Compreendendo as consequências do diagnóstico assertivo da síndrome de Pandora e a responsabilidade do médico veterinário / Understanding the consequences of an assertive diagnosis of Pandora’s syndrome and the veterinarian’s responsibility

Luísa Santanna Blaskoski Cardoso, Bruna Porto Lara, Tábata Pereira Dias, Lana Ferreira da Silva, Marlete Brum Cleff

Resumo


Os felinos passaram a viver em ambientes intradomiciliares, com pouco enriquecimento ambiental e recebendo ração seca, ficando assim mais suscetíveis ao estresse e a enfermidades ocupacionais ou ambientais, como a Síndrome de Pandora. Esta síndrome é a principal causa de alterações do trato urinário inferior dos felinos (DTUIF), e os principais sinais clínicos relacionados a esta são hematúria, polaciúria, periúria e estrangúria. O diagnóstico depende dos achados clínicos, laboratoriais e de exames de imagem, além de uma anamnese detalhada. Neste trabalho relatamos o caso de um felino fêmea de 4kg, sem raça definida, com dez meses de idade e castrada, que apresentava histórico de hematúria. A análise laboratorial levou a suspeita de cistite, o tratamento medicamentoso instituído foi com anti-inflamatório não esteroidal, o qual não teve efetividade. No retorno da paciente foi observado pelo Médico Veterinário a marca de uma coleira na região cervical, o que evidenciou a forma como a gata vinha sendo mantida no ambiente domiciliar, o que levou ao diagnóstico de Síndrome de Pandora, evidenciando a importância de uma anamnese correta e do manejo assertivo do felino. De acordo com a literatura, a saúde mental e física dos gatos depende do bem-estar, sendo crucial a identificação de fatores que podem estar causando situações de estresse. Assim, o médico veterinário tem a função de conscientizar os tutores a partir do momento do diagnóstico, instruindo as melhores condutas a serem adotadas a fim de controle de enfermidades como a síndrome de Pandora.


Palavras-chave


Síndrome de Pandora, felino, cistite, estresse.

Texto completo:

PDF

Referências


ALHO, A.M., Epidemiologia, Diagnóstico e Terapêutica da Cistite Idiopática Felina.,REDVET, vol.17, n.11, pp. 1-13, 2016.

DANTAS, L.M.S., Comportamento social de gatos domésticos e sua relação com a clínica médica veterinária e o bem-estar animal., 2010, Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária da Universidade Federal Fluminense.

FERNANDES, C.M.F., Síndrome de Pandora: prevenção e tratamento. Revisão Sistemática. UNESP, Araçatuba, São Paulo, 2017.

LUZ, A.C.G. Síndrome de Pandora e caminhos para investigação clínica., 2019, Monografia (Graduação), Instituto de Saúde e Produção Animal, Universidade Federal Rural da Amazônia. Belém.

PEIXOTO, C.S., Terapias para cistite idiopática felina: revisão de literatura. Veterinária em Foco, v.17, n.1, 2019.

PINTO, A. S. S. Abordagem diagnóstica à doença do trato urinário inferior felino: estudo combinado retrospectivo e prospectivo. 2016. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2016.

SCHOLTEN, A.D. Particularidades comportamentais do gato doméstico. 2017, Monografia (Graduação), Universidade Federal do Rio Grande do sul. Faculdade de Veterinária. Curso de Medicina Veterinária.

SILVA, D.S., Novas diretrizes para o manejo do paciente clínico felino., 2017, Monografia (Graduação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

TEIXEIRA, K.C.; VIEIRA, M.Z.; TORRES, M.L.M., Síndrome de Pandora: aspectos psiconeuroendócrinos. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 17, n. 1, p. 16-19, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-048

Apontamentos

  • Não há apontamentos.