Área foliar e alocação de fitomassa de cultivares de mamoneira nas condições do Recôncavo Sul Baiano / Leaf area and phytomass allocation of castor bean cultivars under conditions of the south of the Reconcavo region of Bahia

Juliana Firmino de Lima, Clovis Pereira Peixoto, Glaucia Amorim, Ellen Rayssa Oliveira, Vlademir Silva

Resumo


Para atender as necessidades dos agricultores e dos processadores da matéria prima, tem sido desenvolvido novos cultivares de mamoneira por diversas instituições de pesquisa. Dessa forma, torna-se necessário estudá-los quanto ao seu desempenho vegetativo e produtivo quando submetidos a diferentes condições agroclimáticas. Portanto, objetivou-se avaliar a área foliar e a partição de assimilados de cultivares de mamoneira nas condições de baixa altitude no Recôncavo Sul Baiano em dois períodos agrícolas consecutivos, por meio da técnica de análise de crescimento. O trabalho foi realizado no Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e as cultivares avaliadas foram BRS 149 Nordestina, BRS 188 Paraguaçu, EBDA MPA 17, Mirante 10 e Sipeal 28 no primeiro período. Por motivo de alta suscetibilidade ao mofo cinzento a cultivar Mirante 10 foi substituída no segundo período, pela cultivar EBDA MPA 18. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados com cinco repetições. As avaliações iniciaram-se 30 dias após emergência, com intervalos mensais, até o final do ciclo. A massa da matéria seca das plantas, em suas diversas frações, foi obtida após permanecerem em estufa de ventilação forçada na temperatura de 65ºC + 5ºC, até atingir massa constante. As médias das cultivares foram agrupadas pelo teste de Scott-Knott a 1% de probabilidade e para as médias das amostragens foram ajustados modelos de equações polinomiais. As curvas da massa da matéria seca apresentaram uma tendência sigmoidal esperada, observando que na mamoneira, os primeiros drenos são as folhas seguidas do caule e, posteriormente, os cachos. Nas condições de maiores índices pluviométricos e alta temperatura, as cultivares apresentam maiores taxas de crescimento e/ou desenvolvimento.


Palavras-chave


Condições climáticas, crescimento, massa da matéria seca, mamona, culturas oleaginosas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM NETO, M. da S.; ARAÚJO, A. E. de; BELTRÃO, N. E. de M. Clima e solo. In: Azevêdo, D. M. P. de; Lima, E. F. (Ed.). O agronegócio da mamona no Brasil. Brasília: Embrapa Algodão. p. 63-88, 2001.

BAHIA, H. F.; SILVA, S. A.; FERNANDEZ, L. G.; LEDO, C. A. da S.; MOREIRA, R. F. C. Divergência genética entre cinco cultivares de mamoneira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 43, n. 3, p. 357-362, 2008.

BELTRÃO, N. E. de M; GONDIM, T. M. de S.; PEREIRA, J. R.; SEVERINO, L. S.; CARDOSO, G. D. Estimativa da produtividade primária e partição de assimilados na cultura da mamona no semi-árido brasileiro. Revista brasileira de oleaginosas e fibrosas. Campina Grande, v.9, n.1/3, p.925-930, 2005.

BENICASA, M.M.P. Análise de crescimento de plantas (noções básicas). 2ª. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2003. 41p.

BEZERRA NETO, F. V.; LEAL, N. R.; GONÇALVES, L. S. A.; RÊGO FILHO, L. de M.; AMARAL JÚNIOR, A. T. do. Descritores quantitativos na estimativa da divergência genética entre genótipos de mamoneira utilizando análises multivariadas. Revista Ciência Agronômica, v. 41, n. 2, p. 294-299, 2010.

BRANDELERO, E. M. Índices fisiológicos e rendimento de cultivares de soja no município de Cruz das Almas BA. 2001. 63 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) - Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia, Cruz das Almas, 2001.

BRASILEIRO, H. S. Seleção de linhagens elites de mamoneira por meio de marcadores microssatélites e caracteres teor de óleo e peso de sementes por planta. 2014. 76f. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos) - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2014.

CHECHETTO, R. G.; SIQUEIRA, R.; GAMERO, C. A. Energy balance for biodiesel production by the castor bean crop (Ricinus communis L.). Revista Ciência Agronomica. Fortaleza: Univ Federal Ceara, Dept Geol, v. 41, n. 4, p. 546-553, 2010.

CONAB. Terceiro levantamento de acompanhamento da safra brasileira de grãos

/2021, 2020. Disponível em: < https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos>. Acesso em: 05 de jan. de 2021.

