Comunidade de figueiras do campus da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto: implicações na manutenção da fauna de frugívoros e na recomposição de áreas de preservação permanente / Community of fig trees in the University of Sao Paulo campus, Ribeirao Preto city: implications on the frugivory fauna maintenemant and on the recomposition of permanent preservation areas

Monise Terra Cerezini, Simone Emanuelle Gobbo, Daniel Tirapeli Felício, Levi Oliveira Barros, Rodrigo Augusto Santinelo Pereira

Resumo


As plantas do gênero Ficus constituem um recurso-chave para o funcionamento de florestas tropicais, pois provêem alimento para animais frugívoros em períodos de escassez de frutos de outras espécies. Além disso, as figueiras apresentam um papel importante na regeneração e recomposição de comunidades vegetais, atraindo animais frugívoros dispersores de outras espécies vegetais. O presente estudo teve como objetivo caracterizar estruturalmente a comunidade de figueiras do campus da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, avaliando o papel potencial dessas espécies na manutenção da fauna local de frugívoros e na recomposição vegetal das áreas de preservação permanente. Todos os indivíduos de Ficus com perímetro à altura do peito (PAP) ≥ 10 cm foram mapeados durante o período de março a julho de 2005, em uma área de aproximadamente 50 ha do campus. Em cada indivíduo foi medido o PAP e estimado visualmente sua altura total. A amostragem excluiu as espécies exóticas de Ficus que não apresentam reprodução sexuada. Registramos a ocorrência de três espécies nativas de Ficus (F. adhatodifolia, F. citrifolia e F. eximia) e uma espécie exótica (F. microcarpa) com reprodução sexuada. Ficus citrifolia foi a espécie mais abundante, representada por indivíduos de porte menor. Em função dessa característica, F. citrifolia apresentou baixa dominância. A presença de figueiras no campus da universidade, além de importante para a manutenção da fauna frugívora, provavelmente favorece a propagação de outras espécies vegetais com dispersão zoocórica, auxiliando a recomposição das áreas de preservação permanente.


Palavras-chave


ecologia urbana, frugivoria, mutualismo, polinização.

Texto completo:

PDF

Referências


Carauta, J.P.P. 1989. Ficus (Moracea) no Brasil: conservação e taxonomia. Albertoa 2: 1-365.

Figueiredo, R.A. 1993. Ingestion of Ficus enormis seeds by howler monkeys (Alouatta fusca) in Brazil: effects on seed germination. J. Trop. Ecol. 9: 541-543.

Gautier Hion, A. & Michaloud, G. 1989. Are figs always keystone resources for tropical frugivorous vertebrates? A test in Garbon. Ecology 70: 1826-1833.

Gonçalves, C.N. & Waechter, J.L. 2003. Aspectos florísticos e ecológicos de epífitos vasculares sobre figueiras isoladas no norte da planície costeira do Rio Grande do Sul. Acta Bot. Bras. 17: 89-100.

Guevara, S.; Laborde, J. & Sánchez Rios, G. 2004. Rain forest regeneration beneath the canopy of fig trees isolated in pastures of Los Tuxtlas, Mexico. Biotropica 36: 99-108.

Kinnaird, M.F.; O'Brien, T.G. & Suryadi, S. 1996. Population fluctuation in Sulawesi Red-Knobbed Hornbills: tracking figs in space and time. Auk 113: 431-440.

Mueller-Dombois D. & Ellenberg H. 1974. Aims and Methods of Vegetation Ecology. New York: John Wiley and Sons.

Pereira, R. A. S. 2014. Polinização por vespas. In Biologia da Polinização, A. R. Rech, K. Agostini, P. E. Oliveira, e I. C. Machado, 291–309. Rio de Janeiro. Projeto Cultural.

Pereira, R.A.S., Rodrigues, E.; Menezes, A.O. Jr. 2007. Phenological patterns of Ficus citrifolia (Moraceae) in a seasonal humid-subtropical region in Southern Brazil. Plant Ecology 188: 265–75.

Ragusa Netto, J. 2002. Fruiting phenology and consumption by birds in Ficus calyptroceras (Miq.) Miq. (Moraceae). Braz. J. Biol. 62: 339-346.

Shanahan, M.; So, S.; Compton, S.G.; Corlett, R. 2001. Fig-eating by vertebrate frugivores: a global review. Biol. Rev. 77: 529-572.

Weiblen, G.D. 2002. How to be a fig wasp. Annu. Rev. Entomol. 47: 299-330.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.