 2009.

PEREIRA, R.A.S. Lutas fatais dentro do figo. Ciência Hoje36: 66-69. 2005.

SOUZA, P.P. Beneficiamento de sementes de Ficus (Moraceae). Albertoa, SérieUrticineae 6: 42-23, 2001.

MARTINELLI, P. Efeitos das interações entre auxinas e ácido bórico em dois métodos de aplicação, no enraizamento de estacas caulinares de Ficus glabra Vell. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2002.

ROCHA, F.T. Levantamento florestal na estação ecológica dos Catetuscomo subsídio para laudos de desapropriação ambiental. 156 p. (Dissertação de Mestrado) – ESALQ, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.