Avaliação da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Baixo Mogi com uso da geotecnologia / Environmental fragility assessment of the Baixo Mogi watershed through geotechnology

Erik Geraldo da Silva Souza, Marcelo Girotto Rebelato

Resumo


O presente trabalho de pesquisa tem como objetivo avaliar a fragilidade ambiental de forma empírica da Bacia Hidrográfica do Baixo Mogi, por meio da utilização da geotecnologia. Para isso, foi realizada a coleta e agregação dos dados pertinentes a área de estudo sobre a declividade, pluviometria, pedologia e uso e ocupação do solo. O processamento feito pela metodologia adotada foi realizado em ambiente de sistemas de informações geográficas mediante a ponderação das variáveis empregadas com a sobreposição dos planos de informação para a definição da fragilidade potencial e emergente. Os resultados expõem que os graus de fragilidade médio e alto são os principais presentes na bacia, tendo uma variação entre o mapeamento de fragilidade potencial e emergente. Como conclusão, é evidente que a diferença entre os tipos de fragilidade está relacionada sobretudo às ações antrópicas associadas a agricultura, apresentadas pela carta de uso e ocupação do solo. Os modelos geraram informações importantes, servindo como ferramenta para o gerenciamento e planejamento territorial da região.


Palavras-chave


fragilidade ambiental, geotecnologias, bacia hidrográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMI, S. F. et al. Environmental fragility and susceptibility mapping using geographic information systems: applications on Ribeirão do Pinhal watershed (Limeira, State of São Paulo). Acta Scientiarum, p. 433-440, 2012.

ANDRADE, M. M. et al. Determinação da fragilidade ambiental de uma bacia hidrográfica pertencente ao município de Presidente Prudente, SP. Revista de Ciências Agroveterinárias, p. 278-285, 2018.

BEZERRA, A. B.; SILVA, L. T. M. S.; SALES, L. G. L. Uso de Geotecnologias para o mapeamento da Fragilidade Ambiental da SubBacia do Rio Piancó, PB. Anais I Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido. Campina Grande, PB. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.034, de 27 de dezembro de 1994. Dispõe sobre o Plano Estadual de Recursos Hídricos - PERH, a ser implantado no período 1994 e 1995, em conformidade com a Lei n. 7.663, de 30/12/91, que instituiu normas de orientação à Política Estadual de Recursos Hídricos. São Paulo, 1994. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1994/lei-9034-27.12.1994.html. Acesso em: 15 jul. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. Institui a Divisão Hidrográfica Nacional. Resolução nº 32, de 15 de outubro de 2003. Brasília, DF, 2003.

IBGE - EMBRAPA - Mapa de Solos do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2001 - Escala 1:5.000.000.

FEHIDRO. Plano da Bacia Hidrográfica: 2008-2011. São Paulo: CETESB, 2011. 170 p.

FRANCO, G. B. et al. Relação qualidade da água e fragilidade ambiental da bacia do Rio Almada, Bahia. Revista Brasileira de Geociências, p. 114-127, 2012.

GOMES, R. L.; MARQUES, E. A. G.; FRANCO, G. B. Aptidão da bacia Hidrográfica do Rio Almada diante da implantação de áreas para disposição ambiental de rejeitos. Eng. Sanit. Ambient., p. 731-747, 2017.

INPE. Topodata. Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil. São José dos Campos, SP, 2011. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/topodata/acesso.php. Acesso em 20 jul. 2020.

KAWAKUBO, F. S.; MORATO R. G.; CAMPOS K. C.; LUCHIARI A.; ROSS J. L. S. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos. Goiânia: INPE; 2005. p. 2203-2210.

MANFRÉ, L. A.; SILVA, A. M.; URBANO, R. C.; RODGERS, J. 2013. Environmental fragility evaluation and guidelines for environmental zoning: a study case on Ibiuna (the Southeastern Brazilian region). Environmental Earth Sciences, 69; 947-957. 2013.

MANNIGEL, A. R. et al. Fator de erodibilidade e tolerância de perda dos solos do Estado de São Paulo. Acra Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 5, p. 1335-1340, 2002.

REGGIANI, P.; HASSANIZADEH, S. M. Megascale thermodynamics in the presence of a conservative field: The watershed case. Adv. Water Resour, p. 73-86, 2016.

ROSS J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia, p. 63-74, 1994.

ROSS, J. L. S. Landforms and environmental planning: Potentialities and Fragilities. Revista do Departamento de Geografia, p. 38-51, 2012.

SILVA, V. C. B.; MACHADO, P. S. SIG na Análise Ambiental: Susceptibilidade Erosiva da Bacia Hidrográfica do Córrego Mutuca, Nova Lima – Minas Gerais. Revista de Geografia, v. 31, n. 2, p. 66-87, 2014.

TAVARES, J. A. Fragilidade ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Punaú (RN) e área litorânea adjacente. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil. 178p, 2006.

TONIOLO, B. P.; SILVA, D. C. C.; LOURENÇO, R. W. Uso de geotecnologias para delimitação de susceptibilidade erosiva na Unidade de Negócio Oeste SABESP. Anais III Simpósio Brasileiro Online de Gestão Urbana. 2019. p. 489-502.

VALLE, I. C.; FRANCELINO, M. R.; PINHEIRO, H. S. K. Mapeamento da fragilidade ambiental na bacia do Rio Aldeia Velha, RJ. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 2, p. 295-308, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.