CONCEIÇÃO, M. K.; LOPES, N. F.; FORTES, G. R de L. Partição de matéria seca entre órgãos de batata-doce (ipomoea batatas (l.) lam), cultivares abóbora e da costa. Revista Brasileira de Agrociência. Pelotas-RS, v.10, n. 3, p. 313-316, jul-set, 2004.

COSTA, M. da N.; PEREIRA, E. W.; BRUNO, R. de L. A.; FREIRA, C. E.; NÓBREGA M. B. de M.; MILANI, M.; OLIVEIRA, A. P. Divergência genética entre acessos e cultivares de mamoneira por meio de estatística multivariada. Pesquisa Agropecuária Brasileira. Brasília, v. 41, n.11, p. 1617-1622, 2006.

COSTA, F. X. et al. Efeito do lixo orgânico e torta de mamona nas características de crescimento da mamoneira (Ricinus communis L.). Revista Engenharia Ambiental, v. 06, n. 01, p. 259-268, 2009.

CRUZ, T. V. Crescimento e produtividade de cultivares de soja em diferentes épocas de semeadura no Oeste da Bahia. 2007. 99p. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias) – Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

DRUMOND, M. A.; ANJOS, J. B. dos; MORGADO, L. B.; BELTRÃO, N. E. de M.; SEVERINO, L. S. Cultivo da mamoneira para o Semi-Árido brasileiro. Circular Técnica n. 85, Embrapa, Petrolina – PE, dezembro, 2008.

JAUER, A; DUTRA, L.M. C.; ZABOT, L.; LUCCA FILHO, A.C. Análise de crescimento da cultivar de feijão pérola em quatro densidades de semeadura growth analysis of bean cultivar pérola in four sowing densities. Rev. Fac. Zoo. Vet. Agro. Uruguaiana, Vol. 10, pág. 101 - 113, 2004.

LIMA, J. F. Tamanho ótimo de parcela, alocação de fitomassa e crescimento de mamoeiro em casa de vegetação. 2006. 60p. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias) – Centro de Ciências Agrárias e Ambientais. Universidade Federal da Bahia.

LIMA, J. F. PEIXOTO. C. P.; LEDO, C. A da S. Índices fisiológicos e crescimento inicial de mamoeiro (Carica papaya L.) em casa de vegetação. Ciência e Agrotecnologia. Lavras, v. 31, n. 5, p. 1358-1363, 2007.

MENDONÇA, A. V. R.; SANTOS, J. P. A.; VERDE, D. dos S. V.; SOUZA, M. O. de.; SOUZA, J. S. Production of seedlings of Psidium cauliflorum Landrum & Sobrall. Revista Caatinga, Mossoró, v. 33, n. 2, p. 433 – 445, 2020.

PEIXOTO, C. P.; CRUZ, T. V.; PEIXOTO, M. F. S. P. Análise do crescimento quantitativo de plantas: Conceitos e práticas. Enciclopedia Biosfera, Goiânia, v. 7, n. 13, p. 51-76, 2011.

PEIXOTO, C. P. Análise quantitativa do crescimento de plantas. In: PEIXOTO, C. P. Princípios de Fisiologia Vegetal: teoria e prática. 1 ed. Rio de Janeiro, RJ: Editora Pod, p.125-136, 2020.

PEREIRA, A. R.; MACHADO, E. C. Análise quantitativa do crescimento de vegetais. Campinas: Instituto Agronômico, 1987. 33p. (IAC. Boletim técnico, 114).

SANTOS, H.G. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3 ed. rev. ampl. Brasília: Embrapa Produção de informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2013. 353 p.

SILVA, V. Características fisiológicas de cultivares de mamoneira (Ricinus communis L.) no Recôncavo Baiano. 2008. 73f. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias) – Centro de Ciências Agrárias e Ambientais. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 2008.

SILVA, C. M. da; SILVA, P. B. da; PRADO, K. de A. C.; LIMA JUNIOR, C. de; LIMA, R. L. F. de A. Micorrizas arbusculares e mamoneira (Ricinus communis L.): 2. Cultivo de sequeiro no semiárido. Brazilian Journal Of Development, v. 6, n. 12, p. 98964-98976, 2020.

SOARES, F. A. L.; HANS, R. G; FERNANDES, P. D.; OLIVEIRA, F. H. T.; SILVA, F. V.; ALVES A. N.; PEDROSA R. M. B. Partição de fotoassimilados em cultivares de bananeira irrigada com águas de diferentes salinidades. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola Ambiental, Campina Grande, v.9 p. 101-107, 2005.

WEISS, E.A. Castor. In: WEISS, E.A. Oilseed crops. London: Longman, 1983, p. 31-99.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-060

Apontamentos

  • Não há apontamentos.