Educação ambiental não formal na construção de valores da comunidade infantil durante a temporada de julho no rio Crixás-Açu / Non-formal environmental education in the construction of values of the children`s community during the july season in Crixas- Açu river

Vanessa Lima Bom, Maira Barberi

Resumo


Na sociedade contemporânea a utilização de recursos naturais em atividades turísticas e ambientes de lazer vem se constituindo em uma prática constante. Os impactos resultantes destas atividades podem ser minimizados através da educação ambiental. Na bacia hidrográfica do rio Crixás-Açu ocupada em temporada de férias por acampamentos de turistas, a educação ambiental não formal pode se constituir em ferramenta fundamental para a preservação ambiental. Desta forma esta pesquisa teve como objetivo desenvolver e analisar atividades não formais, voltadas à educação ambiental do público infantil de turistas frequentadores do rio Crixás-Açu durante a temporada de julho 2019. A metodologia compreendeu a realização de atividades lúdicas, como história de uma fábula, jogos, rodas de conversas e a aplicação de um questionário antes da realização das atividades e após a intervenção, buscando medir a eficiência da metodologia aplicada. As atividades visaram tratar das problemáticas ambientais vivenciadas no rio. Os resultados obtidos na pesquisa indicaram a eficácia no trabalho realizado por meio de atividades não formais, favorecendo uma conectividade maior através do convívio com a natureza e as experiências presenciadas pelo público infantil. Em vista disso, conclui-se que, a prática da Educação Ambiental por meio da ludicidade reforça sua importância no processo de construções de valores, sensibilizando o grupo trabalhado para que assim seja transmitidos às gerações futuras um novo modelo de relação e consciência ambiental.


Palavras-chave


Educação Ambiental, Rio Crixás-Açu, Educação não formal, Turismo Sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Águas. Plano de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraguai – PRH Paraguai, Produto Parcial PP-05 - Propostas de Ações e Intervenções e Programa de Investimentos do Plano. Brasília: ANA/SPR, ENGECORPS ENGENHARIA S.A., 2017.

Alves Júnior, J. R. F. et al. Reproductive indices in natural nests of giant Amazon river turtles Podocnemis expansa (SchweiggerPEL, 1812)(Testudines, Podocnemididae) in the Environmental Protection Area Meanders of the Araguaia river. Brazilian Journal of Biology, v. 72, n. 1, p. 199-203, 2012

Bayer, Maximiliano; Santos, Júnio Gregório Roza dos; Vespucci, Ariel Godinho. Estações fluviométricas do estado de Goiás: qualificação dos dados hidrológicos disponíveis na base HIDROWEB/ANA. Ateliê Geográfico, v. 10, n. 3, p. 89-108, 2016.

Bispo, Dalila Santos. Ler e escrever: uma viagem fabulosa (Caderno pedagógico). Leitura, compreensão e produção textual: o gênero fábula em cena, 2018.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Consultoria Jurídica. Legislação Ambiental Básica / Ministério do Meio Ambiente. Consultoria Jurídica. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, UNESCO, 2008.

Brasil. Lei 12.305 de agosto de 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 de out. 2019.

Câmara, F. O. V. A importância da Educação Ambiental lúdica: abordagens e reflexões para a construção do conhecimento infantil. Revbea, São Paulo, V. 12, N° 4: 60-75, 2017.

Cornell, J. A alegria de aprender com a natureza. São Paulo: Ed. Senac, 1997.

DIAS, F. G. Educação Ambiental. Princípios e práticas. São Paulo: Editora Gaia, 2004.

Fortes, V.G.G.F.S Psicologia da educação. Natal: IFRN Editora, 2012.

Francischetto, G.P.P.; Pinheiro, P.T. A política nacional de resíduos sólidos como mecanismo de fortalecimento das associações de catadores de materiais recicláveis. Derecho y Cambio Social, 2016.

