Determinação da umidade em sementes da figueira (Ficus adhatodifolia Schott ex Spreng. - Moraceae) armazenadas por dois anos e meio / Moisture determination in fig tree (Ficus adhatodifolia Schott ex Spreng. - Moraceae) seeds stored for two and a half years

Marilza Machado, Nathalya Machado de Souza, Diones Krinski, Gabriela Granghelli Gonçalves, Lin Chau Ming

Resumo


A determinação da umidade das sementes pode auxiliar na preservação de espécies florestais, pois a umidade é um dos fatores que influenciam no processo de deterioração das sementes. Assim, o objetivo desse trabalho foi definir o teor de umidade de sementes de Ficus adhatodifolia armazenadas por mais de dois anos no Laboratório de Sementes da UNESP/Botucatu/SP. Para isso, utilizamos o método de estufa proposto nas Regras de Análise de Sementes. O teor de umidade para sementes de F. adhatodifolia foi de 8,50 ± 0,16%, indicando que estas sementes podem estar em boa qualidade para serem utilizadas na propagação da espécie, pois para armazenamentos por períodos maiores que 12 meses, a literatura relata que as sementes devem apresentar teores de umidade inferiores a 11%, como podemos verificar em nosso estudo. Mesmo assim, o teste de germinação deve ser realizado para verificar a qualidade das sementes armazenadas.


Palavras-chave


Figueira branca, Propagação, Plantas medicinais.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília: Mapa/ACS. 399 p. 2009.

CARAUTA, J. P. P.; DIAZ, B. E. Figueiras no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ: 208 p. 2002.

FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed: 323 p. 2004.

CEREZINI, M. T.; GOBBO, S. E.; FELICIO, D. T.; BARROS, L. V.; PEREIRA, R. A. S. Comunidade de figueiras do campus da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto: implicações na manutenção da fauna de frugívoros e na recomposição de áreas de preservação permanente. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 4, n.1, p.190-195, 2021.

GONÇALVES, G. G. Propagação e desenvolvimento inicial de Ficus adhatodifolia Schott ex Spreng. (Moraceae) em diferentes temperaturas, intensidades luminosas e substratos. 74p. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2012.

HARRINGTON, J. F. Seed storage and longevity. In: KOZLOWSKI T. T. Seed biology. New York: Academic Press, v.3: 145-245, 1972.

HARTMANN, H. T.; KESTER, D. E. Propagacion de plantas. México, Continental, 810p. 1974.

LEONHARDT, C.; TILLMANN, M. A. A.; VILLELA, F. A.; MATTEI, V. L. Maturação fisiológica de sementes de tarumã-de-espinho (Citharexylum montevidense (Spreng.) Moldenke - Verbenaceae), no Jardim Botânico de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Sementes, 23: 100-107, 2001.

OLIVEIRA, R. G. Germinação de sementes e crescimento inicial de plântulas de Eschweilera ovata (Cambess.) Miers., Trema micrantha (L.) Blume. e Ficus tomentella Miquel. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco, 2009.

RAMOS, A.; BIANCHETTI, A. Metodologia para determinação do teor de umidade de sementes de Aracauraia angustifolia (Bert.) Kuntze. Revista Brasileira de Sementes, v. 3, p. 9-16, 1990.

STEIN, W. L.; SLABAUCH, P. E.; PLUMER, A. P. Harvesting, processing, and storage of fruits seeds. In: Seeds of woody plants in the United States, Agricultural Handbook, Washington D.C., p.98-125. 1974.

TOLEDO, F. F.; MARCOS-FILHO, J. Manual de sementes: tecnologia da produção. São Paulo, Agronômica Ceres, 224 p. 1977.

WANG, B. S. P. Procurement, handling and storage of tree seed for genetic research. World Consultation on Forest Tree Breeding, 3 Canberra. 1977.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n2-007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.