A geomorfologia e sua relevância para análises das implicações socioambientais nos territórios fluviais urbanos / Geomorphology and its relevance for analysis of socio-environmental implications in urban fluvial territories

Clecia Simone Gonçalves Rosa Pacheco, Sabrina Yasmim Rodrigues Pereira, Reinaldo Pacheco dos Santos

Resumo


A presente pesquisa resulta de um Projeto Permanente de Iniciação Científica, tendo como proposta analisar o território fluvial urbano de Petrolina/Pernambuco e o avanço da erosão fluvial, bem como a intensidade, as causas e consequências destes ao meio ambiente e a (in) sustentabilidade a nível local por conta da falta de aplicabilidade da legislação ambiental que trata da preservação e conservação das margens dos rios e suas respectivas matas ciliares. O referido trabalho está subdividido em duas etapas: a primeira etapa já foi concluída onde se fez esse mesmo estudo na margem baiana do Rio São Francisco e, a segunda etapa, que se encontra em andamento, onde se estuda a mesma problemática, desta feita, nos territórios fluviais urbanos da Bahia e suas implicações antropogênicas, bem como, o uso e a ocupação dos solos fluviais. O objeto dessa investigação foi basicamente uma área fluvial com cerca de 100 metros de extensão horizontal, do território fluvial de Petrolina e, o problema investigado foram os impactos ambientais naturais e antropogênicos nesses locais, buscando compreender os principais efeitos geomorfológicos fluviais decorrentes de múltiplos processos nas margens do rio São Francisco, no trecho, foco dessa pesquisa. Elencou-se como objetivo principal, analisar a intensidade dos processos erosivos e suas respectivas implicações para o meio ambiente, visando compreender suas causas e consequências para a sustentabilidade local. Para realização de tal pesquisa utilizou-se como metodologia a observação in loco no território fluvial petrolinense, num período de um ano, e a colocação de pinos de erosão para delimitação e observação da área a ser analisada. Mediante os resultados preliminares é possível afirmar que há um elevado processo erosivo, onde a erosão antropogênica sobrepõe-se a natural.


Palavras-chave


Territórios Fluviais, Erosão Antropogênica, Socioambientalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Elisa Cotta de. Nas margens do São Francisco: sociodinâmicas ambientais, expropriação territorial e afirmação ética do Quilombo da Lapinha e dos Vazanteiros do Pau de Légua. Montes Claros, PPGDS, 2009, 252f. Dissertação de (mestrado em Desenvolvimento Social). Departamento de Ciências Sociais, Unimontes, 2009.

BOTELHO, R.G.M. Bacias hidrográficas urbanas. In.: GUERRA, A.J.T. (org.). Geomorfologia urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011. Cap. 3, p. 71-116.

BRAGA, Benedito et al. Introdução à Engenharia Ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2 Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Disponível em: . Acesso em: 20 de janeiro de 2012.

BRASIL. LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. Disponível em:

. Acesso em: 10 jul. 2011.

CASSETI, Valter. Geomorfologia. [S.l.]: [2005]. Disponível em: < http://www.funape.org.br/geomorfologia/>. Acesso em: 17 jan. 2013.

CASTRO, Claudio de; JATOBÁ, Lucivânio. Litosfera: minerais, rochas e relevo. Recife/PE: Editora Universitária da UFPE, 2004.

CASTRO, Claudio de; JATOBÁ, Lucivânio. Litosfera: minerais, rochas e relevo. Recife/PE: Editora Universitária da UFPE, 2004.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO (CBHSF). Plano Decenal de Recursos

Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco – PBHSF (2004-2013) – Resumo Executivo.Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2013.

CUNHA, Sandra Baptista e GUERRA, Antônio José Teixeira (orgs.). Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

EMBRAPA: Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2 ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA – SPI, 1999. Disponível em: . Acesso em: julho de 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Histórico Do Município de Petrolina. IBGE Cidades. Disponível em: . Acesso em 10 jan. 2013.

JFPE – Justiça Federal de Pernambuco. 2020. Disponível em: https://www.jfpe.jus.br/index.php/institucional/secao-subsecoes.html. Acesso em: 29 dez. 2020.

LAKATOS, E. M. MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 3ªed.???

LIMA, S. F. Introdução ao Conceito de Sustentabilidade: aplicabilidade e limites. Caderno da Escola de Negócios. Faculdades Integradas do Brasil (UNIBRASIL). VOL. 4. n. 04, jan./dez. 2006. Disponível em:. Acesso em> 10 jan. 2013.

PACHECO, C. S. G. R. Implicações ambientais no espaço geográfico fluvial de Juazeiro/BA: a importância da geomorfologia para análise de problemas ambientais. Anais VII Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação (CONNEPI). Palmas/TO, 2012. Disponível em:

. Acesso em 10 jan. 2013.

PACHECO, G. R. C. S.; CAMPOS, E. P. Espaço geográfico, Construção civil e Meio ambiente: estudo comparativo das orlas fluviais e Juazeiro/BA e Petrolina/PE. Revista Semiárido De Visu. Vol. 2, N. 1, 2012, p. 241-251. Disponível em: . Acesso em: maio, 2012.

PEARSON EDUCATION DO BRASIL. Gestão ambiental. Perason Education do Brasil. São Paulo: Person Pretence Hall, 2011.

PEREZ FILHO, Archimedes. Unidades Geossistêmica na Bacia do Rio Mogi Guaçu/SP. Disponível em:< http://www.geo.ufu.br/simposio/simposio/trabalhos/trabalhos/pdf >. Acesso em: 27 de maio de 2012, às 20:30.

PORATH, S. L.. A paisagem de rios urbanos: A presença do rio Itajaí-Açu na cidade de Blumenau. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. UFSC/PR, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/88115. Acesso em: 29 dez. 2020.

SANTOS, M. A natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo, 2002.

SANTOS, Milton. O dinheiro e o território. In: SANTOS, Milton. et al. Território e territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. p. 13-21. São Paulo:Atlas, 1991.

SARMENTO, F. J.. Transposição do Rio São Francisco: realidade e obra a construir. Brasília: Do autor, 2005.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-047

Apontamentos

  • Não há apontamentos.