Freitas, L. A. C. et al. Auditoria ambiental de certificação de acampamento. 150 p. Trabalho de Conclusão do Curso de M.B.A. em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental – Faculdade Oswaldo Cruz, Goiânia, 2008.

Geonip. (2019). Disponível em: [http://www.geonip.com/en/geolocation/riocrixasacugoias-brazil/3465142]. Acesso em: 11 out 2019.

Longo, Vera Carolina Cambréa. Vamos jogar? Jogos como recursos didáticos no ensino de ciências e biologia. Textos FCC, v. 35, p. 130-159, 2012.

Moreira, P.K.F.N; Silva, W. V; balestra, R. A. M.. A Conservação da Tartaruga-da-Amazônia em Unidades de Conservação no Médio Rio Araguaia. Trabalho de Conclusão de Curso, PUC Goiás, 2014.

Oliveira, Larissa Alves de; Moura, Jeani Delgado Paschoal. Educação Ambiental por meio da reutilização de resíduos e construção de jogos. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 12, n. 2, p. 127-135, 2017.

Piletti, Nelson; Rossato, Solange Marques. Psicologia da aprendizagem: da teoria do condicionamento ao construtivismo. Editora Contexto, São Paulo, 2011.

Pimentel, D. S.; Magro, T. C. Diferentes dimensões da educação ambiental para a inserção social dos parques. Revista Brasileira de Educação Ambiental. Rio Grande, v. 7, n. 2, p. 44-50, 2012.

Pitanga, F.A. Crise da modernidade, educação ambiental, educação para o desenvolvimento sustentável e educação em química verde: (re)pensando paradigmas. Belo Horizonte. Revista Ensaio, Belo Horizonte.v.18, n. 3, p.141- 159, 2016.

ProNEA - Programa Nacional de Educação Ambiental –. Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental; Ministério da Educação. Coordenação Geral de Educação Ambiental. - 3. ed - Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2014.

Rangel, T. R.; Miranda, A. C. . Atividade Lúdica como Inserção da Educação Ambiental no Ensino Fundamental. Educação Ambiental em Ação. v. 55, p. 10-16, 2016. Disponível em: http://www.revistaea.org/pf.php?idartigo=2270. Acesso em: 07 mai. 2019.

Rodrigues, G. S. S. C.; Colesanti, M.M. Educação ambiental e as novas tecnologias de informação e comunicação. Sociedade & natureza (UFU. Online), v. 20, p. 51-66, 2008.

Sarc- Sociedade de Amigos do Rio Crixás; AAPBIO BR- Associação dos Acadêmicos e Profissionais em Biologia do Brasil. 17° Ordenamento do Turismo para a Conservação do Rio Crixás-Açu. Relatório Técnico, inédito, 13 p., 2018.

BRASIL WWF. Pegada ecológica: que marca queremos deixar no planeta? Brasília, 2007.

CÂMARA, F. O. V. A importância da Educação Ambiental lúdica: abordagens e reflexões para a construção do conhecimento infantil. Revbea, São Paulo, V. 12, N° 4: 60-75, 2017.

CRAMER, Michele Terres; CORAZZA, Rosana; BACCEGA, OLIVEIRA, Rochele da Cruz de. Rios e nascentes do município de Coxilha-Rio Grande do Sul: utilização de mapas e jogos como ferramentas para a Educação Ambiental. Revista Compartilhar-Reitoria, v. 2, n. 1, 2017.

NOLTE, Dorothy; HARRIS, Rachel. As crianças aprendem o que vivenciam. O poder do exemplo dos Pais na Educação dos Filhos. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2003.

SARC; AAPBIO BR. 17° Ordenamento do Turismo para a Conservação do Rio Crixás-Açu.Relatório Técnico, inédito, 13 p., 2018.

SARC; AAPBIO BR. 18° Ordenamento do Turismo para a Conservação do Rio Crixás-Açu. Relatório Técnico Preliminar, Inedito.2019.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-069

Apontamentos

  • Não há apontamentos.